Um mundo com mais população idosa será conservador e pouco inclinado a revoluções

Se o século XX foi o século dos jovens, o XXI será o dos velhos. Na metade do século, uma em cada cinco pessoas no mundo terá mais de 60 anos, superando pela primeira vez a população infantil, um fato insólito na história da humanidade. Não há nenhum segmento da população mundial que cresça em maior velocidade. Em 1950 eram cerca de 205 milhões de uma população mundial de 2,5 bilhões. Hoje, os que já completam 60 anos chega a 810 milhões sobre uma população de 7 bilhões, 11% da humanidade. E em 2050 espero não estar ainda entre os 2 bilhões com mais de 60 anos sobre uma população de 9,3 bilhões, porcentualmente o dobro de hoje; embora não possa excluí-lo, pois haverá 3,2 milhões de pessoas com 100 anos ou mais, número dez vezes maior que o atual.

Lluís Bassets, El País / Portal Uol, 7 de outubro de 2012

Não será a única grande novidade do século em que navegamos há 12 anos. Também será o século da população urbana e das megacidades: há alguns anos os urbanitas é a maioria no planeta. E o século das mulheres: das trabalhadoras que serão incorporadas ao mundo laboral nos países já emergidos e que garantirão a continuação do crescimento; e das mulheres idosas. Hoje há 84 homens para cada 100 mulheres com mais de 60 anos, e 61 idosos para cada 100 idosas com mais de 80, uma tendência que se acrescentará se virmos a pauta do Japão, país que experimenta a tendência de forma mais radical, com seus atuais 31% de população com mais de 60 anos: ali há hoje mais de 40 mil centenários, que serão 600 mil em 2050 e dos quais 500 mil serão mulheres. Continue lendo

Anúncios

Invasão grisalha

Mônica Manir entrevista Ted Fishman, O Estado de S. Paulo, 7 de outubro de 2012

Como bom jornalista que é, Ted C. Fishman gosta de uma boa história. Daí que começa Shock of Gray com uma muito próxima, a dos próprios pais, para ilustrar duas faces do mesmo dominó: a velhice. Enquanto a mãe, na casa dos 80, ainda rebola num concerto tributo ao Led Zeppelin e nada no Lago Michigan, o pai muito antes disso entrou num processo degenerativo, que o deixou totalmente dependente da família.

Daí em diante Ted parte para o subtítulo do livro: o envelhecimento da população mundial e como ele coloca jovens contra velhos, filhos contra pais, trabalhadores contra patrões, empresas contra rivais e nações contra nações. Tem-se a impressão de que só virá pedreira. Mas não é assim. O jornalista, autor do best seller China S. A., também mostra como o choque grisalho traz expansões de civilidade, de círculos sociais e de investimentos na ciência em busca da expansão maior, a imortalidade.

Ted estava em Chicago, sua cidade natal, quando deu esta entrevista atualizando suas pesquisas. Shock of Gray foi lançado em 2010 e, na época, ainda não se cravava 1 bilhão de idosos em dez anos, dado que a ONU divulgou nessa semana. Um pouco antes da entrevista o jornalista havia feito uma palestra para 1.100 executivos da segurança pública sobre como a polícia, os bombeiros e outros serviços de emergência devem se adaptar a um mundo em que, a cada segundo, duas pessoas celebram o 60º aniversário. “O complicador da história é que esses profissionais estão enfrentando pressão para que reduzam suas pensões”, diz. Funcionários públicos contra governo. Trabalhadores contra patrões, enfim. Continue lendo

Mundo terá um bilhão de idosos em dez anos e falta estratégia, adverte ONU

O mundo terá 1 bilhão de idosos dentro de dez anos e os países devem adotar estratégias próprias, em especial na área de saúde, para assegurar o bem-estar presente e futuro desse segmento da população. O alerta é de um relatório divulgado ontem, em Genebra, pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA, na sigla em inglês).

O Estado de S. Paulo, 2 de setembro de 2012

De acordo com a ONU, 1 em cada 9 pessoas no mundo tem 60 anos ou mais (o equivalente a 11,5% da população mundial) e o envelhecimento, embora seja um fenômeno comum a nações ricas e pobres, está aumentando mais rapidamente nos países em desenvolvimento – onde vivem 2 de cada 3 pessoas idosas. Continue lendo

Planeta não é sustentável sem controle do consumo e população , diz relatório

O consumo excessivo em países ricos e o rápido crescimento populacional nos países mais pobres precisam ser controlados para que a humanidade possa viver de forma sustentável.

BBC Brasil / O Estado de S. Paulo, 26 de abril de 2012

A conclusão é de um estudo de dois anos de um grupo de especialistas coordenados pela Royal Society (associação britânica de cientistas). Entre as recomendações dos cientistas estão dar a todas as mulheres o acesso a planejamento familiar, deixar de usar o Produto Interno Bruto (PIB) como um indicativo de saúde econômica e reduzir o desperdício de comida. Continue lendo

Aumenta a temperatura, e não só nos termômetros

Washington Novaes, O Estado de S. Paulo, 6 de abril de 2012

Há meia dúzia de anos, quando o autor destas linhas preparava para a TV Cultura documentário sobre a biodiversidade no Município de São Paulo, especialistas em clima na Universidade de São Paulo (USP) e na Secretaria do Verde e do Meio Ambiente chamaram a atenção para a diferença de temperatura observável simultaneamente entre as regiões mais altas (Serra do Mar, Cantareira) e as áreas mais industrializadas e com trânsito mais intenso (Mooca, Brás), que podia chegar a 6 graus Celsius. Isso levava a que se formassem ilhas de calor nas áreas mais quentes e para ali fossem atraídas as chuvas mais fortes (que seriam mais benéficas nas regiões de nascentes); também ocorria uma concentração das chuvas nos dias de mais movimento, durante a semana (quando eram mais problemáticas), e menos intensas nos fins de semana. Continue lendo

População e consumo na Rio+20

José Eustáquio Diniz Alves, EcoDebate, 9 de novembro de 2011

A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio/92) foi aberta oficialmente no dia 03 de junho de 1992. Naquela data a população mundial era de 5.478.595.455 habitantes. No dia 20 de junho de 2012, quando for aberta a Rio + 20 a população mundial deverá estar na casa de 7.052. 135.000 habitantes. Ou seja, em 20 anos a população mundial terá crescido em 1,6 bilhão de habitantes. Houve um aumento demográfico de 29% em duas décadas. Dá pra deixar as questões populacionais de fora da discussão do meio ambiente?

Em 1992, segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI), o PIB mundial – em poder de pardidade de compra (ppp) – foi de 27,9 trilhões de dólares. Isto representou uma renda per capita de 5 mil dólares no ano. Em 2012, o PIB mundial deve ficar em torno de 82,8 trilhões de dólares (ppp) com uma renda per capita mundial de 11,7 mil dólares. Houve um crescimento de 134% no poder de compra médio da população mundial em termos nominais. Deflacionando os números, o aumento foi de 98% em termos reais. Dá pra ignorar a dominação econômica sobre a natureza? Continue lendo

Somos 7 bilhões – é possível oferecer bem-estar a todos?

Cada habitante da Terra tem direito a uma vida digna, água, comida, educação, moradia e saúde. Se todos seguirem o estilo de vida dos países ricos, seriam necessários três planetas, dizem os especialistas.

Ulrike Mast-Kirschning, Deutsche Welle, 26 de outubro de 2011

Ela nasce por estes dias: a pessoa que, até o final de outubro, elevará a 7 bilhões o cálculo estatístico do crescimento populacional do planeta. O termo empregado pelos especialistas é “explosão demográfica”: nos últimos 200 anos ocorreu o mais veloz crescimento da população na história da humanidade.

Até 2050 deverão ser até mesmo 9,1 bilhões de habitantes. Cada um deles com direito a uma vida digna, água e alimento, educação, moradia e saúde. E quase todos sonham com um pouquinho de prosperidade, geralmente segundo os padrões ocidentais de qualidade de vida.

Mas o globo será capaz de comportar tudo isso? “Se todos seguirem o estilo de vida norte-americano ou ocidental, isso não será possível”, descarta o cientista Ernst Ulrich von Weizsäcker, especialista em meio ambiente e membro do Conselho para o Futuro do Mundo (WFC, em inglês), fundado em 2007, em Hamburgo. “Para tal, seriam necessários três planetas Terra.” Continue lendo

Revisiting Population Growth: The Impact of Ecological Limits

Demographers are predicting that world population will climb to 10 billion later this century. But with the planet heating up and growing numbers of people putting increasing pressure on water and food supplies and on life-sustaining ecosystems, will this projected population boom turn into a bust?

Robert Engelman, Yale Environment 360, Ocober 13, 2011

The hard part about predicting the future, someone once said, is that it hasn’t happened yet. So it’s a bit curious that so few experts question the received demographic wisdom that the Earth will be home to roughly 9 billion people in 2050 and a stable 10 billion at the century’s end. Demographers seem comfortable projecting that life expectancy will keep rising while birth rates drift steadily downward, until human numbers hold steady with 3 billion more people than are alive today. Continue lendo

The World at 7 Billion: Can We Stop Growing Now?

With global population expected to surpass 7 billion people this year, the staggering impact on an overtaxed planet is becoming more and more evident. A two-pronged response is imperative: empower women to make their own decisions on childbearing and rein in our excessive consumption of resources.

Robert Engelman, Yale Environment 360, July 18, 2011

Demographers aren’t known for their sense of humor, but the ones who work for the United Nations recently announced that the world’s human population will hit 7 billion on Halloween this year. Since censuses and other surveys can scarcely justify such a precise calculation, it’s tempting to imagine that the UN Population Division, the data shop that pinpointed the Day of 7 Billion, is hinting that we should all be afraid, be very afraid. Continue lendo

The World at 7 Billion: Can We Stop Growing Now?

With global population expected to surpass 7 billion people this year, the staggering impact on an overtaxed planet is becoming more and more evident. A two-pronged response is imperative: empower women to make their own decisions on childbearing and rein in our excessive consumption of resources.

Robert Engelman, Yale Environment 360, July 18, 2011

Demographers aren’t known for their sense of humor, but the ones who work for the United Nations recently announced that the world’s human population will hit 7 billion on Halloween this year. Since censuses and other surveys can scarcely justify such a precise calculation, it’s tempting to imagine that the UN Population Division, the data shop that pinpointed the Day of 7 Billion, is hinting that we should all be afraid, be very afraid.


Population growth, historical and projected, 1950-2100

Continue lendo

Seven Billion Souls and Counting: the Perils of an Overpopulated Planet

The dangers are many — from food shortages to climate change and fears of resulting social tensions and economic crises.

Neal Peirce, The Seattle Times, July 3, 2011

WASHINGTON — The population of Planet Earth is now projected to pass the 7 billion mark this October — up from just 2.5 billion in 1950. One study shows that if today’s explosive birthrates in developing nations continue, the African continent alone, by the end of this century, could have 15 billion people — more than twice the population of the world today.

This won’t happen. As populations age and urbanize, today’s fertility rates — in many poor nations an average of five, even six children for every woman — are bound to recede.

But the speed of the decline depends significantly on whether women have access to family planning and contraception services. Plus legalized abortion. Unwanted pregnancies and abortions are actually declining in countries that have made abortion legal, according to the Guttmacher Institute. Yet it notes that 70,000 women around the world die each year from illegal, often seriously botched abortions. Continue lendo

UN: Global Population to Top 10 Billion by 2100

Environment News Service, May 5, 2011

NEW YORK, New York – The world’s population will surge past nine billion before 2050 and reach 10.1 billion by the end of the century if current fertility rates continue, according to United Nations figures released Tuesday.

Today’s world population is currently close to seven billion, increasing by the second, and is projected to surpass seven billion towards the end of this year. Continue lendo

Censo 2010 aponta crescimento populacional nas regiões Norte e Centro-Oeste

Dez estados destas regiões foram os que mais cresceram nos últimos dez anos

Wilson Tosta e Felipe Werneck, O Estado de S.Paulo, 29 de abril de 2011

Uma explosão de crescimento da população das Regiões Norte e Centro-Oeste, onde ficam biomas importantes, como a Amazônia e o Cerrado, conjugada à redução no número de moradores em 25% das cidades brasileiras e ao crescimento mais acentuado dos municípios médios, sobressai na Sinopse do Censo IBGE 2010, que o instituto divulgou nesta sexta-feira, 28. O levantamento constata que os 10 Estados que mais cresceram no período 2000/2010 estão nas duas regiões, que ainda têm, porém, a menor proporção de moradores do País. Continue lendo

Sustentabilidade em um mundo lotado

A exploração de recursos naturais é tão intensa que não podemos mais fingir que vivemos em um ecossistema ilimitado. Desenvolver uma economia sustentável em uma biosfera finita exige novas maneiras de pensar.

Herman E. Daly, Scientific American n 41, outubro de 2005

Objetos criados pelo homem atulham o meio ambiente. Teorias econômicas que funcionavam bem em um mundo vazio já não se adequam a um planeta lotado. Continue lendo

Las dos terapias de la superpoblación

Jean-Pierre Garnier, Agone.org, 1 de deciembre de 2010. Traducido para Rebelión por Caty R.

La superpoblación, desde el punto de vista capitalista, se refiere a la imposibilidad –una vez constituido un ejército de reserva susceptible de reclutamiento en caso de «expansión» o «recuperación económica y que sirva de influencia sobre los sueldos de las personas con trabajo- de emplear al resto de la población. Una dificultad que está en vías de superación de dos formas, alternativas o combinadas. La primera corresponde a un escenario «duro» planificado por expertos que emergen directamente del Pentágono. La segunda, claramente más «suave» pero que no excluye recurrir simultáneamente a la primera, emana de civiles pertenecientes a la élite del capitalismo globalizado. Continue lendo

Capital paulista ‘exporta’ 293 mil pessoas nesta década

José Roberto de Toledo, O Estado de S.Paulo, 30 de novembro de 2010

Depois de cinco séculos recebendo migrantes de todas as partes do Brasil e do mundo, São Paulo tornou-se uma “exportadora” de gente no século 21. Entre moradores que chegaram e pessoas que abandonaram a cidade, a capital paulista perdeu 293 mil habitantes nesta década.

É o que os demógrafos chamam de saldo migratório negativo. São Paulo só continuou crescendo porque o saldo vegetativo foi alto: 1,770 milhão de nascimentos contra 667 mil mortos entre 2000 e 2010, segundo dados do Datasus (Ministério da Saúde). Continue lendo

Censo 2010: quantos somos e quanto crescemos

A primeira totalização do censo 2010 contou 190.732.694 habitantes. Isso torna o Brasil o quinto pais mais populoso do planeta, atras da Indonésia.

Clique aqui para acessar os mapas e graficos preparados por O Estado de S.Paulo com base nestes dados.

Uma modificação importante ocorreu no ranking das dez maiores cidades brasileiras:

1 São Paulo 11 244 369

2 Rio de Janeiro 6 323 037

3 Salvador 2 676 606

4 Brasília 2 562 963

5 Fortaleza 2 447 409 Continue lendo

Envejecimiento global

Ana Muñoz Álvarez, ALAI, 12 de noviembre de 2010

Una de cada diez personas en el mundo supera los 60 años. Para 2050, Naciones Unidas advierte de que la proporción aumentará a una de cada cinco. Estamos muy cerca de que el número de personas mayores en el mundo supere al número de niños de hasta cinco años por primera vez en la historia. En el año 1950, la esperanza de vida mundial no superaba los cincuenta años. En 2010, un recién nacido “promedio” vivirá más de setenta años. Aunque existen desigualdades entre los países ricos y los empobrecidos en esta materia, las agencias internacionales coinciden en que la población mundial envejece a pasos de gigante. Continue lendo

O problema de saber quantos já somos

Washington Novaes, O Estado de S.Paulo, 12 de novembro de 2010

Um dos temas mais discutidos na reunião da Convenção da Diversidade Biológica (CDB) em Nagoya foi o do aumento da população mundial e consequente pressão por mais recursos e serviços naturais, quando vários relatórios já acusam a insustentabilidade do panorama – alguns chegam a situar em 50% o excesso de consumo, comparado com a capacidade de reposição do planeta, e em 30% a perda da biodiversidade global registrada em 40 anos. Soluções propostas não escaparam dos caminhos que até aqui têm ficado no terreno das boas intenções – reduzir o consumo global, baixar o consumo nos países industrializados (os maiores consumidores), baixar as taxas de crescimento da população. Continue lendo

População brasileira passa por ”superenvelhecimento”, diz Ipea

A expectativa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) é que a população brasileira atinja sua expansão máxima em 2030, com aproximadamente 206,8 milhões de pessoas, e passe a se contrair depois disso, caso a taxa de fecundidade não volte a crescer. Com isso, nos próximos 20 anos, deverá haver um “superenvelhecimento” da população, o que deverá modificar as políticas públicas dos próximos governos.

Juliana Ennes, Valor, 14 de outubro de 2010

Com a continuidade da dinâmica da fecundidade e da mortalidade iniciada no século passado, a expectativa do Ipea, ao analisar dados do Instituto brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) é que, em 2040, o contingente populacional brasileiro seja de 204,7 milhões. Continue lendo