Extreme Energy Means an Extreme Planet

The new “Golden Age of Oil” that wasn’t as forecasts of abundance collide with planetary realities

Michael T. Klare, Tom Dispatch.org, October 4, 2012

Last winter, fossil-fuel enthusiasts began trumpeting the dawn of a new “golden age of oil” that would kick-start the American economy, generate millions of new jobs, and free this country from its dependence on imported petroleum.  Ed Morse, head commodities analyst at Citibank, was typical.  In the Wall Street Journal he crowed, “The United States has become the fastest-growing oil and gas producer in the world, and is likely to remain so for the rest of this decade and into the 2020s.” Continue lendo

Anúncios

‘Planetary Emergency’: New Data Elevates Climate Change Alarm

Arctic exploitation ‘perfect indictment of our failure to get to grips with the greatest problem we’ve ever faced’

Common Dreams staff, September 20, 2012

Drawing on new data on the rate of melting arctic ice released Wednesday by the National Snow and Ice Data Center (NSIDC), leading scientific experts and environmental campaigners upped the level of alarm and issued a renewed call to action by calling the growing reality of climate change a “planetary emergency”. Continue lendo

Pegada ecológica: os seres humanos estão em déficit

A capacidade de consumo parece ilimitada e o planeta não é suficiente. Os recursos que serão utilizados daqui até o final do ano correspondem a estoques que não se renovam. A informação faz parte de um relatório baseado em dados científicos.

 Eduardo Febbro, Página/12, 27 de agosto de 2012. A tradução é do Cepat. Reproduzido de IHU On-line.

Desde 22 de agosto passado, a Humanidade está em déficit. Nos primeiros oito meses do ano, os seres humanos esgotaram a totalidade dos recursos que a Terra é capaz de produzir ao longo do ano. Em 22 de agosto, se alcançou o que a ONG Global Footprint Network (GFN) chama de Global Overshoot Day, isto é, “o dia do excesso”. Desde 2003, esta ONG mede todos os anos a pegada ecológica do planeta, o acúmulo dos recursos e a forma como os consumimos. A capacidade de regeneração anual do planeta é limitada. Diante disso, a capacidade de consumo do ser humano parece ilimitada e o planeta não é suficiente para cumprir com as exigências que a Humanidade lhe impõe. Desde a década de 1970, os seres humanos vivem muito acima dos seus meios. O relatório da GFN mostra um aceleramento constante do esgotamento dos recursos. Em 2012, o Global Overshoot Day foi atingido 36 dias antes que em 2011. A curva para baixo é constante. Os cálculos desta ONG se baseiam em dados científicos que se articulam em torno de uma medida, o hag, o hectare global mediante o qual se compara a biocapacidade do planeta com o consumo de cada país. O resultado dos estudos é catastrófico: para manter o nível de vida atual falta meio planeta suplementar. Continue lendo

A humanidade já acabou com seu orçamento ecológico para 2012

Um estudo divulgado pela Rede da Pegada de Carbono Global, uma entidade de pesquisa do meio ambiente, e a Fundação Nova Economia (Nef, na sigla em inglês), um “think-tank” com sede em Londres, criadora do “Dia da dívida ecológica”, confirmou que hoje mesmo (22-08) a humanidade acabou com seu orçamento ecológico anual para 2012, e entrou em déficit ecológico. No caso da Espanha, isso aconteceu no dia 22 de abril.

La Vanguardia, 22 de agosto de 2012. A tradução é do Cepat. Reproduzido do IHU On-line.

“Em menos de oito meses, acabamos com todos os recursos que o planeta pode prover e com todo o carbono que pode absorver de forma sustentável”, destaca em um comunicado. Como consequência, no restante do ano “viveremos com o crédito do planeta e de futuras gerações, sobre-explorando os recursos naturais e acumulando carbono na atmosfera”. No ritmo atual, as pessoas consomem 56% de recursos acima da biocapacidade do planeta, ou seja, para manter o nível atual de consumo seria necessária 1,5 Terra. Continue lendo

Arctic Sea Ice Shrinks To Smallest Ever: Satellite Data

Arctic sea ice coverage shrank to a record low 4.21 million square kilometers as of Friday, declining below the previous record low of 4.25 million sq. km marked in 2007, the Japan Aerospace Exploration Agency said Saturday, citing satellite data.

Common Dreams staff, August 25, 2012

And according to the latest report from the National Snow and Ice Data Center (NSIDC), the extent of the Arctic sea ice in the first two weeks of August was below the record low daily ice extents registered in 2007 and by August 13, “ice extent was already among the four lowest summer minimum extents in the satellite record”. The report states that there was a rapid ice loss between August 4 and August 8, which coincided with an intense storm in the Arctic Ocean. The National Oceanic and Atmospheric Administration said earlier this month that July was the fourth-hottest month on record worldwide.

A questão dos limites e da desigualdade ficou fora da Rio+20

Passar de quatro milhões para 6,3 milhões de automóveis produzidos anualmente, investir 700 bilhões de dólares em combustíveis fósseis e outros 250 bilhões em estradas, isso vai fazer certamente com que a economia brasileira cresça: mas será que é a melhor forma de responder às necessidades mais importantes de sua população?

IHU On-line entrevista Ricardo Abramovay, IHU On-line, 1 de julho de 2012

“O conteúdo do documento final é especialmente preocupante, pois reflete a resistência governamental em reconhecer que não é possível manter universalmente o pé no acelerador do crescimento econômico (ainda que sob ares verdejantes) sem comprometer ainda mais a capacidade de os ecossistemas prestarem os serviços dos quais todos dependemos”, admite Ricardo Abramovay em entrevista concedida por e-mail à IHU On-Line. Continue lendo

Inação está levando o planeta ao limite, afirma cientista sueco

Claudio Angelo entrevista Johan Rockström, Folha de S.Paulo, 25 de junho de 2012

O hidrólogo sueco Johan Rockström chegou ao Rio de Janeiro na semana retrasada com uma certeza: a Terra está no limiar de um futuro no qual o risco de colapso ambiental é inédito. E saiu na semana passada com outra: os governos não escutam.

Diretor do Centro de Resiliência de Estocolmo, Rockström tornou-se uma espécie de celebridade na academia ao propor, em 2009, o conceito de “espaço de operação seguro” para a humanidade. O grupo de 28 cientistas liderado por ele mostrou, num estudo seminal no periódico “Nature”, que a civilização já ultrapassou 3 de 9 barreiras planetárias cujo rompimento pode levar a pontos de virada no sistema terrestre — e a potenciais catástrofes. Continue lendo

Evidence of Impending Tipping Point for Earth

ScienceDaily, June 6, 2012

A group of scientists from around the world is warning that population growth, widespread destruction of natural ecosystems, and climate change may be driving Earth toward an irreversible change in the biosphere, a planet-wide tipping point that would have destructive consequences absent adequate preparation and mitigation.

“It really will be a new world, biologically, at that point,” warns Anthony Barnosky, professor of integrative biology at the University of California, Berkeley, and lead author of a review paper appearing in the June 7 issue of the journal Nature. “The data suggests that there will be a reduction in biodiversity and severe impacts on much of what we depend on to sustain our quality of life, including, for example, fisheries, agriculture, forest products and clean water. This could happen within just a few generations.” Continue lendo

A crise de civilização que assoma e os desafios da Cúpula dos Povos

A Cúpula dos Povos deve apontar para outra civilização: grande parte do que é produzido hoje é desnecessário para uma vida digna e prejudicial para o planeta e a maioria da humanidade. Mas para isso, a esquerda deve romper com uma certa tradição produtivista e, em nosso continente, com o neodesenvolvimentismo inseparável do modelo chinês.

José Correa Leite, 15 de abril de 2012, atualizado em 10 de maio de 2012

A Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) ocorrerá em um momento em que a crise econômica estrutural, que irrompeu abertamente em agosto de 2008, mergulhou a Tríade EUA-UE-Japão em um prolongado período de depressão, acirrou a competição entre os governos centrais e os emergentes e enfraqueceu não apenas os projetos mas até mesmo as veleidades ambientais de todos eles. Continue lendo

Limits to Growth: 1972 ‘Collapse’ Prediction Still on Track

Common Dreams, Staff, March 6, 2012

A renowned Australian research scientist has expressed concern over a possible “global economic collapse” that may occur in 2030 if humans fail to check expansion and preserve the world’s already diminishing resources.

Physicist Graham Turner says the 1972 MIT study –“The Limits to Growth” — claiming the world could suffer from a “global economic collapse” and “precipitous population decline” if people continue to consume the world’s resources at the current pace is still on track, nearly 40 years after it was first produced.

The new issue of Smithsonian Magazine writes that Australian physicist Graham Turner, who works at the CSIRO Sustainable Ecosystems, says “the world is on track for disaster” and that current research from Turner coincides with the 1972 MIT study. Continue lendo

Somos 7 bilhões – é possível oferecer bem-estar a todos?

Cada habitante da Terra tem direito a uma vida digna, água, comida, educação, moradia e saúde. Se todos seguirem o estilo de vida dos países ricos, seriam necessários três planetas, dizem os especialistas.

Ulrike Mast-Kirschning, Deutsche Welle, 26 de outubro de 2011

Ela nasce por estes dias: a pessoa que, até o final de outubro, elevará a 7 bilhões o cálculo estatístico do crescimento populacional do planeta. O termo empregado pelos especialistas é “explosão demográfica”: nos últimos 200 anos ocorreu o mais veloz crescimento da população na história da humanidade.

Até 2050 deverão ser até mesmo 9,1 bilhões de habitantes. Cada um deles com direito a uma vida digna, água e alimento, educação, moradia e saúde. E quase todos sonham com um pouquinho de prosperidade, geralmente segundo os padrões ocidentais de qualidade de vida.

Mas o globo será capaz de comportar tudo isso? “Se todos seguirem o estilo de vida norte-americano ou ocidental, isso não será possível”, descarta o cientista Ernst Ulrich von Weizsäcker, especialista em meio ambiente e membro do Conselho para o Futuro do Mundo (WFC, em inglês), fundado em 2007, em Hamburgo. “Para tal, seriam necessários três planetas Terra.” Continue lendo

Nos limites da terra

A história do ambientalista Lester Brown, fundador do instituto Earth Policy, em Washington, e ex-analista da Secretaria de Agricultura do governo americano, começa numa pequena fazenda no sul de New Jersey, onde ele plantava tomates. Hoje com 77 anos, Brown ainda se orgulha de como aos 17 começou com o irmão mais novo, Carl, de 14, o cultivo que produziria 700 t de tomate numa safra particularmente boa em 1958. “Foi uma adolescência bem divertida”, lembra o economista, um dos responsáveis pela popularização da ideia de desenvolvimento sustentável nos Estados Unidos.

Carolina Rossetti entrevista Lester Brown, O Estado de S. Paulo, 23 de outubro de 2011

Em 1974, Lester Brown fundou o Worldwatch Institute, primeiro centro de pesquisa do mundo dedicado a questões ambientais, do qual foi presidente por 26 anos. Estudioso de segurança alimentar, mudanças climáticas e energia renovável, ele foi eleito pela revista Foreign Policy um dos pensadores mais importantes de 2010. Na semana do Dia Mundial da Alimentação das Nações Unidas, segunda-feira, Brown falou sobre seu “plano B” para evitar um colapso dos recursos naturais do planeta Continue lendo

Nove ações humanas que ameaçam a terra

Além do ciclo do carbono, outros sistemas estão sendo modificados pelo homem em patamares que desafiam a capacidade do planeta de prover os recursos que usamos.

Karina Ninni, O Estado de S.Paulo, 31 de agosto de 2011

Falta de oxigênio na água doce, branqueamento de corais nos mares, inclusão de poluentes químicos na cadeia alimentar, esgotamento dos recursos hídricos, diminuição da capacidade dos oceanos de fixar carbono, deslizamentos de terra, queda ou aumento na produtividade de cultivos… Continue lendo

A Timely Reminder of the Real Limits to Growth

It has been more than 30 years since a groundbreaking book predicted that if growth continued unchecked, the Earth’s ecological systems would be overwhelmed within a century. The latest study from an international team of scientists should serve as an eleventh-hour warning that cannot be ignored.

Bill Mckibben, Yale Environment 360, October 1, 2009

Let’s play doctor. I’m sitting there in a white coat looking at my clipboard and I say: “Hmmm, your cholesterol is going up. If you keep eating this way, you’re going to have a heart attack some day.” You hear that, and you stop on the way home for a bacon double cheeseburger.

But now imagine I’m sitting there in my white coat looking at my clipboard and all of a sudden I whistle, and say: “Your cholesterol is off the charts, man. You’re in the zone where people have heart attacks all the time. You better hope you get it down before the stroke.” You hear that, and you stop on the way home for some Lipitor and a pair of running shoes.

We’ve known for a very long time now that, in some vague way, we were headed for trouble. Limits to Growth was published in 1972, and its assorted charts and graphs made remarkably clear that, as the authors of that seminal book put it at the time, “If the present growth trends in world population, industrialization, pollution, food production, and resource depletion continue unchanged, the limits to growth on this planet will be reached sometime within the next one hundred years. The most probable result will be a rather sudden and uncontrollable decline in both population and industrial capacity.” Continue lendo

A Global Crisis of Land Use and Agriculture

Jonathan Foley, Stockholm Resilience Centre

Seminar with Professor Jonathan Foley, Director, Institute on the Environment, University of Minnesota, US Tuesday 1 June, 2010.

As the international community focuses on climate change as the great challenge of our era, it is ignoring another looming problem — the global crisis in land use. With agricultural practices already causing massive ecological impact, the world must now find new ways to feed its burgeoning population and launch a “Greener” Revolution. Full seminar title: The Other Inconvenient Truth: A Global Crisis of Land Use and Agriculture.

Provocative New Study Warns of Crossing Planetary Boundaries

The Earth has nine biophysical thresholds beyond which it cannot be pushed without disastrous consequences, the authors of a new paper in the journal Nature report. Ominously, these scientists say, we have already moved past three of these tipping points.

Carl Zimmer, Yale Environment 360, September 23, 2009

Human civilization has had a stable childhood. Over the past 10,000 years, as our ancestors invented agriculture and built cities, the Earth remained relatively stable. The average global temperature fluttered slightly, never lurching towards a greenhouse climate or chilling enough to enter a new Ice Age. The pH of the oceans remained steady, providing the right chemical conditions for coral reefs to grow and invertebrates to build shells. Those species, in turn, helped support a stable food web that provided plenty of fish for us humans to catch. The overall stability of the past 10,000 years may have played a big part in humanity’s explosion. Continue lendo

Está en crisis una relación históricamente dada entre la humanidad y el medioambiente

Fundamentos de una estrategia ecosocialista

Daniel Tanuro, Viento Sur, 10 de abril de 2011

Contrariamente a lo que sugiere la falsa pero muy popular metáfora de la Isla de Pascua propuesta por Jared Diamond [1], las degradaciones medioambientales actuales no son comparable a las que se produjeron en otros períodos históricos. Las diferencias no son sólo cuantitativas (la gravedad y la globalización de los problemas ecológicos) sino, sobre todo, cualitativas: mientras que todas las crisis medioambientales del pasado se derivaban de tendencias sociales a la sub producción crónica, del temor a la penuria, los problemas actuales tienen su origen en la tendencia inversa: a la superproducción y al sobre consumo, propios de un sistema basado en la producción generalizada de mercancías. Por ello, hay que concluir que el término crisis ecológica es erróneo. No es que la naturaleza esté en crisis, sino que lo que está en crisis es una relación históricamente dada entre la humanidad y el medioambiente. Esta crisis no se debe a la naturaleza de la especie humana sino al modo de producción que se impuso hace ahora aproximadamente dos siglos: el capitalismo, y al modo de consumo y movilidad que derivan de él. Los graves daños que sufre el ecosistema (cambio climático, contaminación química, declive acelerado de la biodiversidad, degradación de los suelos, destrucción de los bosques tropicales, etc.) forman parte de la crisis sistémica global. Todas ellas, en su conjunto, expresan la incompatibilidad entre el capitalismo y el respeto a los límites naturales. Continue lendo

O antropoceno: uma nova era geológica

Leonardo Boff, IHU On-line, 8 de fevereiro de 2011

As crises clássicas conhecidas, como por exemplo a de 1929, afetaram profundamente todas as sociedades. A crise atual é mais radical, pois está atacando o nosso modus essendi: as bases da vida e de nossa civilização. Antes, dava-se por descontado que a Terra estava aí, intacta e com recursos inesgotáveis. Agora não podemos mais contar com a Terra sã e abundante em recursos. Ela é finita, degradada e com febre não suportando mais um projeto infinito de progresso. Continue lendo

Limites para um Planeta Sustentável

Jonathan Foley, Shan, o boxer, 5 de julho de 2010

A edição de junho da Scientific American Brasil publicou uma excelente matéria, a qual resume os limites dos principais processos ambientais que podem colocar em risco a vida na Terra. Estes limites foram definidos por vários cientistas do mundo, que tiveram esta tese colocada à prova quando a publicaram no renomado periódico científico Nature. Continue lendo

O planeta chega ao seu limite

Até agora, três dos limiares planetários – a mudança climática, a perda da biodiversidade e o ciclo do nitrogênio – já foram excedidos, e mais quatro – ciclo do fósforo, acidificação dos oceanos, uso de água doce e do solo – serão logo ultrapassados se as atividades humanas mantiverem o ritmo atual

Amâncio Friaça, Le Monde Diplomatique Brasil, dezembro de 2009

Um recente artigo da renomada revista Nature, assinado por 29 cientistas, busca quantificar o impacto da atividade humana sobre a Terra, identificando processos biofísicos e seus limiares que, se transgredidos, podem gerar mudanças ambientais inaceitáveis1. Continue lendo