Energia solar chinesa sustentará a expansão global recorde em 2014

SCMP 30JAN13 CH SMOG12  masks.JPGDesenvolvedores solares ao redor do mundo instalarão uma capacidade recorde este ano na medida em que o próspero mercado chinês impulsiona o crescimento no setor, foi o que mostrou uma pesquisa feita pelo grupo Bloomberg ao mesmo tempo em que a indústria de 102 bilhões de dólares volta a dar lucros.

Marc Roca, Bloomberg, 25 de fevereiro de 2014. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Cerca de 44,5 gigawatts serão acrescidos em todo o mundo, um aumento de 20,9% sobre as instalações feitas no ano passado, segundo a média estimada de nove analistas e agências de pesquisa. Este número é igual à retirada de 10 reatores atômicos. No ano passado a nova capacidade aumentou para 20,3%, após um ganho em 2012 de 4,4%. A China se tornou o maior mercado de energia solar em 2013, ajudando a pôr fim à redução que já durava dois anos para os fabricantes do setor. O apoio estatal para projetos fotovoltaicos no país asiático, que é o maior consumidor de energia do mundo, tem visto os custos de instalação caírem no momento em que acelera o desenvolvimento de energias renováveis para reduzir a poluição. Continue lendo

Anúncios

Onda de poluição provoca escassez de máscaras de proteção na China

masksLuiza Duarte, RFI / EcoDebate, 28 de fevereiro de 2014

Há uma semana uma forte onda de poluição atinge o norte da China. Os índices alarmantes vêm. A poluição que vem afetando o norte da China foi classificada como crise de saúde pelos representantes da Organização Mundial da Saúde no país. Pesquisadores chineses associaram a condição atmosférica da China com um “inverno nuclear”, tamanha a densidade das partículas encontradas no ar e que formam uma densa nuvem de poluição.sendo considerados como uma crise de saúde e um desafio para o atual governo chinês. Em Pequim, onde a situação é mais grave, mesmo membros do governo já admitiram que a qualidade do ar da capital é insuportável.

A poluição do ar na cidade ultrapassou em vinte vezes o índice considerado seguro por organizações internacionais. Os estoques de máscaras de proteção respiratória estão esgotados em várias cidades. A situação em Pequim também vem sendo chamada ironicamente de “ar-pocalipse”. Mais de 15% do país foi coberto pela poluição, mais de 19 cidades registaram índices de poluição mais altos que os recomendáveis. Continue lendo

Grande Barreira de Coral perde 50% de sua cobertura em menos de 30 anos

Tempestades, branqueamento e aumento da população da estrela-do-mar-coroa-de-espinhos estão entre as principais causas e seriam relacionadas com as mudanças climáticas e com o excesso de poluição.

Jéssica Lipinski, Instituto CarbonoBrasil, 4 de outubro de 2012

Uma nova análise conduzida pelo Instituto Australiano de Ciências marinhas (AIMS) revelou nesta semana que a Grande Barreira de Corais australiana perdeu cerca de metade de sua cobertura em 27 anos.

O estudo, publicado nesta segunda-feira (1) no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), se baseou em aproximadamente duas mil pesquisas anteriores de a partir de 1985 e descobriu que a perda ocorreu principalmente devido aos danos provocados por tempestades e ciclones, pelo branqueamento dos corais e pelo aumento da população da estrela-do-mar-coroa-de-espinhos. Continue lendo

Poluição: um problema de saúde pública

A resolução dos problemas de mobilidade urbana e de poluição está imbricada em “conflitos econômicos e culturais”, e “numa política de sinais trocados”, diz Paulo Saldiva, médico e pesquisador da Faculdade de Medicina da USP à IHU On-Line. Os conflitos econômicos, esclarece, são de ordem pública, porque se estimula o problema, e dificulta a solução. “Por exemplo, para fazer um corredor de ônibus ou metrô, é preciso fazer um estudo de impacto ambiental, enquanto que no caso de São Paulo, para licenciar dois mil veículos por dia, não precisa fazer estudo nenhum. Então, isso impede que as decisões mais estruturantes sejam feitas”. Já os de ordem cultural, acontecem “porque as pessoas acostumaram a se defender do transporte coletivo ruim usando seus veículos (…) Enquanto nós nos maravilhamos quando vamos para a Europa andar de transporte coletivo, trem, ônibus, bonde, aqui defendemos o uso do nosso transporte individual”.

IHU On-line entrevista Paulo Saldiva, IHU On-line, setembro de 2012

Na entrevista a seguir, concedida por telefone, o pesquisador enfatiza que a poluição é verificada como problema de saúde pública desde os anos 1970, mas o tema é desconsiderado porque “quando se discute que tipo de combustível o país irá usar para diminuir a poluição, se o diesel irá mudar ou não, se vamos reduzir o IPI para facilitar a compra de carros, quem decide essas questões é o Ministério do Planejamento, o Ministério da Fazenda, Indústria e Comércio, e os integrantes da área da saúde nem se sentam à mesa para conversar”. Continue lendo

Previsão sobre aumento da poluição do ar preocupa

Por volta de 2050, praticamente todos os habitantes do planeta estarão a respirar um ar tão poluído quanto o que hoje se respira no leste asiático.

Fabiano Ávila,  CarbonoBrasil, 6 de agosto de 2012

Por volta de 2050, praticamente todos os habitantes do planeta estarão a respirar um ar tão poluído quanto o que hoje se respira no leste asiático _ Imagem de cidade na China Esta é uma das conclusões do estudo “Efeito das emissões antropogênicas sobre a qualidade do ar se nada for feito” (Effects of business-as-usual anthropogenic emissions on air quality), publicado na última quarta-feira (1) no periódico Atmospheric Chemistry and Physics. Continue lendo

Afinal, bons passos na área da energia

Washington Novaes, O Estado de S.Paulo, 25 de maio de 2012

Boas notícias na área da energia. A primeira, segundo o Ministério de Minas e Energia (Estado, 9/5), é a de que o Brasil não prevê novas usinas nucleares (perigosas, caras, sem destinação para o lixo radiativo) para antes de 2021; e só Angra 3 continuará em construção – a parte discutível é que retomará depois o projeto de implantar de quatro a oito centrais nucleares dali até 2030. A segunda é que a Agência Nacional de Energia Elétrica vai reduzir em 80% os tributos a serem pagos por usinas fotovoltaicas e solares térmicas que entrarem em operação até 2017 (Folha de S.Paulo, 13/4). Continue lendo

Cresce número de carros que transportam uma só pessoa

Reportagem de Alencar Izidoro e Raphael Veleda e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 22-09-2011.

Os carros mais populares costumam ter capacidade para transportar cinco pessoas, mas, na capital paulista, são utilizados quase como motos -e sem ninguém na garupa.

Em 2011, a taxa média de ocupação dos automóveis nas ruas pesquisadas pela CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) se limitou a 1,4 pessoa por veículo. Ou seja, a cada cinco carros em circulação nos horários de pico, somente sete pessoas são transportadas.

Esse cenário, a partir de monitoramento da CET em seis pontos, das 7h30 às 9h30 e das 17h às 19h, é citado por especialistas como exemplo do mau uso do carro – assim como da falta da cultura da carona por motoristas.
A queda foi de 1,49 pessoa por carro (em 2005) para 1,46 (em 2009) e agora para 1,40. Continue lendo

“Por novas concepções de desenvolvimento”,

Ivo Lesbaupin *

Nos últimos anos, diversos países latino-americanos, como Equador e Bolívia, vem incorporando nas suas constituições, o conceito do bem-viver, que nas línguas dos povos originários soa como Sumak Kawsay (quíchua), Suma Qamaña (aimará), Teko Porã (guarani). Para alguns sociólogos e pesquisadores temos aí uma das grandes novidades no início do século XXI.

Redescobre-se agora um conceito milenar: O ‘Viver Bem’. “A expressão Viver Bem, própria dos povos indígenas da Bolívia, significa, em primeiro lugar ‘viver bem entre nós’. Trata-se de uma convivência comunitária intercultural e sem assimetrias de poder (…). É um modo de viver sendo e sentindo-se parte da comunidade, com sua proteção e em harmonia com a natureza (…), diferenciando-se do ‘viver melhor’ ocidental, que é individualista e que se faz geralmente a expensas dos outros e, além disso, em contraponto à natureza” – escreve Isabel Rauber, pensadora latino-americana, estudiosa dos processos de construção do poder popular em indo-afro-latinoamérica[1]. Continue lendo

A lógica da inércia e a perda do essencial

Washington Novaes. Jornal O Estado de São Paulo

Publicado em: 15/07/2011

Texto interessante de Vitor Hugo Brandalise no caderno Aliás (10/7) lembrou que há 300 anos, no último dia 11, a vila de São Paulo – então com 210 casas de taipa batida, 1.000 habitantes, 7 igrejas, 4 bicas d´água – foi promovida a cidade. Um tempo em que os moradores eram obrigados a tapar, com suas mãos e instrumentos, os buracos nas ruas, sob pena de multa de 6 mil réis ou até 30 dias de cadeia. Bons tempos, apesar da escravatura de índios ? 

Trezentos anos depois, pergunta-se com insistência o que se fará na cidade de quase 12 milhões de pessoas, na metrópole de quase 20 milhões. Mas na prática quase não se consegue sair do papel. As câmaras municipais de 39 municípios da Grande São Paulo criaram há pouco (ESTADO, 10/5) o Parlamento Metropolitano, que não legislará, fará estudos para aprimorar a legislação nas áreas de transportes, educação, Plano Diretor Metropolitano. Virá somar-se ao Estatuto da Cidade, nacional (lei 10.257), que no dia 10/7 completou uma década, sem conseguir transformar em realidade o propósito de implantar planos diretores em todos os municípios de mais de 20 mil habitantes e, através deles, a “reforma urbana”. Continue lendo

Agricultura consome 69% dos recursos hídricos

A irrigação de 4,6 milhões de hectares de lavouras consome 69% da água utilizada no país, o equivalente a 680.616 litros de água por segundo, segundo dados do Relatório de Conjuntura dos Recursos Hídricos no Brasil divulgado ontem em Brasília pela Agência Nacional de Águas (ANA), relativos a 2009. Há, ainda, uma vasta área irrigável estimada pelo relatório em 29,6 milhões de hectares.

Tarso Veloso,  Valor, 20 de julho de 2011

“É preciso saber é se a irrigação está em áreas vulneráveis”, afirmou a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, referindo-se à possibilidade de um eventual esgotamento dos recursos hídricos nas áreas de produção agrícola. A área de plantio no país é de 54,2 milhões de hectares. Continue lendo

13 metais pesados, 13 solventes, 22 agrotóxicos e 6 desinfetantes na água que você bebe

Na safra de 2009 para 2010, o Brasil usou 900 milhões, quase 1 bilhão de litros de agrotóxicos. É o maior consumidor do mundo. Aonde vai parar esse volume todo? É isso o que temos pesquisado. Estudamos a contaminação das águas e para isso a gente trabalha com bacias, pois as nascentes dos rios dessas bacias estão dentro das plantações de soja

Manuela Azenha entrevista Wandelei Pignati, Vi o Mundo, 25 de março de 2011

Há cinco anos, Lucas do Rio Verde, município de Mato Grosso, foi vítima de um acidente ampliado de contaminação tóxica por pulverização aérea. Wanderlei Pignati, médico e doutor na área de toxicologia, fez parte da equipe de perícia no local. Apesar de inconclusiva, ela revelava índices preocupantes de contaminação. Continue lendo

Queremos água ou mineração? Vida ou degradação?

IHU On-line entrevista Ruben Siqueira, IHU On-line, 28 de março de 2011

Além de sofrer grandes consequências em função da transposição do seu curso de água, o rio São Francisco também está sendo condenado pela contaminação dos rejeitos de chumbo, cádmio e cobre resultantes da exploração minerária no sudoeste da Bahia e Minas Gerais. Em entrevista à IHU On-Line, por telefone, o representante da Comissão Pastoral da Terra – CPT-Bahia, Ruben Siqueira, analisou a situação do rio e denunciou as agressões que o Velho Chico vem sofrendo. “A transposição é, talvez, o caso mais contundente. Não basta esses sobreusos; estão querendo que as águas do São Francisco sejam suficientes para o abuso fora da bacia em nome do crescimento econômico”, disse ele. Continue lendo

Plastic Particles Circulating Endlessly in World’s Oceans

Stephen Leahy, IPS, March 24, 2011

HONOLULU, Hawaii – That plastic bottle or plastic take-away coffee lid that has 20 minutes of use can spend decades killing countless seabirds, marine animals and fish, experts reported here this week. Continue lendo

La bomba hídrica norteaméricana

Edmundo Fayanas Escuer, Rebelión, 1 de marzo de 2011

Estados Unidos tiene actualmente el 40% de sus ríos y lagos contaminados. Siendo muy peligrosos para actividades como la pesca, la natación o para su consumo Por ejemplo, el canal del Amor, en las cataratas del Niágara, padece un alto grado de contaminación ya habitual en los acuíferos de la zona. Tan sólo el 2% de los ríos y arroyos del país siguen su curso en su estado natural original. Continue lendo

Diesel, combustível que mais polui, já responde por 53% das emissões de CO2

O diesel, usado principalmente no transporte de carga, é o combustível que mais tem colaborado para as emissões pelos escapamentos de dióxido de carbono (CO2), o principal gás de efeito estufa, no Brasil. Em 2009, o diesel respondeu por 53% das emissões do transporte rodoviário do País, seguido pela gasolina, com 26%.

Afra Balazina, O Estado de S. Paulo, 11-02-2011.

O primeiro inventário nacional de emissões veiculares mostra que a grande participação desse derivado do petróleo nas emissões de gases que provocam o aquecimento global tende a se manter: em 2020, deve ser responsável por 49% das emissões de CO2. Continue lendo

Se está muriendo la Naturaleza?

Juan Gelman, Página 12, 27 de enero de 2011

Es misterioso y todavía no hay explicación científica: desde los últimos días del año pasado se registran muertes casi simultáneas de peces, aves y otras especies en cuatro continentes. El primero de estos fenómenos que se hizo público aconteció en Maryland, a fines de diciembre: dos millones de peces aparecieron muertos en las playas de la bahía de Chesapeake. Días después en Arkansas amanecieron 5.000 mirlos muertos en las calles y 200.000 peces muertos en el río Arkansas. Noticias parecidas comenzaron a venir de diferentes rincones del mundo. Continue lendo

SP emite 145 milhões toneladas de CO2 equivalente, mostrará inventário

Vinicius Neder, Jornal da Ciência, 29 de novembro de 2010

1º Inventário de Gases de Efeito Estufa do Estado de São Paulo será lançado oficialmente nesta terça-feira, dia 30, pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb)

O inventário paulista refere-se a 2005, quando o estado emitiu 145 milhões de toneladas de CO2 equivalente na atmosfera. O dado foi adiantado pelo diretor de inovação do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) de São Paulo, Fernando Landgraf, em apresentação no 6º Congresso Abipti, promovido pela Associação Brasileira de Institutos de Pesquisa Tecnológica, nos dias 24 e 25 de novembro, em Brasília. Continue lendo

Toxic Hotspots Require Global Superfund

Stephen Leahy, Inter Press Service, November 11, 2010

UXBRIDGE, Canada – One of the world’s biggest health threats is also one of the least recognised – more than 100 million people who literally breathe and eat toxic pollutants like lead, mercury, chromium every day, according to the first-ever detailed assessment. By contrast, global attention and billions of dollars are focused on AIDS, tuberculosis and malaria, which affect comparable numbers of people.

“Toxic pollution has been under the radar screen of most governments for some time,” said Stephan Robinson of Green Cross Switzerland, a group focused on environmental health, and co-author of the assessment titled “World’s Worst Pollution Problems Report 2010”.  “These pollution problems can be dealt with affordably and effectively,” Robinson told IPS. Continue lendo

Os vilões do efeito estufa

São os canos de descarga de veículos os principais responsáveis pela emissão de gases do efeito estufa no Rio de Janeiro

Cláudio Motta e Leonardo Cazes, O Globo, 20 de setembro de 2010

Um estudo encomendado pela prefeitura à Coppe/UFRJ revela que os meios de transporte rodoviário são os maiores poluidores, com 33% do total. Em seguida, vêm as emissões provenientes do lixo, com 25%, e a poluição industrial, com 10%. O trabalho foi apresentado em agosto no Fórum Carioca de Mudanças Climáticas, com dados das emissões de 2005. Continue lendo

Umidade do ar chega a 15% e coloca São Paulo em estado de alerta

Folha de S.Paulo, 13 de setembro de 2010

A umidade relativa do ar caiu ainda mais no início da tarde desta segunda-feira e chegou a 15% por volta das 13h30, colocando a cidade em estado de alerta. Na estação automática do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), a marcação de umidade mínima chegou a ficar em 12%, igualando ao menor nível do ano, registrado em 27 de agosto. Apesar disso, ela não é considerada oficial.

Mais cedo a cidade já tinha entrado em atenção, após ficar com a umidade abaixo dos 30%. Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), índices de umidade relativa do ar inferiores a 30% caracterizam estado de atenção; de 20% a 12%, estado de alerta; e abaixo de 12%, estado de alerta máximo. Os principais efeitos da baixa umidade são secura na garganta e nos olhos e problemas respiratórios. Continue lendo