New Permits to Pollute: REDD and the Green Economy

Shalmali Guttal, Focus on the Global South, June 14, 2012

REDD (Reducing Deforestation and Forest Degradation) is one of the most deceptive and risky initiatives proposed to mitigate climate change. REDD creates the illusion that by halting forest destruction and degradation, global emissions of Greenhouse Gases (GHGs) will be reduced. In actuality, however, the offset mechanism in REDD allows high GHG emitters to purchase forest carbon credits and avoid their own ethical responsibilities to cut emissions. REDD is a mechanism not to cut GHGs, but to deliver new permits to pollute. And by tying financing for forest protection with international carbon markets, REDD exposes precious natural resources to the risks of market volatility and instability. Continue lendo

Anúncios

Agricultura y bosques bajo ataque en negociaciones climáticas

Silvia Ribeiro, La Jornada, 31 de deciembre de 2011

La conferencia sobre cambio climático realizada en Durban, Sudáfrica, en diciembre 2011, destaca por lo que no decidió: ni compromisos de reducción de gases de efecto invernadero, ni fondos para los países más afectados, ni respeto a las “responsabilidades comunes pero diferenciadas” entre países industrializados que provocaron el caos climático y los demás que lo sufrimos. Pero sí avanzaron decisiones en agricultura, bosques, tecnologías y ampliación de mercados de carbono, que conllevan impactos muy negativos sobre la mayoría. Continue lendo

Nuevas formas de despojo territorial: RED, REDD y Represas

Los pueblos indígenas del planeta venimos padeciendo despojos sistemáticos de nuestros territorios, situación que se está agudizando en el presente siglo, sin que los estados-nación y organismos financieros asuman el cumplimento de Convenios internacionales y Declaratorias para frenar el saqueo territorial y los desplazamientos poblacionales.

A partir del golpe de estado en Honduras, el poder legislativo ha emitido una serie de leyes dirigidas a fomentar un supuesto desarrollo, basado en la subasta territorial, sin tener en cuenta el derecho a la consulta que poseemos los pueblos indígenas en Honduras.

El inconsulto Plan de Nación de la actual administración, se enfoca en un auge de los agrocombustibles; el cambio de matriz de producción energética apostando por una irracional destrucción de las cuencas hidrográficas; la entrega de franjas del territorio nacional a países o compañías extranjeras, bajo la modalidad de Regiones Especiales para el Desarrollo (RED); y la implementación del Programa de Reducción de las Emisiones producidas por la Deforestación y la Degradación, conocido como REDD. Continue lendo

Redd+ pode trazer mais desmate, alerta Greenpeace

Um estudo internacional realizado pela ONG Greenpeace aponta que os mecanismos de Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação (Redd+, na sigla em inglês) podem não ser tão eficientes para reduzir o desmatamento quanto se pensa. O Redd permite a compensação de emissões de gases-estufa, em países em desenvolvimento, por meio da negociação de créditos de carbono de áreas florestais de programas de manejo da floresta.

O Estado de S. Paulo, 11 de abril de 2011

O estudo, intitulado Má Influência, critica a consultoria McKinsey, que tem elaborado a maior parte dos planos de Redd+ dos países. Segundo a ONG, a consultoria distorceu o papel do mecanismo e incentiva a ação da indústria madeireira. O relatório cita o exemplo da Guiana, onde a ação de madeireiros cresceu 20% em razão do plano de manejo florestal sugerido pela consultoria.

Esquema Forestal de la ONU pone en riesgo el Clima

Nueva publicación expone los vínculos entre REDD y el mercado de carbono, las Instituciones Financieras Internacionales, las industrias extractivas, los árboles GM y la biotecnología

Rebelión, 6 de deciembre de 2010

“No REDD – Una Lectura Crítica es obligado para todos los que buscan saber la verdad sobre este instrumento mercantilista. También es altamente recomendado para aquellos quienes creen que las políticas para enfrentar al caos climático deben ver a los pueblos y la Madre Tierra y no ver meramente a los árboles como mercancías para generar lucros y especular con el carbono”.
Nnimmo Bassey, Director de Amigos de la Tierra Internacional y Director Ejecutivo de Environmental Rights Action en Nigeria

Grupos de base advierten que el esquema de protección forestal de la ONU que se viene negociando en Cancún a través de la 16 va Conferencia de las Partes de la ONU puede socavar severamente las políticas de mitigación climática y exacerbar los problemas ambientales y sociales. No REDD, una Lectura Crítica incluye investigaciones innovadoras que exponen los vínculos entre REDD y el mercado de carbono, las Instituciones Financieras Internacionales, las industrias extractivas, los árboles GM y la biotecnología. Además, originales casos de estudio exploran los problemas del Programa Socio Bosque en Ecuador, la amenaza a los Pueblos Indígenas en aislamiento voluntario en Perú, corrupción y coerción en el esquema REDD en Papúa Nueva Guinea, la verdadera cara sobre “participación comunitaria” en Indonesia, entre otros. La publicación resalta como REDD está siendo empujado por poderosos intereses para permitir una continua contaminación e incrementar el lucro de una serie de industrias mientras que perjudica los derechos de los Pueblos Indígenas y comunidades dependientes de los bosques y por ende, los mismos bosques y ecosistemas. Continue lendo

Cancún Opens for GREEN Business But REDD Will Destroy Indigenous Forest Cultures

Subhankar Banerjee, ClimateStoryTellers.org, November 30, 2010

The United Nations Framework Convention on Climate Change (UNFCC) COP16 opens this week in Cancún, Mexico to discuss green business (November 29 – December 10, 2010). No one is expecting any global climate treaty to be signed at this conference. However there is hope that some progress could be made.Two articles in particular caught my attention over the weekend. The first article was published in Grist is by Jennifer Morgan, Climate Director at the World Resources Institute, a think tank based in Washington, DC. The title of her article is “What can climate negotiations achieve in Cancun?” She writes “Establish a REDD+ mechanism” in a section titled “What decisions can be made in Cancun?” What was striking for me was the title of the following section, “What other issues remain contentious?” Clearly REDD+ is not a contentious issue for Morgan. Continue lendo

Impulsionando o crescimento verde

A adoção de medidas concretas agora revigorará a dinâmica do combate à mudança climática e ajudará a restabelecer a confiança na cooperação internacional

Caio Koch-Weser e George Soros, Valor Econômico, 23 de novembro de 2010

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-Moon, divulgou o relatório final do seu Grupo Consultor de Alto Nível sobre Financiamento da Mudança Climática (AGF, na sigla em inglês). Por sermos os dois membros do setor privado no AGF, estamos orgulhosos do nosso trabalho. O relatório apresenta as opções disponíveis para mobilizar US$ 100 bilhões anualmente para a mitigação e adaptação da mudança climática nos países em desenvolvimento e estabelece as condições que se atingir esse objetivo até 2020.

Uma condição essencial é estipular um preço robusto para o carbono, de US$ 25 a tonelada de CO2, com o fim de desencadear os vastos investimentos do setor privado necessários para financiar a transição para uma economia de baixo nível de carbono. Estamos preocupados, porém, com a falta de vontade política para a fixação do preço do carbono. Continue lendo

Carta de Evo Morales a los pueblos indigenas del mundo

Evo Morales, 27 de octobre de 2010

La naturaleza, los bosques y los pueblos indígenas no estamos en venta.

Hermanos indígenas del mundo: Estoy profundamente preocupado porque se pretende utilizar a algunos dirigentes y grupos indígenas para promover la mercantilización de la naturaleza y en particular de los bosques a través de la creación del mecanismo REDD (Reducción de Emisiones por Deforestación y Degradación) y sus versiones REDD+ y REED++.

Cada día desaparece en el mundo una extensión de bosques y selva equivalente a 36.000 canchas de fútbol. Cada año se pierden 13 millones de hectáreas de bosques y selva. A este ritmo, los bosques desaparecerán antes de fines de siglo. Continue lendo

Amazônia em cinzas

Larissa Rangel, Ciencia Hoje On-line, 4 de junho de 2010

Manter a floresta de pé é mais difícil do que se imaginava: estudo mostra que a ocorrência de queimadas tem aumentado nas mesmas regiões em que o desmatamento está em declínio.

Algumas florestas também protegem grandes quantidades de carbono armazenadas em sua biomassa. Ao serem incendiadas, elas podem liberar uma quantidade significativa de gás carbônico. Continue lendo

Queimadas na Amazônia anulam ganhos da queda no desmatamento

As emissões de gases-estufa economizadas pela redução do desflorestamento podem ser invalidadas pelas provenientes dos incêndios, revela estudo publicado na revista Science. Segundo a pesquisa, as queimadas cresceram 59% entre 1998 e 2007

Afra Balazina e Herton Escobar, O Estado de S.Paulo, 04 de junho de 2010

A agropecuária provocou o aumento das queimadas na Amazônia em áreas onde houve redução do desmatamento. É o que mostra um estudo de pesquisadores brasileiros publicado hoje na revista Science. O fogo é usado para limpar as áreas e, muitas vezes, passa despercebido porque as copas das árvores podem esconder, dos satélites usados para monitorar o desmate, o estrago que acontece embaixo delas. Continue lendo

As florestas não existem para absorver carbono

Franz Chávez, Terramerica, 26 de abril de 2010

Milhares de ativistas deixaram a Bolívia com a diretriz de combater o uso das florestas para absorver emissões de carbono, após fortes debates e críticas ao governo anfitrião.

A iniciativa de empregar a conservação de florestas como forma de compensar as emissões de gases-estufa esquentou o clima da cúpula dos povos contra a mudança climática na cidade boliviana de Cochabamba. Ao final, os participantes chegaram a um consenso e a rejeitaram. A Redução de Emissões de Carbono Causadas pelo Desmatamento e Degradação das Florestas (REDD) instalou-se com força entre as discrepâncias de ambientalistas e ativistas sociais e os países ricos interessados em pagar para manter florestas tropicais como forma de compensar suas emissões de carbono, o principal gás responsável pelo aquecimento do planeta. Continue lendo

Native Peoples Reject Market Mechanisms

Daniel Zueras, Inter Press Service, April 2, 2010

SAN JOSÉ – Solutions to global warming based on the logic of the market are a threat to the rights and way of life of indigenous peoples, the Latin American Indigenous Forum on Climate Change concluded this week in Costa Rica.

Proposals from governments and international non-governmental organisations (NGOs), such as the Clean Development Mechanism and the UN-REDD Programme (United Nations Collaborative Programme on Reducing Emissions from Deforestation and Forest Degradation in Developing Countries), “are new forms of economic geopolitics” that endanger indigenous rights enshrined in treaties, says the final declaration of the forum, which ended Wednesday.

These proposals allow states and transnational corporations to promote dams, agrofuels, oil exploration, tree plantations and monoculture crops, that cause expropriation and destruction of indigenous peoples’ territories and the criminalisation, prosecution and even murder of native people, the document says. Continue lendo

Carta de Belém

FlorestaAmazonica1Somos organizações e movimentos sócio-ambientais, trabalhadores e trabalhadoras da agricultura familiar e camponesa, agroextrativistas, quilombolas, organizações de mulheres, organizações populares urbanas, pescadores, estudantes, povos e comunidades tradicionais e povos originários que compartilham a luta contra o desmatamento e por justiça ambiental na Amazônia e no Brasil. Reunimos-nos no seminário “Clima e Floresta – REDD e mecanismos de mercado como solução para a Amazônia?”, realizado em Belém em 02 e 03 de outubro de 2009, para analisarmos as propostas em curso de Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação (REDD) para a região à luz de nossas experiências sobre as políticas e programas implementados na região nas últimas décadas. Nesta Carta vimos a público manifestar nossa reivindicação que o governo brasileiro rejeite a utilização do REDD como mecanismo de mercado de carbono e que o mesmo não seja aceito como compensação às emissões dos países do Norte. Continue lendo

A posição dos governadores sobre o REDD

redd_comic-forest_white-emailPaula Scheidt, do CarbonoBrasil

Governadores de nove estados pedem que governo federal defenda o mecanismo nas negociações internacionais e faz sugestões de como estimular o fluxo financeiro para manter as florestas em pé.

O presidente Luis Inácio Lula da Silva admitiu recentemente que incluiria o mecanismo de REDD (Redução de Emissões do Desmatamento e Degradação) na proposta para um novo acordo climático que será levada pela delegação brasileira a Conferencia do Clima em Copenhague, em dezembro. Continue lendo

Cinco pilares para as discussões da Conferência das Partes sobre Mudanças Climáticas

Red_Forest_Mutations_450Vitae Civilis, Envolverde, 19 de setembro

PRIMEIRO BLOCO DE SUSTENTAÇÃO: VISÃO COMPARTILHADA

A noção de uma visão compartilhada está descrita no parágrafo 1. Linha a) do Plano de Ação de Bali:

“Um ponto de vista comum sobre as medidas de cooperação de longo prazo, inclusive uma meta global de longo prazo para a redução de emissões, a fim de alcançar o objetivo final da Convenção, em conformidade com as suas disposições e princípios, em especial o princípio das responsabilidades comuns mas diferenciadas e respectivas capacidades, levando-se em conta as condições sociais e econômicas e outros fatores pertinentes;” Continue lendo