Neoliberalismo, um dogma inabalável?

A crise deveria tê-las reduzido a pó, mas as ideias neoliberais são constantemente renovadas, segundo um processo de produção permanente, no seio de verdadeiras fábricas: instituições internacionais, universidades, think tanks.

Michel Husson, Esquerda.net, 23 de agosto de 2012

Em França, muitas centenas de economistas reuniram-se para dizer até que ponto estavam “aterrados” em razão das políticas levadas a cabo na Europa. Diante da crise, as medidas de apoio à atividade depressa foram substituídas por uma austeridade generalizada. Ora esta desencadeia uma espiral recessiva que não pode resolver a questão da dívida, e muito menos do desemprego. Esta vontade cega de voltar ao business as usual vem acompanhada de uma aplicação brutal das receitas neoliberais, que se parece muito a uma terapia de choque. Continue lendo

Anúncios

Europe: facing the “crisis of our time”

Henri Wilno, International Viewpoint, August 2012

During the 1930s, US president Herbert Hoover liked to say that recovery was “just around the corner”. During the current crisis and most especially in Europe it would be difficult to count the number of statements by leaders (Nicolas Sarkozy was a specialist at this) periodically announcing either the end of the crisis, or more prudently, for example after a European summit, that we are now on the right road.

The situation in June and July 2012 shows, if it were necessary, that nothing of the sort is true. After so many European summits presented as decisive, the Spanish bank crisis combined with the situation in Greece marks a new stage of the financial crisis in Europe. At almost any time, there could be an acceleration of events in the Euro zone leading to a serious undermining of the single currency and a banking crisis. In this context, it is especially interesting to consider the possible trajectories of European construction. Continue lendo

Europa: Refundação ou Fratura

A Europa está a devorar os seus próprios filhos. É urgente estudar formas de reconstruir e de começar a entender como aqui chegamos.

Michel Husson, Esquerda.net, 4 de março de  2012

Na realidade, o verme estava na fruta, por uma razão de fundo: “nada, nem na teoria nem na prática, permite estabelecer o postulado segundo o qual a contração monetária forçaria a convergência real dos países europeus” [i]. A moeda única “assume a realização de um espaço homogéneo para a qual é suposto contribuir”[ii]. Ou seja, para usar uma fórmula de Patrick Artus: “Forçar os países da zona euro para se tornar homogéneo não faz sentido”[iii]. Continue lendo

El capitalismo necesita vacaciones

Michel Husson, Viento Sur, 22 de junio de 2011

Los viejos países capitalistas no van bien. Es lo que señalan las últimas previsiones de la ONU /1: “Una ralentización del crecimiento mundial es esperada en 2011 y 2012”. Para los países desarrollados, el informe prevé un crecimiento del 1,9% en 2011 y luego del 2,3% en 2012. La Unión Europea (1,5% y 1,9%) y Japón (1,1% y 1,4%) se portarían aún peor, y los Estados Unidos (2,2 y 2,8%) un poco mejor. Del crecimiento mundial tirarían los países en desarrollo, con el 6% en 2011 y el 6,1% en 2012. “La recuperación mundial ha sido frenada por las economías desarrolladas”, dice el informe. Incluso nos podemos preguntar si habría recuperación en los países desarrollados sin el dinamismo de los países emergentes. Continue lendo

El capitalismo en 1500 signos

Michel Husson, Viento Sur, 15 de marzo de 2011

El capitalismo es un modo de organización social. No se define pues por la existencia de la moneda, de los bancos o de los mercados, que existieron antes. El capital es una relación social: los poseedores de los medios de producción (los capitalistas) contratan a los asalariados, les dan órdenes y objetivos. Se apropian del conjunto del sobreproducto social, dicho de otra forma, de las riquezas nuevas, y no dan de ellas sino una parte, bajo la forma de salario, a quienes las han producido. La diferencia constituye la ganancia.

Los capitalistas eligen invertir allí donde esperan un beneficio máximo, pero tienen también necesidad de mercados. Esta contradicción fundamental es reforzada por la ausencia de coordinación entre capitales privados en competencia unos con los otros. El capitalismo es pues inestable y está sometido a crisis periódicas. Pero tiene también una historia y se puede distinguir un capitalismo relativamente regulado, el de los “treinta gloriosos” (1946-1975) al que sucede a partir de los años 1980 un capitalismo neoliberal que se libera de sus “trabas”.

El capitalismo ha conducido a un auge considerable de la productividad del trabajo. Pero se enfrenta hoy a sus límites: desigualdad en el reparto de las riquezas, rechazo a satisfacer las necesidades sociales no rentables e incompatibilidad con el control del cambio climático. La crisis sistémica que estalló en 2007 plantea pues la cuestión de su superación en el sentido de una democracia social y ecológica.

Hacia un regulación caótica

La nueva fase de la crisis capitalista.

Michel Husson, Viento Sur, 26 de febrero de 2011. Traducción: Josu Egireun para VIENTO SUR

La nueva hoja de ruta de la crisis en Europa está bastante clara: se trata de hacer pagar la factura de la crisis a las y los asalariados. Con el objetivo de arrojar un poco de luz sobre la coyuntura actual, vamos a abordar, en primer lugar, la trayectoria de la crisis estos últimos años, para después caracterizar los dilemas planteados en la fase actual y, finalmente, plantear los retos estratégicos de este nuevo periodo. Continue lendo

Uma estratégia europeia para a esquerda

Michel Husson, Esquerda.net, 19 de janeiro de 2011

A dimensão especificamente europeia vem agravar os efeitos da crise global. Desde há trinta anos, as contradições do capitalismo têm sido ultrapassadas, em resumo, por uma enorme acumulação de direitos fictícios sobre a mais-valia. A crise ameaçou destruí-los. Os governos burgueses decidiram preservá-los, dizendo que era preciso salvar os bancos. Eles tomaram as dívidas dos bancos por conta própria, sem quase nada exigir como contrapartida. Teria sido possível, contudo, impor condições a essa salvação, por exemplo a interdição de produtos especulativos e o encerramento dos paraísos fiscais; ou ainda responsabilizar os bancos por um certo montante da dívida pública que esta salvação fez bruscamente aumentar. Continue lendo

Um passivo de trinta anos

A crise de hoje deve ser compreendida como a crise das soluções aplicadas à que a antecedeu. Para simplificar, elas assentavam em dois elementos: a compressão salarial e o financiamento.

Michel Husson, Esquerda.net, 8 de janeiro de 2011

A crise de hoje deve ser compreendida como a crise das soluções aplicadas à que a antecedeu. Um economista mais inspirado escrevia em Agosto de 2008 que “a questão do subprime está agora bem estampada no retrovisor”1. Olhar para o retrovisor é uma boa ideia porque não se compreenderia nada do funcionamento da crise actual sem a colocar em perspectiva. Continue lendo

A baixa tendencial dos impostos sobre as empresas

As empresas são cada vez menos tributadas. A taxa média de imposto sobre as empresas, calculada para 80 países, passou de 38% para 25% entre 1995 e 2010. A baixa do IRC é semelhante à queda do peso dos salários no rendimento nacional.

Michel Husson, Esquerda.net, 5 de janeiro de 2011 – 02:5

A KPMG acaba de publicar o seu relatório de 2010 dos impostos sobre as empresas1. Combinando os seus dados com os relatórios dos anos anteriores, pode-se estabelecer séries para o período 1993-2010. Pode haver reservas sobre estes dados: é difícil resumir a fiscalidade a uma taxa única e os meios estabelecidos para as grandes zonas não são ponderados pelo tamanho das economias. O resultado é, no entanto, claro: as empresas são cada vez menos tributadas. A taxa média de imposto sobre as empresa,s calculada para 80 países, passou de 38% para 25% entre 1995 e 2010 (gráfico 1) Continue lendo

Estranha retomada

Aumenta a probabilidade de uma nova re-recessão. Neste contexto, os governos europeus teimam em levar avante políticas aterradoras, mantendo-se numa profunda cegueira

Michel Husson, Regards / Esquerda.net, 19 de setembro de 2010

Há um ano, era possível identificar estes quatro dilemas da “retomada”: 1. Dilema da distribuição: restabelecimento da rentabilidade versus emprego e procura; 2. Dilema da mundialização: redução dos desequilíbrios versus crescimento global; 3. Dilema orçamental: redução dos défices versus despesas sociais; 4. Dilema europeu: cada um por si versus coordenação1. Continue lendo

Crisis de la finanza o crisis del capitalismo?

Michel Husson, Corrient Roig. Traducción de Mikel de la Fuente para Corriente Roja

La crisis actual ha nacido en la esfera financiera pero se ha extendido rápidamente al conjunto de la economía llamada real. Esta constatación plantea dos tipos de cuestiones. Cuestiones de orden teórico: ¿cómo analizar las relaciones entre finanza y economía real y su responsabilidad en la crisis? Y cuestiones más prácticas: ¿Cuáles son los canales de transmisión de una a otra y como volver sobre la financiarización? ¿Qué articulación entre finanza y economía real? Continue lendo

Los derechos y los dólares: El FMI y la ley de Okun

Michel Husson, Viento Sur, 13 de mayo de 2010

Un ser dotado de razón habría pensado (ingenuamente) que la crisis permitiría moderar los ardores neoliberales. Están ciertamente los hermosos discursos, pero también las no-decisiones y sobre todo las estrategias que se pondrán en marcha en cuanto sea posible. El FMI consagra así un capítulo de su informe trimestral a los mercados de trabajo durante y después de la crisis. Es un estudio pesado y carente de matices basado en la “ley de Okun” que dice que el paro aumenta cuando la producción baja: ¡grandioso descubrimiento! Continue lendo

Crise: quais as respostas progressistas?

É preciso esmagar as desigualdades: por um lado, pelo aumento da massa salarial e, por outro, pela reforma fiscal

Michel Husson, Os novos tempos / Esquerda, 25 de junho de 2010

A actual crise é uma crise extremamente profunda. A reacção dos governos é, por fim, suficientemente clara: resolvem o mais urgente para evitar as catástrofes, submetem-se ao capricho dos mercados sem nunca procurar controlá-los e preparam as adaptações necessários para voltar, logo que possível, ao business as usual. A profundidade da crise é tal, que os governos não dispõem de alternativa real à versão neoliberal do capitalismo que construíram. Os planos de austeridade que se anunciam são e serão de uma grande violência e só irão conseguir endurecer os traços regressivos deste sistema. Continue lendo

Notas críticas sobre o capitalismo cognitivo

Michel Husson, O Comuneiro n.5, setembro de 2007

A tese do capitalismo cognitivo decreta que a teoria do valor está morta e enterrada. Antonio Negri escreveu, por exemplo, que a lei do valor “envelheceu e tornou-se inútil”, que ela perdeu “todo o sentido face à desmesura da acumulação social” e (com a colaboração de Maurizio Lazzarato) que “o capital torna-se um aparelho vazio, de constrangimento, um fantasma, um fetiche”.

Em 1998, em ‘Exil’, ele escreveu ainda que “o trabalhador, hoje em dia, não tem mais necessidade de instrumentos de trabalho (quer dizer, de capital fixo) que sejam postos à sua disposição pelo capital. O capital fixo mais importante, aquele que determina os diferenciais de produtividade, encontra-se agora no cérebro das gentes que trabalham: é a máquina-instrumento que cada um de entre nós transporta em si próprio. É isto a novidade absolutamente essencial da vida produtiva de hoje.” Continue lendo

Compreender o capitalismo actual

Michel Husson, O Comuneiro n. 6, marco de 2008

Este texto retoma duas contribuições publicadas em “O marxismo face ao capitalismo contemporâneo”, Cahiers de critique communiste, 2004. Ele procura esclarecer esta questão: em que medida os contributos de Marx podem permitir compreender melhor o funcionamento do capitalismo contemporâneo?

Reivindicar-se de trabalhos datados do século XIX para analisar a realidade de hoje expõe-nos evidentemente à crítica de cair num arcaísmo dogmático. Uma tal objecção é legítima, mas com duas condições que merecem ser assinaladas. Em primeiro lugar, não se trata de dizer que as ferramentas conceptuais de Marx podem ser mobilizadas tal e qual e que o seu uso dispensa toda análise concreta: por definição o método marxista interdita tais facilidades. Em seguida, a crítica de arcaísmo apenas pode ser aplicada apoiando-se em dois postulados, dos quais um só bastaria para tornar caduca a referência marxiana. Continue lendo

Economia mundial: o pior está por vir

Michel-Husson_scale_AuteurA retoma não vai apagar a recessão. Será lenta e hesitante e terá provavelmente uma forma de W, com um arranque devido aos planos de relançamento, seguido de uma nova queda num crescimento débil. Para reduzir o défice, poderia pensar-se numa reforma fiscal que contribuísse para uma repartição mais justa dos rendimentos. Mas é evidentemente uma outra via que será a escolhida, a que passa por novos cortes nos orçamentos sociais.

Por Michel Husson, Politis, 25 de Junho de 2009. Reproduzido de Esquerda.net Continue lendo

Crise: salários contra lucros

michelhusson2-sSó há uma solução: pôr fim ao retrocesso salarial, modificar a distribuição das riquezas: menos lucros, mais salários e investimentos sociais. A margem de manobra é considerável, já que os lucros distribuídos pelas sociedades não-financeiras representam, hoje, 12% de sua massa salarial, contra 4%, em 1982. Isso implica uma redução drástica de privilégios da pequena esfera social que aproveitou bem o neoliberalismo.

Michel Husson – Golias Hebdo, Esquerda.net, 20 de novembro de 2008 Continue lendo

Michel Husson: “Não acredito na derrocada do capitalismo”

michel_hussonCrise do capitalismo, abrandamento dos países emergentes, intensificação das divergências no seio da zona euro, novo «Bretton Woods»: Michel Husson, economista no Institut de recherches économiques et sociales, membro da Attac, analisa o grande sismo económico em curso.

Por Ludovic Lamant, publicado originalmente por Mediapart.fr

Considera, tal como o pensador americano Immanuel Wallerstein, que «o capitalismo se aproxima do seu fim»?

Eu adoptaria uma posição intermédia. Efectivamente, a grandeza da crise é tal que põe em causa a natureza do capitalismo. Contudo, sempre critiquei a ideia de uma derrocada do sistema capitalista. Não acredito num cenário de implosão. Continue lendo

Husson: crédito e seguros devem ser um serviço público

michelhusson2O economista francês Michel Husson, investigador do IRES (Instituto de Investigação Económica e Social), considera, nesta entrevista ao jornal Rouge, que as nacionalizações de bancos em crise devem ser acompanhadas pela nacionalização integral dos bancos e dos seguros, se não quisermos que sirvam apenas para restabelecer o seus lucros à custa de quem paga impostos. Esquerda.net, 3 de novembro de 2008

Como sair do dilema entre deixar os bancos afundar-se, com o risco de piorar a crise em detrimento dos assalariados, ou salvá-los, sendo o custo desse salvamento pago pelos próprios assalariados ?

A única forma de evitar o dilema era uma nacionalização integral dos bancos e dos seguros. Não se trata de cobrir o lance, mas sim de dar uma resposta coerente. Eles fazem “nacionalizações”, mas limitam-se a tomar participações parciais, e concebidas como provisórias. Essas injecções de dinheiro público só vão servir para acelerar as reestruturações e, no final das contas, para restabelecer o lucro dos bancos à custa de quem paga impostos. Para realmente “abrir os livros de contas”, consolidar os créditos cruzados, fazer a triagem para não deixar que se impinjam títulos podres, para impedir as fugas, é preciso colocar o conjunto dos bancos sob controlo público. Continue lendo