Energia solar chinesa sustentará a expansão global recorde em 2014

SCMP 30JAN13 CH SMOG12  masks.JPGDesenvolvedores solares ao redor do mundo instalarão uma capacidade recorde este ano na medida em que o próspero mercado chinês impulsiona o crescimento no setor, foi o que mostrou uma pesquisa feita pelo grupo Bloomberg ao mesmo tempo em que a indústria de 102 bilhões de dólares volta a dar lucros.

Marc Roca, Bloomberg, 25 de fevereiro de 2014. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Cerca de 44,5 gigawatts serão acrescidos em todo o mundo, um aumento de 20,9% sobre as instalações feitas no ano passado, segundo a média estimada de nove analistas e agências de pesquisa. Este número é igual à retirada de 10 reatores atômicos. No ano passado a nova capacidade aumentou para 20,3%, após um ganho em 2012 de 4,4%. A China se tornou o maior mercado de energia solar em 2013, ajudando a pôr fim à redução que já durava dois anos para os fabricantes do setor. O apoio estatal para projetos fotovoltaicos no país asiático, que é o maior consumidor de energia do mundo, tem visto os custos de instalação caírem no momento em que acelera o desenvolvimento de energias renováveis para reduzir a poluição. Continue lendo

Brasil deveria investir na energia solar distribuída, defende especialista

energia-solar-parque-waldpolenzQuando o Brasil é assolado por muitos dias de calor intenso e sofre com a falta de chuvas, como temos visto no atual verão, um filme no país se repete: os reservatórios das hidrelétricas perdem capacidade e as usinas termoelétricas entram em cena, a fim de suprir a demanda de energia da população. O problema é que essa fonte energética é mais cara que a convencional, além de ser mais poluente.

Envolverde, 13 de fevereiro de 2014

No Brasil, o acionamento recorrente das usinas térmicas acarretou em um aumento de quase 500% nas emissões de gases efeito estufa do setor elétrico, segundo Tasso Azevedo, engenheiro florestal e consultor para florestas e clima do Ministério do Meio Ambiente.

Segundo os cálculos do especialista ouvido pela Exame.com, as emissões da energia gerada e distribuída por meio do Sistema Integrado Nacional (SIN) saltaram de 10,7 milhões de tCO2 (tonelada equivalente de CO2) em 2009 — quando foi instituída a Política Nacional sobre a Mudança do Clima — para 51 milhões tCO2 em 2013. Continue lendo

Para evitar crise, Brasil precisa diversificar matriz energética

wind-energyPaís é hoje dependente de hidro e termoelétricas. Para especialistas, modelo é arriscado e caro. E saída passa por explorar fontes renováveis e potencial das regiões. Solução a curto prazo, porém, é vista com ceticismo.

Deutsche Welle, 5 de fevereiro de 2014

Segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), o apagão de terça-feira (05/02), que atingiu partes das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, não foi causado, em princípio, por excesso de consumo. Mas de acordo com especialistas ouvidos pela DW, o Brasil precisa diversificar urgentemente sua matriz energética – hoje altamente dependente das hidroelétricas e, em casos de emergência, das termoelétricas.

As termoelétricas são acionadas sempre que o setor hidroelétrico – responsável por 63% da energia gerada no país – ameaça não dar conta da demanda de consumo. Segundo especialistas, a curto prazo, nenhuma outra fonte de energia renovável será capaz de suprir as atuais necessidades do sistema, mas, para os próximos anos, é preciso investir em alternativas.

“As energias renováveis não são oportunidades que possam ser implementadas a curto prazo, porque a lição não foi feita. O planejamento do Brasil é só aumentar a oferta de hidroelétricas. E o governo acaba não atentando para as alternativas”, avalia Artur de Souza Moret, professor do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente da Universidade Federal de Rondônia (Unir). “A tendência ‘monotecnológica’ do país é um entrave à eficiência do planejamento enérgico.” Continue lendo

Na área de energia, mudanças animadoras

wind farmWashington Novaes, O Estado de S.Paulo, 12 de junho de 2013

Com o panorama nacional na área de energia ainda parecendo confuso e contraditório, em razão de omissões e ações discutíveis de órgãos reguladores federais, felizmente surgem informações alentadoras, principalmente em setores das chamadas energias “alternativas”, dentro e fora do País.

Pode-se começar pela notícia de que o governo federal decidiu (Folha de S.Paulo, 5/7) incluir usinas eólicas no leilão de novas fontes que fará em outubro – depois de o diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) haver declarado que não poderia incluí-las porque certamente ganhariam e não dariam oportunidade a outras fontes (Estado, 26/5). Elas serão entregues em três anos, para se somarem à fração da matriz energética que já representam.

Outra boa notícia é de que o governo resolveu (Agência Brasil, 3/7) desligar todas as usinas termoelétricas a óleo combustível e diesel, ligadas desde outubro de 2012 (34 no total), com a alegação de que o nível dos reservatórios das hidrelétricas estava “muito baixo”. A economia será de R$ 1,4 bilhão por mês. Mas permanecerão outras usinas, inclusive a carvão. Continue lendo

Growth of Renewables

e360 digest, June 20, 2012 

Global solar consumption, 2001-2011

While renewable energy sources still provide a small portion of the world’s power needs, several new reports suggest that the global community may be underestimating the growth potential for the green energy sector. The Washington Post cited studies showing that global solar generation nearly doubled in 2011, with consumers worldwide using more than 55 terawatt-hours of solar power, compared with about 30 terawatt-hours in 2010. According to one analyst, solar energy has the potential to provide nearly 10 percent of global electricity by 2018 if current trends continue, although growth in recent years has been driven in large part by a decline in solar panel prices and renewable energy subsidies in the U.S., China, and Germany. Indeed, the International Energy Agency (IEA) has projected a slower growth for renewables, although the IEA has previously underestimated the expansion of alternative energy sources. A new report from the U.S. National Renewable Energy Laboratory also says it is technically possible for renewable sources to provide 80 percent of the nation’s power by 2050 using technologies that are commercially available today.

Afinal, bons passos na área da energia

Washington Novaes, O Estado de S.Paulo, 25 de maio de 2012

Boas notícias na área da energia. A primeira, segundo o Ministério de Minas e Energia (Estado, 9/5), é a de que o Brasil não prevê novas usinas nucleares (perigosas, caras, sem destinação para o lixo radiativo) para antes de 2021; e só Angra 3 continuará em construção – a parte discutível é que retomará depois o projeto de implantar de quatro a oito centrais nucleares dali até 2030. A segunda é que a Agência Nacional de Energia Elétrica vai reduzir em 80% os tributos a serem pagos por usinas fotovoltaicas e solares térmicas que entrarem em operação até 2017 (Folha de S.Paulo, 13/4). Continue lendo

Solar Power Off the Grid: Energy Access for World’s Poor

More than a billion people worldwide lack access to electricity. The best way to bring it to them — while reducing greenhouse gas emissions — is to launch a global initiative to provide solar panels and other forms of distributed renewable power to poor villages and neighborhoods.

Carl Pope, Yale Environmental 360, January 4, 2012

After the Durban talks last month, climate realists must face the reality that “shared sacrifice,” however necessary eventually, has proven a catastrophically bad starting point for global collaboration. Nations have already spent decades debating who was going to give up how much first in exchange for what. So we need to seek opportunities — arenas where there are advantages, not penalties, for those who first take action — both to achieve first-round emission reductions and to build trust and cooperation. Continue lendo

China Solar Energy Goal Is Increased by 50 Percent for 2015

Yale Environment 360, December 15, 2011

The Chinese government has increased its solar energy target for 2015 by 50 percent, setting a new goal of 15 gigawatts annually, state media reports. The new target, which was reported by China National Radio, follows a rapid surge in Chinese solar power installation in recent months after the government unified grid feed-in tariffs for solar projects in July. At the end of 2010, installed solar capacity in China was less than one gigawatt. But China, the world’s top exporter of photovoltaic products, had already doubled its solar energy target to 10 gigawatts by 2015 following the Fukushima nuclear crisis in Japan, and the government now has boosted that goal to 15 gigawatts. Meanwhile, a new industry report shows that U.S. solar installations jumped by nearly 40 percent during the third quarter of 2011, pushing the nation’s total annual installation beyond one gigawatt for the first time.

Here Comes the Sun

Paul Krugman, The New York Times, November 7, 2011

For decades the story of technology has been dominated, in the popular mind and to a large extent in reality, by computing and the things you can do with it. Moore’s Law — in which the price of computing power falls roughly 50 percent every 18 months — has powered an ever-expanding range of applications, from faxes to Facebook. Our mastery of the material world, on the other hand, has advanced much more slowly. The sources of energy, the way we move stuff around, are much the same as they were a generation ago. But that may be about to change. We are, or at least we should be, on the cusp of an energy transformation, driven by the rapidly falling cost of solar power. That’s right, solar power. Continue lendo

Energia solar: a nova fronteira do Brasil

IHU – Instituto Humanitas Unisinos

“Nossa região com menos insolação, Santa Catarina, é 30% a 40% maior que a melhor região da Alemanha, um dos países líderes em produção de energia solar. A China, mesmo sem ter toda essa insolação, já descobriu o potencial dessa nova fonte de energia sendo hoje um dos maiores produtores de painéis fotovoltaicos no mundo”, escreve Emerson Kapaz, empresário, presidente da Ecosolar do Brasil S/A e sócio da Alek Consultoria Empresarial, em artigo publicado no jornal Valor, 30-09-2011.

O empresário pergunta: “Por que o Brasil ainda não aproveita essa fonte de energia limpa, sem ruídos, gases, desmatamento e resíduos que nos chega todos os dias?”.

Eis o artigo. Continue lendo

Geração solar em fase de definição

Daniela Chiaretti, Valor Econômico, 9 de setembro de 2011

A energia solar recebeu um golpe duro nos Estados Unidos nos últimos dias com o anúncio sucessivo de três fabricantes de painéis fotovoltaicos pedindo concordata. A crise econômica global e a forte agressividade chinesa estão por trás da insolvência. Contudo, longe de ser um sinal pessimista, analistas garantem que o mercado americano continua robusto, que o setor segue crescendo no mundo e que, mais do que nunca, o Brasil deveria investir em energia solar. Continue lendo

Energia solar está perto de concorrer em preço nos EUA

A energia solar nos EUA concorrerá em preço com a geração convencional de eletricidade dentro de três anos, sem subsídios, graças ao declínio nos custos, segundo líderes do setor.

Ed Crooks, Financial Times / Valor, 9 de junho de 2011

O custo da energia solar na Califórnia está próximo do das usinas alimentadas a gás em horários de pico da demanda, o que será um grande avanço para a geração renovável e diminuirá a dependência em relação aos combustíveis fósseis.

O custo da energia solar caiu cerca de 60% nos últimos cinco anos, em função de avanços tecnológicos, maior eficiência na produção e a queda na margem de lucro decorrente do excesso de capacidade entre os fornecedores.

A tendência promete abrir um mercado mundial muito mais amplo, embora analistas alertem para o fato de que nem todas as empresas no setor, altamente fragmentado, serão bem-sucedidas. Continue lendo

Mais barata, energia ‘verde’ deve crescer, diz relatório do IPCC

Claudio Angelo, Folha de S.Paulo, 7 de maio de 2011

O mundo terá de triplicar a participação das energias renováveis na matriz até 2035 se quiser manter as concentrações de carbono na atmosfera em um nível seguro. Esta é a má notícia. A boa é que o potencial tecnicamente aproveitável desses tipos de energia é muito maior do que a demanda atual e as projetadas da humanidade. As conclusões são do IPCC, painel do clima da ONU, e serão publicadas na segunda, no Relatório Especial sobre Fontes de Energia Renovável. Continue lendo

Solartopia, Not Nuclear Dystopia

Matthew Rothschild, The Progressive, March 17, 2011

My old friend Harvey Wasserman has been protesting against nuclear power for more than 35 years now. He was at the Clamshell Alliance events in New England in the late 1970s. He was at Three Mile Island in 1980 and interviewed some of the victims. He went to Chernobyl ten years after that catastrophe, and he puts the death toll from that one at a staggering 985,000 people.

He’s written book after book, article after article, about the enormous hazards of nuclear energy, but the industry ignored him, and the U.S. government ignored him, and the Japanese government ignored him.

Well, it’s time we stop ignoring him now. Continue lendo

U.S. Solar Market Grew 67% in 2010, Industry Report Says

Yale Environment 260, March 10, 2011

The U.S. solar market increased by 67 percent in 2010 — from $3.6 billion in 2009 to $6 billion — making it the nation’s fastest-growing energy sector, according to a trade industry report. Total installed capacity of photovoltaic and solar thermal systems reached 956 megawatts — more than twice the 442 megawatts of added capacity in 2009 — to reach a cumulative installed capacity of 2.6 gigawatts, according to the Solar Energy Industries Association report. Continue lendo

China no caminho das energias renováveis

Mitch Moxley, Envolverde / IPS, 3 de janeiro de 2010

Pequim, China – Pesquisadores da China, principal fornecedor de turbinas eólicas e paineis solares, trabalham para baratear o custo da utilização destas e de outras fontes renováveis de energia, conseguir que sejam mais eficientes e aumentar sua proporção na matriz energética deste país.

A China deu um grande salto até ficar à frente no setor de energias alternativas, mas é necessário maior investimento do governo se deseja brilhar nessa área, afirmam numerosos especialistas. Continue lendo

Obama Admin Takes Aim at China’s Renewable-Energy Subsidies

Lucia Green-Weiskel and Tina Gerhardt, Grist, December 31, 2010

Last week, in a move that pits American labor against China’s green-technology industry, the Obama administration filed a complaint with the World Trade Organization over China’s wind-power subsidies.

The U.S. move challenges China’s rapid growth in the renewable-energy market, and also throws the weight of the administration behind the unions, elevating concern about Chinese competition to the level of official U.S. policy. Continue lendo

EUA e China se confrontam na área de energia

Tecnologia e geração de energia solar e eólica passam a ser pontos de divergência entre Pequim e Washington

Denise Chrispim Marin, O Estado de S.Paulo, 22 de novembro de 2010

Estados Unidos e China encontraram na tecnologia e produção de energia solar e eólica um novo campo de confronto. Embora os chineses estejam na dianteira, pressionados pela demanda em expansão por eletricidade e pela necessidade de reduzir emissões de gases poluentes, o governo americano pretende incentivar essa área principalmente por sua capacidade de geração de empregos locais. Continue lendo

In California’s Mojave Desert, Solar-Thermal Projects Take Off

By year’s end, regulators are expected to approve a host of solar energy projects in California that could eventually produce as much electricity as several nuclear plants. In an interview with Yale Environment 360, John Woolard, the CEO of the company that has begun construction on the world’s largest solar-thermal project, discusses the promise — and challenges — of this green energy boom.

Todd Woody interview John Woodard, Yale 360, October 27, 2010

This week, California Gov. Arnold Schwarzenegger, Interior Secretary Ken Salazar, and other dignitaries gathered in the Mojave Desert to officially break ground on BrightSource Energy’s Ivanpah Solar Electric Generating System, the first large-scale solar thermal power plant to be built in the United States in nearly two decades. Continue lendo

La generación eléctrica distribuida, una revolución que debería de llegar

Ángel Rivera, Rebelión, 25 de octobre de 2010

¿Lo que le interesa a la mayoría de la Humanidad es lo que finalmente se ejecuta? Muchos pueden pensar que en la historia siempre ha sido así porque eso explicaría el enorme salto tecnológico que nuestra especie ha logrado a lo largo de su existencia. El fuego, la rueda, las herramientas de metales, lo acueductos, la construcción de caminos, el telescopio, las máquinas, la utilización de la electricidad, el coche, la televisión, Internet, etc son los grandes inventos que nos han servido para mejorar nuestra vida. Continue lendo