Estamos preparados para o pré-sal e o gás de xisto?

Washington Novaes, O Estado de S. Paulo, 20 de setembro de 2013

Anuncia-se que em novembro vão a leilão áreas brasileiras onde se pretende explorar o gás de xisto, da mesma forma que estão sendo leiloadas áreas do pré-sal para exploração de petróleo no mar. Deveríamos ser prudentes nas duas direções. No pré-sal, não se conhecem suficientemente possíveis consequências de exploração em áreas profundas. No caso do xisto, em vários países já há proibições de exploração ou restrições, por causa das consequências, na sua volta à superfície, da água e de insumos químicos injetados no solo para “fraturar” as camadas de rocha onde se encontra o gás a ser liberado. Mas as razões financeiras, em ambos os casos, são muito fortes e estão prevalecendo em vários lugares, principalmente nos Estados Unidos. Continue lendo

Anúncios

Greenpeace: pré-sal colocará o Brasil entre os grandes poluidores

O petróleo do pré-sal vai fazer o Brasil subir de posição no indesejado ranking dos maiores poluidores globais. O país, que estava na sexta posição, vai passar a ocupar a terceiro lugar, perdendo apenas para China e Estados Unidos.

Liana Melo, O Globo, 04 de dezembro de 2011

A projeção de triplicar a produção de petróleo, como prevê o Plano Decenal de Energia 2011-2020, vai jogar na atmosfera mais 955,82 milhões de toneladas de gás carbônico equivalente (CO2 eq). É o correspondente às emissões de gases de efeito estufa — aquele responsável pelas mudanças climáticas — de 5,7 bilhões de viagens na ponte aérea, entre o trecho Rio e São Paulo. Em 2015, a produção do pré-sal estará começando a ganhar peso, com 543 mil barris diários, de um total de três milhões, segundo a Petrobras. Em 2020, terá saltado para 1,9 milhão barris/dia, de um total de 4,9 milhões.

— Estamos ganhando um cartão de milhagem de um grande emissor e não de um viajando feliz — ironiza Sérgio Leitão, diretor de Campanha do Greenpeace, avaliando que o país estaria abrindo um “atalho errado”, já que a previsão é o pré-sal ser responsável por 54% da produção nacional em 2020.

— A exploração do pré-sal vai destampar uma enorme reserva de carbono. Gases do efeito estufa podem aumentar 197%. Uma verdadeira bomba. Continue lendo

Pré-sal: estatais chinesas fizeram aquisições que permitiram ter acesso a uma área de 1.232 km²

Depois de tentar comprar ativos da Devon e uma participação na OGX no ano passado, as estatais chinesas fizeram uma estreia meteórica na exploração e produção no Brasil, com investimentos de US$ 10,2 bilhões. Eles permitiram a duas estatais terem acesso a uma área de 1.232 quilômetros quadrados (Km2) nas bacias de Campos, Santos e Espírito Santo. É um pedaço quase igual à da britânica BG, que está no Brasil desde a abertura do setor, em 1999, e cujas concessões somam uma área de 1.361 Km2.

Cláudia Schüffner, Valor, 21 de fevereiro de 2011

Com as aquisições, a China entrou indiretamente nos campos Carioca e Guará, no pré-sal da bacia de Santos, depois da aquisição, pela China Petroleum & Chemical Corporation (Sinopec), de 40% das participações da Repsol no país, sem nunca ter ido a um leilão da Agência Nacional do Petróleo (ANP). A chinesa participou de um aumento de capital e subscreveu 40% das ações oferecidas pela espanhola. Continue lendo

P-33 na mira do Ministério Público

Cássia Almeida, Ramona Ordoñez e Bruno Rosa, O Globo, 17 de agosto de 2010

Depois das denúncias publicadas sobre os riscos aos trabalhadores na plataforma P-33, da Petrobras, que acabaram levando à sua interdição pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), o Ministério Público do Trabalho (MPT) abriu ontem inquérito para investigar as condições de segurança na P-33 e também na P31 e na P-35, que operam na Bacia de Campos. O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, admitiu ontem que a P-33 e outras plataformas têm problemas de conservação: Continue lendo

Plataforma P-35 da Petrobrás sofre princípio de incêndio

Nicola Pamplona, O Estado de S. Paulo, 12 de agosto de 2010

A Capitania dos Portos informou ontem que foi comunicada pela Petrobrás de um princípio de incêndio na plataforma de produção de petróleo P-35, instalada no Campo de Marlim, na Bacia de Campos.

A unidade constava, ao lado da P-31 e da P-33, da lista de embarcações com condições críticas de manutenção elaborada pelo Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense (Sindipetro-NF). A P-33 foi vistoriada ontem pela Marinha e pela Agência Nacional do Petróleo (ANP). Continue lendo

País quer acesso a investigação da BP

O ministro de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, deixou claro ontem ao governo americano que interessa ao Brasil conhecer a fundo o resultado das investigações oficiais sobre as causas da explosão na plataforma da British Petroleum (BP) no Golfo do México.

Denise Chrispim Marin,  O Estado de S. Paulo, 21 de julho de 2010 Continue lendo

Óleo no golfo ameaça pré-sal

O acidente da BP no Golfo do México tende a deixar “no limbo” a exploração do petróleo na camada pré-sal do Brasil, afirma o jornal britânico Financial Times, na reportagem “Realismo sobre riscos substitui euforia na incipiente indústria de águas profundas do Brasil”

Sílvio Guedes Crespo, O Estado de S. Paulo, 21 de julho de 2010 Continue lendo

Estudo prevê aumento de catástrofes petroleiras

O risco de acidentes será cada vez maior, devido a perfurações cada vez mais profundas e em zonas mais complicadas, explica Arne Jernelov, do Instituto de Estudos Futuros de Estocolmo, em artigo na revista Nature

La Jornada / Carta Maior, 7 de julho de 2010

Um estudo publicado na revista científica Nature concluiu que os riscos relacionados às catástrofes ambientais aumentará no futuro. O estudo prevê a ocorrência de mais acidentes maiores e mais perigosos e a dificuldade crescente nas extrações petrolíferas. Ane Jernelov, do Instituto de Estudos Futuros de Estocolmo escreveu na Nature (466, n.7303, pp. 182-183) que o risco de acidentes será cada vez maior, principalmente nos países cujas relações com o lobby do petróleo são muito estreitas, porque estão realizando perfurações cada vez mais profundas e em zonas mais complicadas. Continue lendo

Tratamento eleitoral da questão federativa é mau critério para divisão dos royalties do petróleo

Guilherme C. Delgado, Correio da Cidadania, 15 de junho de 2010

Aproxima-se do desfecho a definição do chamado marco regulatório à exploração do petróleo na zona marítima do Pré-Sal. Alguns consensos políticos emergiram desde que o Poder Executivo enviou ao Congresso no mês de outubro de 2009 os vários Projetos que compunham as novas regras para exploração do petróleo nesta área. Continue lendo

Predicciones sobre el pico del petróleo

John Sauven, The Guardian / Rebelión, 15 de maio de 2010

El debate sobre el pico de producción de crudo siempre se ha referido a la cuestión de las reservas y los costes. Sin embargo, son las tecnologías verdes y limpias las que ahora predicen el ocaso del petróleo.

Es ya una verdad a voces (entre las compañías petrolíferas y también los gobiernos) que incluso en una era en que nos enfrentamos a un cambio climático de consecuencias catastróficas y a los desastres que se derivan de él, como hemos visto esta semana en el golfo de México, la prospección petrolífera forma parte inevitablemente de nuestro futuro. Quizá sea una verdad a voces, pero empecemos por preguntarnos si es una verdad, simplemente. Continue lendo

Emendas e contendas políticas não estão a serviço da soberania brasileira no petróleo

Valéria Nader e Gabriel Brito entrevistam Fernando Siqueira, Correio da Cidadania, 11 de maio de 2010

Como o país todo pôde acompanhar neste ano, o petróleo continua sendo assunto de primeira grandeza em nossa política e sociedade. Após as exaltadas querelas de março entre deputados que se diziam defensores de seus estados e populações, aprovou-se em primeira votação a emenda Ibsen, que muda radicalmente a divisão dos royalties auferidos da extração do petróleo, levando políticos cariocas e capixabas a um comovente esperneio público. Tudo isso enquanto todos ignoram solenemente a CPI da Dívida Pública, se o problema por acaso é dinheiro. Continue lendo

Petróleo e Royalties: mau sinal

Paulo Passarinho, Correio da Cidadania, 26 de março de 2010

Nunca antes neste país tantos se manifestaram em defesa dos interesses da população e do Brasil.

A responsabilidade por tal mudança na postura de inúmeros políticos foi a aprovação, pela Câmara de Deputados, da chamada emenda Ibsen Pinheiro. Continue lendo

As propostas para o pré-sal

plataforma_construindoPaulo Passarinho, Correio da Cidadania, 4 de setembro de 2009

O governo finalmente definiu as suas propostas para o pré-sal. Em discussão no âmbito do governo desde meados de 2008, inicialmente previa-se que os projetos de alteração da legislação vigente, e criação de uma nova institucionalidade para melhor aproveitarmos a riqueza do petróleo oceânico, iriam ser apresentados antes mesmo das eleições municipais de 2008. Continue lendo

O petróleo tem que ser do povo brasileiro

João Pedro Stedile, Caros Amigos, outubro de 2008

1. O Brasil está diante de uma encruzilhada histórica. A descoberta da reserva de bilhões de barris, no chamado pré-sal marítimo e que ainda ninguém sabe certo quanto é, pode ser rendição ou a maldição.
A opção sobre qual caminho a seguir, pode levar a um processo mais rápido de solução dos problemas do povo, ou condená-lo a uma dependência ainda maior do capital estrangeiro. Continue lendo

“Me nego a aceitar que o petróleo e a Petrobras não sejam nossos”

Nilton Viana entrevista Ildo Sauer para o Brasil de Fato, 26 de setembro de 2008
A descoberta de novos campos de petróleo no Brasil tem suscitado amplo debate sobre os rumos que o país deva tomar para garantir que essa riqueza seja efetivamente do povo brasileiro. Várias propostas estão sendo colocadas, dentre elas a criação de uma nova estatal para gerenciar o pré-sal. Contrário à criação de outra empresa para administrar o pré-sal, o professor da Universidade de São Paulo Ildo Sauer, em entrevista ao Brasil de Fato resgata o papel histórico-social da Petrobras e acredita que se a ela tem contradições e problemas na sua gestão, é fácil sanar. Segundo ele, é um ato de vontade política. “A Petrobras tem uma corporação extremamente profissional e disciplinada. Se ela faz o que faz é porque alguém na sua organização de comando dirige e faz”. Como alternativa, Sauer defende a criação de um fundo constitucional, gerido com critérios definidos em constituição. Continue lendo

As oportunidades do pré-sal

Gilberto Dupas, O Estado de S.Paulo, 20 de setembro de 2008

O recente ciclo de crescimento brasileiro, que surgiu da explosão dos preços das matérias-primas demandadas pela China, pode estar chegando ao fim. Mas a descoberta das imensas reservas petrolíferas no pré-sal é uma oportunidade importante para ajudar a estruturar uma estratégia nacional de desenvolvimento que adicione valor à produção local e crie aqui empregos de qualidade em larga escala. Continue lendo

Fundo soberano?

Paulo Passarinho, Fundação Lauro Campos, 15 de setembro de 2008

Junto à discussão da potencial riqueza que teremos com as descobertas de campos de petróleo da chamada camada do pré-sal, surge naturalmente o debate sobre a melhor forma de uso dos recursos financeiros que o país poderá dispor.

Os atuais ministros já se movimentam. Aparentemente, o titular da pasta da Educação leva vantagem. O próprio presidente Lula já manifestou que a extraordinária renda a ser gerada pelo petróleo do pré-sal deverá, prioritariamente, ser destinada a essa área. Contudo, as demandas são enormes. Os ministros da Defesa, da Previdência, da Cultura e da Saúde também já se manifestaram sobre a necessidade dos seus segmentos serem contemplados. Estados e municípios também se agitam e reivindicam o seu lugar de beneficiários das receitas que estarão disponíveis e que poderiam ampliar investimentos vitais para uma melhoria substantiva na vida de milhões de brasileiros. Continue lendo

Pré-sal só levará ao desenvolvimento se impulsionar distribuição de renda

Guilherme C. Delgado, Correio da Cidadania, 17 de setembro de 2008

O debate que vem se dando na imprensa sobre o volume das reservas petrolíferas brasileiras depositadas nas camadas oceânicas do chamado pré-sal destaca três aspectos que convém comentar:

1) o próprio nível muito elevado dessas reservas (entre 5 e 8 vezes maiores que as reservas pré-existentes).

2) o modelo de exploração a ser concedido e/ou contratado entre a União, a Petrobras e suas parceiras.

3) o destino da renda advinda da exploração das novas reservas. Agora está se colocando um novo argumento, que certamente condicionaria os demais, no caso o ritmo de exploração desses recursos naturais, que, por maiores que sejam suas reservas, são de estoques finitos e não renováveis. Continue lendo

Pré-sal: uma riqueza ainda incomensurável e que deve ser do povo brasileiro

Consulta Popular, 12 de setembro de 2008

A importância da descoberta de petróleo na camada pré-sal é tão grandiosa que ainda é impossível quantificá-la com exatidão. Mas, é uma riqueza suficiente para acabar com a pobreza em nosso país. O único perigo é, mais uma vez, essa riqueza ser saqueada pelas transnacionais do petróleo e por uma pequena elite brasileira que enriquece, há 500 anos, traindo os interesses do país. É o povo brasileiro que precisa se apoderar dessa riqueza. Continue lendo

Momento mágico?

Análise da conjuntura da semana de 01 a 16 de setembro de 2008, elaborada pelo Centro de Pesquisa e Apoio aos Trabalhadores (CEPAT) e pelo Instituto Humanitas Unisinos (IHU).

A euforia nacional e a crise financeira mundial
A crise financeira mundial não dá tréguas
Lula o grande conciliador de classes
Um Brasil à moda JK
Questão ambiental. Um dos estrangulamentos do ‘momento mágico’

<!–[if gte mso 9]> Normal 0 21 false false false PT-BR X-NONE X-NONE MicrosoftInternetExplorer4 <![endif]–><!–[if gte mso 9]> <![endif]–>A euforia nacional e a crise financeira mundial

As últimas semanas caracterizam-se pela euforia que tomou conta do governo Lula e a crise financeira mundial. Lula não se cansa de afirmar que o Brasil vive “um momento mágico e glorioso”. Segundo o presidente “as coisas estão dando certo” e invoca até Deus para explicar o momento que considera fantástico para o país: “Deus cuida de todos os países, mas parece que resolveu morar no Brasil”, afirma o presidente. Continue lendo