O que restou da bolha da internet

Dez anos depois do pico da Nasdaq, a internet se popularizou, mas ganhar dinheiro com ela ficou mais difícil
 
Renato Cruz – O Estadao de S.Paulo, 8 de marco de 2010

“A internet ficou velhinha”, afirma Marcelo Lacerda, que vai completar 50 anos, pioneiro da internet brasileira. Ao lado de Sérgio Pretto, ele criou a NutecNet, que depois se transformou no ZAZ, ao se associar à Rede Brasil Sul (RBS), e finalmente foi vendida para a Telefônica, em 1999, dando origem ao provedor Terra. “Hoje, quando vou lá no Terra, sou quase o tiozão.”

Na próxima quarta-feira, fará 10 anos que a bolsa americana Nasdaq, que concentra as ações das empresas de tecnologia, alcançou a maior pontuação de sua história. Nunca mais chegou perto dos 5.048,62 pontos atingidos em 10 de março de 2000. Na última sexta-feira, a Nasdaq fechou em 2.326,35 pontos, bem longe dos momentos de glória da década passada. Continue lendo

Anúncios

Food MythBusters — Do we really need industrial agriculture to feed the world?

How can we feed the world—today and tomorrow?

The biggest players in the food industry—from pesticide pushers to fertilizer makers to food processors and manufacturers—spend billions of dollars every year not selling food, but selling the idea that we need their products to feed the world. But, do we really need industrial agriculture to feed the world? Can sustainably grown food deliver the quantity and quality we need—today and in the future? Our first Food MythBusters film takes on these questions in under seven minutes. So next time you hear them, you can too. Continue lendo

Um em cada oito tem fome

José Graziano da Silva, Valor, 23 de outubro de 2012

Vasculhar a evolução da luta contra a fome é uma das responsabilidades da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO). Ela requer o mapeamento e o escrutínio dos acertos, erros e omissões – de governos e da cooperação internacional – diante da latejante abrangência de um mal que tem cura, mas mantém sua desconcertante presença no repertório das vulnerabilidades humanas do século XXI.

A fome não é um estoque, mas uma dinâmica histórica. Impulsionada por fragilidades locais e globais, ela sofre agora as determinações profundas da mais abrangente crise registrada no sistema econômico mundial desde 1930. Não há escassez de oferta ou deficiência tecnológica que justifique a procissão de 870 milhões de pessoas com fome no atual estágio de desenvolvimento humano. 12,5% da população da Terra sobrevive em condições de subnutrição. Continue lendo

Crise Alimentar: Os Jogos da Fome

Esta terça-feira comemora-se o Dia Mundial da Alimentação, mas o planeta sofre uma crise alimentar com consequências sobre a nossa saúde a as nossas vidas.

Esther Vivas, Esquerda.net, 16 de outubro de 2012

A crise alimentar chicoteia o mundo. Trata-se de uma crise silenciosa, sem grandes títulos, que não interessa nem ao Banco Central Europeu, nem ao Fundo Monetário Internacional, nem à Comissão Europeia, mas afeta 870 milhões de pessoas, que passam fome, segundo indica o relatório ‘O estado da insegurança alimentar no mundo 2012’, apresentado esta semana [09/10] pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO). Continue lendo

Mineração é alvo do mercado especulativo

“A ampliação dos projetos de mineração e hidrelétricos na região Norte estão imbricados no interior da mesma lógica perversa que quer fazer do Brasil um país exportador de matéria-prima barata, como minérios e energia, e que deixa nas regiões somente pobreza e desgraças”, afirma Luiz Jardim.

IHU On-line entrevista Luiz Jardim, IHU On-line, 3 de outubro de 2012

“As notícias de que estamos vivendo, no Pará e na Amazônia como um todo, uma espécie de corrida pelo ouro me deixa muito preocupado. Isso porque ela tem uma repercussão social bastante significativa numa região onde o imaginário do ouro como possibilidade de ascensão social ainda é muito vivo”. A declaração é do geógrafo Luiz Jardim, que estuda as transnacionais de mineração na Amazônia e os conflitos sociais gerados entre as empresas e os moradores da região. Na entrevista a seguir, concedida por e-mail à IHU On-Line, Jardim ressalta que o “ouro ‘fácil’” extraído nos anos 1980 em regiões como Serra Pelada, Itaituba, rio Madeira e em Roraima “não existe mais e para se extrair o ouro é necessário investir altos valores em dinheiro para custear as máquinas e os insumos”. As regiões em que as extrações foram retomadas, esclarece, “estão repletas de retroescavadeiras que substituíram grande parte da mão de obra, fazendo em 40 horas o que os homens levavam 40 dias. Trata-se, portanto, mais de um aumento da produção produzido por uma maior quantidade de capital investimento na atividade aurífera do que uma corrida descoordenada de pessoas em busca do el dorado”. Continue lendo

O grande negócio da fome

A disponibilidade de alimentos – ou seja, a fome potencial – tornou-se um campo de afirmação do mercado de futuros e, como tal, cada vez mais dominado por uma lógica de especulação.

José Manuel Pureza, Esquerda.net, 18 de agosto de 2012

Multiplicam-se os indícios de uma crise alimentar global de gravidade idêntica à experimentada em 2008. Os preços de cereais como o milho, o trigo ou a soja vêm batendo recordes de preço em bolsa, com subidas de 23% para o milho e 19% para o trigo, num só mês, dando assim expressão a expetativas de colheitas tragicamente escassas, com quedas na ordem dos 2,5 milhões de toneladas (trigo).

Como em 2008, as explicações mais comuns voltam a ser casuísticas e técnicas, sugerindo que se trata de uma anomalia passageira a um estado das coisas bem ordenado, eficiente e justo. Ele é o aquecimento global, ele é o upgrade da dieta alimentar nos países mais pobres, ele é a transformação de países tradicionalmente auto-suficientes em países largamente importadores de alimentos. Ora, estas explicações, sendo em si mesmas acertadas e relevantes, não dão conta dos fatores de fundo que determinam a instalação da crise alimentar como situação normal. Na verdade, a persistência de longa duração de cerca de três mil milhões de pessoas com fome crónica e outros tipos de subnutrição não se explica por razões conjunturais. Continue lendo

Sete bancos intimados na investigação sobre manipulação da taxa Libor

O Deutsche Bank, o Royal Bank of Scotland, o HSBC, o Barclays, o JPMorgan, o Citigroup e o UBS foram intimados a prestar esclarecimentos no âmbito das investigações relacionadas com a alegada manipulação da taxa Libor, segundo noticia a Bloomberg.

Esquerda.net, 17 de agosto de 2012

O Citigroup e o UBS foram os primeiros a ser notificados no âmbito da investigação conduzida pelos procuradores de Nova Iorque e de Connecticut, Eric Schneiderman e George Jepsen, tendo os restantes cinco bancos sido intimados nas últimas semanas.

Ao seu dispor, Schneiderman tem aquele que é apontado pelo Financial Times (FT) como “um dos mais poderosos instrumentos processuais” do país. Uma lei de Nova York 1921 – a Lei Martin – permite a este procurador geral investigar qualquer entidade que faça negócios em Nova Iorque, tendo apenas que provar que foram cometidas “práticas fraudulenta contrárias às regras simples de honestidade comum”. Segundo o FT, o procurador de Nova York pode ainda “operar noutros Estados, agindo essencialmente em nome de investidores por todo os EUA, com poderes mais amplos para perseguir a fraude financeira do que aqueles que se encontram à disposição das autoridades federais”. Continue lendo

Quem são as verdadeiras vítimas do escândalo Libor

Boa parte da cobertura mediática do escândalo Libor centrou-se nas formas como o Barclays tentou manipular a taxa para baixo durante a crise financeira, para fazer o banco parecer mais seguro. Isso levou alguns ouvintes a fazerem uma boa pergunta: se as taxas foram empurradas para baixo, isso não ajuda os consumidores?

Robert Smith, NPR / Esquerda.net, 28 de julho de 2012

Afinal de contas, a Libor é a referência que aparece nas taxas de juro variáveis das hipotecas e outros empréstimos. Em resposta à nossa reportagem, a ouvinte Cameron Napps escreveu: “Eles baixavam as taxas Libor e beneficiavam o ‘Zé Povinho’… Os únicos que se lixaram com o negócio foram os investidores institucionais… que estavam do lado oposto das operações fraudulentas”. Continue lendo

A luta entre tubarões

Manipulações sobre as taxas de juro? É um tema aborrecido, mas o escândalo que envolve o banco inglês Barclays pela manipulação de informação para fixar a taxa Libor afeta a vida quotidiana de milhões de pessoas em todo o mundo.

Alejandro Nadal, Esquerda.net, 28 de julho de 2012

O episódio revela uma vez mais que os agentes do mundo financeiro aviam-se com uma grande colherada. A investigação das agências reguladoras tenta tapar com um dedo o deslumbrante esplendor das mentiras e canalhices dos banqueiros. Continue lendo

A fraude financeira global e os seus guardiões

A tese mediática da “maçã podre” já não resulta. Estamos a assistir à corrupção sistémica da banca – e à conspiração sistémica.

Naomi Wolf, Esquerda.net, 28 de julho de 2012

No outono passado, argumentei que a reação violenta ao Occupy e a outros protestos em todo o mundo tinham a ver com o medo dos “1 por cento”  que as pessoas comuns expusessem a fraude massiva, caso conseguissem ter acesso aos  livros de contas. Nessa altura, não tinha provas desta motivação, para além do facto da reforma financeira e maior transparência estarem no topo da lista de reivindicações de quem protestava.

Mas esta semana trouxe um achado repugnante de novos dados que corroboram esta hipótese e confirmam o retrato feito. A noção de que o sistema financeiro global no seu todo está coberto de fraude sistémica – e que os atores principais no papel de guardiões, tanto na finança como no governo, incluindo as instâncias reguladoras, sabem disso e preferem manter silenciosamente essa realidade – é uma conclusão que até há pouco tempo seria vista como obra de frenéticos adeptos de teorias da conspiração, mas que as manchetes desta semana tornam tristemente inevitável.   Continue lendo

El escándalo Barclays se extiende en la City

Martine Orange, Viento Sur / Mediapart, 6 de julio de 2012

Era una proposición que no se podía rechazar. Cuando las autoridades americanas y británicas, que investigaban sobre sospechas de manipulación en los mercados del tipo de interés interbancario (Libor y Euribor) desde hace más de un año, propusieron a Barclays transigir y pagar una multa a fin de parar las acciones judiciales que la amenazaban, la dirección del banco británico se apresuró a aceptar.

Desde hace veinte años, y aún más desde la crisis financiera, todos los grandes grupos han adoptado esta facilidad ofrecida por los poderes públicos que les permite enterrar prontamente, y en la más absoluta discreción, los expedientes molestos, mediando alguna indemnización financiera, bastante menos elevada a menudo de lo que podría ser el precio de una condena ante la justicia. También, cuando Barclays anunció, el 28 de junio, que aceptaba pagar una multa de 453 millones de dólares (361 millones de euros) a las autoridades de regulación, tenía el sentimiento de que estaba a punto de cerrar un asunto que le envenena desde hace tiempo. Continue lendo

Rio+20: Relatório denuncia fracasso do modelo europeu de comércio de emissões

“Verde é a cor do dinheiro: o fracasso do sistema europeu de comércio de emissões enquanto modelo para a economia verde” é o título do relatório apresentado pela Carbon Trade Watch na Conferência da ONU Rio+20. Partindo do exemplo europeu, verifica-se que o modelo serve para subsidiar os poluidores mas não para reduzir as emissões de gases de efeito de estufa.

Esquerda.net, 23 de junho de 2012

“O comércio de carbono não consegue eliminar progressivamente os combustíveis fósseis nem põe em causa o modelo de sobreprodução destrutiva ou o modelo de consumo que está no coração das economias dos países industrializados”, defende Ricardo Coelho, o autor do relatório apresentado esta quinta-feira pela Carbon Trade Watch (CTW). Continue lendo

Ofensiva do capital internacional sobre as terras na América Latina

Gerson Teixeira e João Paulo Rodrigues, ALAI, 24 de abril de 2012

O mundo se depara com importantes desafios para garantir as condições de vida do planeta, num futuro mais ou menos distante conforme a intensidade e velocidade da evolução do processo de aquecimento global. Segundo a comunidade científica internacional os riscos para a segurança alimentar subjacentes ao processo de mudanças climáticas são muito fortes. Neste caso, biodiversidade, terra e água, assumem significados cada vez mais estratégicos para o futuro da humanidade. Continue lendo

Speculation and Criminal Manipulation of Food and Commodities Prices

Real News Network, April 13, 2012

Michael Greenberger: Weak regulations on speculators swamping markets and lack of enforcement of existing laws on criminal intent, are driving up prices

Meltdown – The Men Who Crashed the World

AlJazeeraEnglish, Sept. 21, 2011

The first of a four-part investigation into a world of greed and recklessness that brought down the financial world.

Os 99% que ocuparam Wall Street

Amy Goodman – Democracy Now

Duas mil pessoas ocuparam Wall Street no dia 17 de setembro. A sua mensagem era clara: “Somos os 99% da população que não toleram mais a ganância e a corrupção do 1% restante”. Se dois mil ativistas do movimento conservador Tea party se manifestassem em Wall Street, provavelmente haveria a mesma quantidade de jornalistas cobrindo o acontecimento. Mas o interesse da mídia em divulgar protestos contra Wall Street parece ser bem menor. O artigo é de Amy Goodman.

Se dois mil ativistas do movimento conservador Tea party se manifestassem em Wall Street, provavelmente haveria a mesma quantidade de jornalistas a cobrir o acontecimento. Duas mil pessoas ocuparam de fato Wall Street no dia 17 de setembro. Não levavam cartazes do Tea party, nem a bandeira de Gadsden com a serpente em espiral juntamente com a ameaça “Não te metas comigo”. Mas a sua mensagem era clara: “Somos os 99% da população que não toleram mais a ganância e a corrupção do 1% restante”, diziam. Ali estava uma maioria de jovens a protestar contra a especulação praticamente incontrolável de Wall Street, que provocou a crise financeira mundial. Continue lendo

E o dólar sobe

Paulo Passarinho, Correio da Cidadania, 23 de Setembro de 2011

E agora o dólar sobe. Nesta quinta-feira em que escrevo, dia 22 de setembro, o dólar já andou cotado em R$ 1,96. Agora, depois de intervenções do Banco Central, vendendo dólares no mercado futuro de câmbio, algo que não ocorria desde 2009, a moeda americana está cotada em R$ 1,89, apresentando a 16ª alta nos últimos 17 pregões. Com isso, apenas no mês de setembro, o real foi a moeda que mais se desvalorizou no mundo em relação ao dólar. Continue lendo

Como a Goldman Sachs criou a Crise Alimentar

Não ponham as culpas nos apetites americanos, no aumento dos preços do petróleo, ou as colheitas geneticamente modificadas pelo aumento dos preços dos alimentos. Wall Street tem as maiores culpas pela disparada do custo da comida.

Frederick Kaufman, Foreign Policy, 24 de agosto de 2011

Foram necessárias as mentes brilhantes da Goldman Sachs para perceber a simples verdade de que nada é mais valioso do que o nosso alimento diário. E onde há valor, há a possibilidade de fazer dinheiro. Em 1991, funcionários da Goldman, liderados pelo precavido presidente Gary Cohn, vieram com um novo tipo de produto de investimento, um derivado que acompanhava 24 matérias brutas, de metais preciosos, a energia e café, cacau, gado, milho, suínos e trigo. Eles pesavam o valor de investimento de cada elemento, fundiam e misturavam as partes em somas, e depois reduziam o que seria uma complicada colecção de coisas reais a uma fórmula matemática, e que seria doravante denominada de Goldman Sachs Commodity Index (GSCI). Continue lendo

O que são os mercados e a especulação financeira?

Os mercados financeiros estão em todos os lados, mas em geral ainda há um amplo desconhecimento acerca do que são realmente e de como funcionam. Breves notas que possam ajudar a resolver dúvidas.

Alberto Garzón Espinosa, Conselho Científico da ATTAC / Esquerda.net, 28 de agosto de 2011

Entre todos os conceitos que agora pululam em todos os debates políticos, que antes estavam praticamente reservados aos debates técnicos entre economistas, há um de especial interesse que convém ajudar a clarificar: o de mercados financeiros. Efectivamente, hoje os mercados financeiros estão em todos os lados (televisão, imprensa e inclusivamente nos bares), mas em geral ainda há um amplo desconhecimento acerca do que são realmente e de como funcionam. Por isso decidi fazer umas breves notas que possam ajudar a resolver algumas dúvidas importantes. Continue lendo

First Federal Reserve Audit Reveals Trillions in Secret Bailouts

Matthew Cardinale, IPS, August 28, 2011

The first-ever audit of the U.S. Federal Reserve has revealed 16 trillion dollars in secret bank bailouts and has raised more questions about the quasi-private agency’s opaque operations.

“This is a clear case of socialism for the rich and rugged, you’re-on-your-own individualism for everyone else,” U.S. Senator Bernie Sanders, an Independent from Vermont, said in a statement.

The majority of loans were issues by the Federal Reserve Bank of New York (FRBNY). Continue lendo