Can ‘Climate-Smart’ Agriculture Help Both Africa and the Planet?

One idea promoted at the Durban talks was “climate-smart agriculture,” which could make crops less vulnerable to heat and drought and turn depleted soils into carbon sinks. The World Bank and African leaders are backing this new approach, but some critics are skeptical that it will benefit small-scale African farmers.

Fred Pearce, Yale Environmental 360, December 15, 2011

The glacial pace of international efforts to curb climate change continued at the UN climate talks in Durban, South Africa last week. Governments concluded that by 2015 they should agree on legally binding targets for greenhouse gas emissions that involve all major nations — including China, India and the United States. But they also agreed that those targets would probably not come into force until 2020. Continue lendo

Anúncios

Grande Muralha Verde não cala os críticos

Mitch Moxley, IPS, 27  de setembro de 2010 

Pequim, China – A Grande Muralha Verde, como é conhecida a floresta artificial plantada na China para deter o rápido avanço do deserto, ocupará 400 milhões de hectares em 2050 e cobrirá mais de 42% do território nacional. Porém, especialistas criticam seus comentados benefícios para mitigar a mudança climática.

A China tem a maior floresta artificial do mundo, que cobre mais de 500 mil quilômetros quadrados. O Partido Comunista anunciou, este ano, que cumpriu seu objetivo para 2010 de alcançar 20% do território. O governo pretende plantar uma faixa de árvores de 4.480 quilômetros que se estenderá da província de Xinjiang, no extremo oeste, até a de Heilongjiang, no leste. Continue lendo

Amazônia em cinzas

Larissa Rangel, Ciencia Hoje On-line, 4 de junho de 2010

Manter a floresta de pé é mais difícil do que se imaginava: estudo mostra que a ocorrência de queimadas tem aumentado nas mesmas regiões em que o desmatamento está em declínio.

Algumas florestas também protegem grandes quantidades de carbono armazenadas em sua biomassa. Ao serem incendiadas, elas podem liberar uma quantidade significativa de gás carbônico. Continue lendo

Nas novas tecnologias, desafios ao petróleo

Washington Novaes, O Estado de S.Paulo, 11 de junho de 2010

O desastre com a plataforma de petróleo no Golfo do México põe em relevo duas questões que precisam ser respondidas com urgência: 1) Que limites devem ser respeitados no desenvolvimento vertiginoso de tecnologias nessa e em outras áreas e que implicam riscos muito graves? 2) Tendo em vista a possibilidade de desastres como o do Golfo do México e considerando ainda a necessidade urgente de reduzir as emissões de gases decorrentes da queima de combustíveis fósseis, por onde será conduzida em todo o mundo – e no Brasil – a política do petróleo? Continue lendo