En el Mundo Árabe lo que se está produciendo es una especie de gigantesco ‘Caracazo’

107788557Entrevista con Santiago Alba Rico
“En el Mundo Árabe lo que se está produciendo es una especie de gigantesco ‘Caracazo’”

Emiliano Teran Mantovani, kaosenlared, 5 de abril de 2013

Hemos tenido un agradable encuentro con el conocido investigador Santiago Alba Rico, filósofo y experto en temas del Mundo Árabe, quien ha visitado varias veces Venezuela y ha hecho parte de la Red de Intelectuales y Artistas En Defensa de la Humanidad. Con él, conversamos sobre el recientemente finalizado Foro Social Mundial de Túnez, sus incidencias en las luchas de los pueblos árabes, sobre cuáles son las claves para entender la dinámica del Mundo Árabe desde América Latina, y en los posibles escenarios para el futuro próximo de esta zona caliente del planeta. Continue lendo

Anúncios

Middle East and North Africa: The region entered in a long-term revolutionary process

achcarACHCAR Gilbert Achcar, Europe Solidarie Sans Frontiere, December 2012

Gilbert Achcar is the author of many books, including The Arabs and the Holocaust: The Arab-Israeli War of Narratives (New York: Metropolitan Books, 2010), and the forthcoming book, The People Want: A Radical Exploration of the Arab Uprising (Berkeley, CA: University of California Press, 2013). Achcar is a professor of the School of Oriental and African Studies (SOAS) in London. He grew up in Lebanon. 

——————————————————————————–

INTERNATIONAL SOCIALIST REVIEW – THERE’S A lot to cover. The Middle East has been in the news from the assault on Gaza to the situation in Tunisia, from the Morsi power grab in Egypt to the threats against Iran, any number of things. I want to start with a general assessment of the Arab Spring, what is called the Arab Spring, which began almost two years ago almost to the day, on December 17, 2010, in Tunisia. Can you give us a general sense of what that has meant for the region?

GILBERT ACHCAR – THE MOST general comment to make is that, for the first time in the history of the region, things are really moving and changing, and changing very fast at that, so that the region entered what I call a long-term revolutionary process. It is a tremendous change in the history of the region. Blockages of all sorts are exploding. I think it will remain with us for many many years to come. Continue lendo

Funeral, resurrección, peligro: el entierro multitudinario de Chukri Belaid en Túnez

FuneralSantiago Alba Rico, Rebelión, 9 de febrero

Más de un millón de personas -según datos del ministerio del Interior- acompañó ayer a Chukri Belaid hasta el cementerio de Al-Yalaz, en lo que es sin duda no sólo el entierro sino la manifestación más grande de la historia de Túnez. Como dice el sociólogo Jabib Ayeb, hubo un 6 de enero (la fecha en la que comenzó en 2008 la revuelta minera), hubo un 14 de enero (día del derrocamiento de Ben Ali) y hay ahora un 8 de febrero, tercer jalón de un proceso que el asesinato del líder de Frente Popular puede reconducir y acelerar. Esta enorme movilización, en un país paralizado por la huelga general, ha tenido sin duda una dimensión catártica: la re-liberación de ese miedo nuevo que amenazaba con atenazar los corazones y paralizar, como en tiempos de la dictadura, el pulso popular. El entierro de Chukri Belaid, tiene razón Gilbert Naccache, es un signo de salud revolucionaria, de vitalidad intravenosa, la prueba de que el aliento rugiente que derrocó al dictador no se ha apagado. Un aliento liberador que ha tenido ya su traducción en una conquista en apariencia diminuta, pero de un alcance subversivo: por primera vez en la historia de Túnez y quizás de todo el mundo árabe, contra lo que es la tradición, las mujeres han entrado junto con los hombres en el cementerio y participado con ellos en el funeral. Continue lendo

Túnez: creación de un “Frente Popular”

Proyecto de programa político

A l`Encontre / Rebelión, 11 de octubre de 2012. Traducido para Rebelión por Carmen García Flores

La creación del “Frente popular” se anunció en una rueda de prensa, el miércoles 26 de septiembre de 2012,en Túnez. Doce partidos y organizaciones políticas, así como numerosas figuras independientes, han participado en este proceso. Los partidos y organizaciones políticas que firmaron este proyecto son: el Frente Popular Unionista, el Partido Popular para la Liberación y el Progreso, el Partido Patriótico Socialista Revolucionario (al-Watad), el Movimiento del Baath, el Movimiento de los Demócratas Socialistas, el Partido de la vVnguardia Árabe Democrática, el Partido de los Trabajadores, el Partido de la Lucha Progresista, el Partido de los Patriotas Demócratas Unidos, el Partido Túnez Verde y la Liga de la Izquierda Obrera. El sentido de este proceso político también debe situarse en el contexto de las artimañas antisociales actuales del gobierno y de sus “fuerzas de seguridad”. Por ello ya se publicaron aquí dos comunicados antes de la publicación del proyecto del programa político del “Frente Popular (Redacción del A l`Encontre). Continue lendo

Tela quente

A percepção de que os de cima saqueiam o Estado, fazendo minguar recursos para saúde e educação, chegou à periferia: a tela está ficando quente

Ricardo Antunes, Folha de S.Paulo, 29 de agosto de 2011

O ano de 2011 começou com a temperatura social alta: na Grécia, várias manifestações se sucederam, repudiando o receituário da constrição de tudo que é público em benefício das grandes corporações. E a pólis moderna presenciou uma nova rebelião do coro.

Depois, veio a revolta no mundo árabe: cansados do binômio ditadura e pauperismo, riqueza petrolífera e fruição diamantífera dos clãs dominantes, a Tunísia deu o pontapé inicial. A forte revolta popular, com boa organização sindical, derrubou a ditadura de Ben Ali.

Os ventos rapidamente sopraram para o Egito: manifestações plebiscitárias diuturnas na praça Tahrir, conectadas pelas redes sociais, exigiam dignidade, liberdade e o fim da ditadura de Mubarak. Continue lendo

Tunisia: An ongoing revolution

Jan Malewski interviews wit Jalel Ben Brik Zoghlami, one of the leaders of the Ligue de la Gauche Ouvrière (LGO – Workers’ Left League), February 19, 2011

Jan Malewski – Since December 2010 the Tunisian masses have overthrown the dictator Ben Ali and given the signal for revolt throughout the Arab world and beyond. Back in November, this would have seemed impossible… What happened in your country?

Jalel Ben Brik Zoghlami – I think that we are in a process that you would call revolution, a social revolution, social, democratic and national. It is an anti-system revolution and it is a revolution for national dignity. In its Tunisian dynamic, as in its Arab dynamic, it is a permanent revolution. Since January one of the essential slogans — and it is not us who have raised it! — has been “Uninterrupted revolution, Ben Ali out!” Continue lendo

Tunísia opta pela paridade nas suas primeiras eleições

A revolução tunisina prossegue: foi decidido que as listas às primeiras eleições democráticas desde a independência, há 55 anos atrás, terão de respeitar a paridade entre mulheres e homens.

Esquerda.net, 13 de abril, de 2011

Segundo adianta o El País, não só as listas de candidatos contarão com o mesmo número de mulheres e homens como serão compostas alternando entre os dois sexos. Se as listas apresentadas não cumprirem os requisitos paritários serão consideradas inválidas.

Desde modo, a Assembleia Constituinte que terá em mãos a redacção da nova Constituição, contará com uma elevada participação feminina. As eleições estão marcadas para o dia 24 de Julho. Continue lendo

Revolta árabe: o sucesso das revoluções que fracassam

Vijay Prashad, Counterpunch /Carta Maior, 10 de abril de 2011

1. Partilhas

A OTAN errou o tiro e atirou contra “rebeldes” em Benghazi. Os comandantes da OTAN dizem que a culpa é das fronteiras que não existem. Difícil saber quem é quem, dizem, líbios “rebeldes” ou líbios regulares. A Líbia, afinal está dividida entre leste e oeste.

Gaddafi continua no comando no oeste. Seu filho Saif-al-Islam disse à BBC que a família não se interessa por partir para a Arábia Saudita, Zimbabwe ou Venezuela. Saif e o irmão, Saadi, apresentaram proposta segundo a qual o pai consideraria deixar a posição em que diz que nunca esteve, desde que os filhos mantenham posição de autoridade (Gaddafi père realizou impressionante pluricentralização familiar do poder, chamando-a de descentralização). O ex-deputado dos EUA Curt Weldon, ao que parece, disse a Gaddafi que poderia continuar como chefe honorário da União Africana e que seus filhos poderiam concorrer à presidência em futuras eleições na Líbia. Os “rebeldes” de Benghazi enfureceram-se: não é o que esperavam. (…) Continue lendo

Las trampas de la guerra

Serge Halimi, Le Monde diplomatique, 3 de abril de 2011. Traducido para Rebelión por Caty R.

Desde hace varios meses, las revueltas árabes agitan las cartas políticas, diplomáticas e ideológicas de la región (Leer nuestro dossier «Une région en ébullition»). La represión libia amenaza esta dinámica. Y la guerra occidental autorizada por las Naciones Unidas acaba de introducir en ese panorama un añadido de consecuencias imprevisibles. Continue lendo

Maior manifestação na Tunísia desde queda de Ben Ali

Mais de cem mil tunisinos exigem demissão do governo. Gritos de “Fora Ghannouchi”, “Chega de encenação”, “Vergonha para este governo”. Primeiro-ministro, pressionado, anuncia eleições. Manifiestação também no Egipto.

Esquerda.net, 26 de fevereiro de 2011

Mais de cem mil tunisinos manifestaram-se esta sexta-feira em Tunes pela demissão do governo de transição liderado por Mohammed Ghannouchi, na maior manifestação desde a queda de Ben Ali, a 14 de Janeiro. As mobilizações da Tunísia foram o ponto de partida da revolta árabe que já causou a queda de Mubarak, no Egipto, está à beira de derrubar Khadafi, da Líbia, e abala seriamente os regimes do Iémene, do Bahrein, da Jordânia. Por enquanto. Continue lendo

As cordas que movem o conflito no Oriente Médio

Robert Fisk, The Independent /Carta Maior, 20 de fevereiro de 2011

Hosni Mubarak denunciou que os islamistas estavam por trás da revolução egípcia. Ben Alí disse a mesma coisa na Tunísia, O rei Abdulá, da Jordânia, vê uma mão obscura e sinistra, a mão da Al Qaeda, da Irmandade Muçulmana, uma mão islamista por trás da insurreição que percorre o mundo árabe. No sábado, as autoridades do Bahrein descobriram que a mão ensanguentada do Hezbolah estava por trás dos levantes xiitas.

Como é possível que homens educados, mas singularmente antidemocráticos possam entender tudo tão errado? Confrontados com uma série de explosões seculares – Bahrein não está incluído nesta categoria – acusam os radicais islâmicos. O Xá cometeu um erro idêntico, no sentido inverso. Confrontado por um levante obviamente islâmico, ele acusou os comunistas. Continue lendo

São revoltas seculares – porque só se fala das religiões?

Se se podem deitar abaixo ditaduras na Europa – primeiros os fascistas, depois os soviéticos – por que não se podem derrubar ditadores no grande mundo árabe muçulmano? E – só por um instante, pelo menos – deixem a religião fora da discussão.

Robert Fisk, Esquerda.net, 21 de fevereiro de 2011

Manifestação em Rabat, 20 de Fevereiro de 2011, Foto de Omar El Hyani, obtida em globalvoicesonline.org Mubarak alegou que os islamistas estariam por trás da Revolução Egípcia. Ben Ali disse o mesmo, na Tunísia. O rei Abdullah da Jordânia vê uma sinistra mão escura – da al-Qa’ida, da Irmandade Muçulmana, sempre mão islâmica – por trás da insurreição civil em todo o mundo árabe. Ontem, as autoridades do Bahrain descobriram a amaldiçoada mão do Hezbollah, ali, por trás do levantamento xiita. Onde se lê Hezbollah, leia-se Irão.

Por que, diabos, tantos intérpretes cultos, embora impressionantemente antidemocráticos, insistem em interpretar tão mal as revoltas árabes? Confrontados por uma série de explosões seculares – o caso do Bahrain não cabe perfeitamente nessa classificação – todos culpam os islâmicos radicais. O Xá cometeu o mesmo erro, só que ao contrário: confrontado com um óbvio levantamento islâmico, pôs a culpa nos comunistas. Continue lendo

Seis escritores opinam sobre as revoltas em curso no mundo árabe

Nem todos estão otimistas sobre o futuro das revoluções em curso, mas os seis escritores que se pronunciam a seguir ressaltam em uníssono que o mundo árabe está vivendo acontecimentos históricos no norte da África.

El País, Uol, 11 de fevereiro de 2011 Continue lendo

Por que temer o espírito revolucionário árabe?

A reacção ocidental aos levantamentos no Egito e Tunísia frequentemente demonstra hipocrisia e cinismo

Slavoj Žižek, Esquerda.net,  2 de fevereiro de 2011

O que não pode deixar de saltar aos olhos nas revoltas na Tunísia e no Egipto é a notável ausência do fundamentalismo islâmico. Na melhor tradição democrática secular, as pessoas simplesmente se revoltaram contra um regime opressivo, a sua corrupção e pobreza, e pediram liberdade e esperança económica. A sabedoria cínica dos liberais ocidentais – de acordo com os quais, nos países árabes, o genuíno senso democrático é limitado a estreitas elites liberais enquanto que a vasta maioria só pode ser mobilizada através do fundamentalismo religioso ou do nacionalismo – provou-se errada. Continue lendo

A revolução dos Jasmins contra as autocracias. Entrevista com Sami Naïr

Eduardo Febbro entrevista Samir Nair, Página/12, 28 de janeiro de 2011. A tradução é do Cepat. Reproduzido do IHU On-line.

A chamada Revolução dos Jasmins, que explodiu na Tunísia há algumas semanas, pegou fogo como um rastro de pólvora em vários países árabes, e não dos menores. Iêmen e sobretudo o Egito vivem hoje revoltas que têm traços revolucionários. Trata-se de um fenômeno tanto mais único quanto o discurso ocidental sempre tratou os países árabes como incapazes de assumir coletivamente um destino democrático. Tunísia, Argélia, Mauritânia, Iêmen e Egito não apenas desmentem esses argumentos, mas que fazem tremer pela raiz as ditaduras que governam há décadas com mão de ferro e privilégios exorbitantes. Continue lendo

A ”Revolução Online” na Tunísia

Timothy Garton Ash, O Estado de S. Paulo, 24 de janeiro de 2011

“A Revolução Kleenex?” Acho que não. A menos, é claro, que se concorde com o presidente líbio, Muamar Kadafi. Numa denúncia pela televisão do levante popular que derrubou seu amigo ditador vizinho, ele declarou: “Mesmo vocês, meus irmãos tunisianos, vocês podem estar lendo essa conversa vazia do Kleenex na internet” (Kleenex é como Kadafi se refere ao WikiLeaks). “Qualquer imprestável, mentiroso, bêbado ou drogado pode falar na internet e vocês acreditam nele. Devemos nos tornar vítimas do Facebook, do Kleenex e do YouTube?” Ao que, como o orador é outro ditador, eu sinceramente espero que a resposta seja “sim”. Continue lendo