Por qué basar todo en el crecimiento?

Contestación a Vicenç Navarro

Margarita Mediavilla, Carlos de Castro, Luis Javier Miguel, Iñigo Capellán, Pedro Prieto, Emilio Menéndez, Juan José Álvarez, energia.ds.uva, 18 de abril de 2013

El pasado 6 de febrero Vicenç Navarro, respetado sociólogo y catedrático de Ciencias Políticas y Sociales, publicaba un artículo en El País titulado Las pensiones no están en peligro en el que criticaba a “aquellos que concluyen que el sistema público de pensiones en España no es viable como consecuencia de la transición demográfica” e indicaba que el incremento de la productividad, el crecimiento económico y el aumento de la población cotizante resolverían los “mal llamados problemas de viabilidad del sistema público de pensiones”.

Este artículo fue contestado el 27 de febrero por Floren Marcellesi, coordinador de Ecopolítica, Jean Gadrey, economista y miembro del consejo científico de ATTAC Francia y Borja Barragué,investigador de la Universidad autónoma de Madrid, en otro texto aparecido en el Diario Público y titulado Las pensiones y el fin del crecimiento. Estos autores criticaban que Vicenç Navarro basase el futuro de las pensiones en el aumento de la productividad y el crecimiento económico, olvidando completamente la crisis ecológica. Continue lendo

Anúncios

China’s Rise: Strength and Fragility

shanghai_2425673kA Marxist analysis of Chinese capitalism and its ruling class illuminates the contradictions in its foreign relations, and the class tensions within.

Sean Ledwith, The Guardian, April 13, 2013

China’s Rise: Strength and Fragility, ed. Au Loong Yu, with contributions from Bai Ruixue, Bruno Jetin and Pierre Rousset (Merlin Press 2012), x, 316pp.

The accession earlier this year of Xi Jinping as China’s new President has activated a renewed surge of Western interest in the trajectory of its pre-eminent economic and military rival. Most of the political analysis of China in the Western media, predictably, is superficial and incoherent. The majority of mainstream commentators are simultaneously mystified and awe-struck by the spectacle of an apparently ‘communist’ state starting to overtake the capitalist West at its own game of global economic hegemony. Their dismay at the ascent of China is tempered by a smug belief that this development represents a moral victory for capitalism as the ‘People’s Republic’ has in effect abandoned its prior commitment to ‘Marxism-Leninism’.

The analysis edited by Au Loong Yu in China’s Rise: Strength and Fragility, represents a superior and more convincing approach as it is based on a starting point that the modern Chinese state has no socialist elements whatever and that, in fact, it represents a modified form of the capitalist economies that exist elsewhere. The book is also written from an explicitly Marxist perspective that with which readers of this website can identify. The writers have an avowed commitment to solidarity with the Chinese working class in its struggles with the country’s ruling class. Au Loong Yu is a left-wing activist from Hong Kong who manages to be both scathing about the hollow pretensions of Beijing’s elite to be part of a Marxist tradition, and dedicated to reviving that tradition in an authentic form. Continue lendo

A New Global Depression?

New Left Review entrevista Richard Duncan, New Left Review 77, september-october 2012

You were one of the very few analysts to predict the full enormity of the financial crisis, writing as early as 2003 of a coming credit crunch that would have ramifications throughout the asset-backed securities sector, necessitating giant bail-outs for Fannie Mae, Freddie Mac and financial-insurance companies, and a possible meltdown in the multi-trillion-dollar derivatives market. This prescience was in stark contrast to the complacency of most mainstream economists. Could you describe how you came to write The Dollar Crisis—what was the course of your intellectual development and what did you learn from your experience as a Far East securities analyst?

I grew up in Kentucky and went to Vanderbilt University. My plan was to go to law school, but I didn’t get in. Plan B was to go to France for a year, picking grapes. I got a job as a chauffeur in Paris, driving rich Americans, and made enough money to backpack around the world for a year, in 1983 and 84. So I was lucky enough to see the world when I was very young. I spent a couple of months in Thailand, Malaysia and Singapore—and even a couple of months there was long enough to realize: go east, young man.

Go east, because?

Economic opportunity. It was obviously booming—there were big skyscrapers going up, and people couldn’t read maps of their own street. So I went back to business school in Boston, at a time when there was of course very little economic growth in the United States. When I finished business school, going to Asia seemed the obvious thing to do. I found a job in Hong Kong, as a securities analyst with a local, Hong Kong–Chinese stock-broking company. This was 1986. In the first twelve months I was there, the Hong Kong stock market doubled—then I woke up one morning and learned that Wall Street had fallen 23 per cent overnight, and Hong Kong immediately fell back to where it had started. By 1990 I had joined James Capel, the oldest and largest uk stock-broking company at that time, and they sent me to Thailand to manage their research department there. We had ten analysts watching all the companies on the Bangkok stock market. At first, there really was something of a Thai miracle—the growth was solid and fundamental. But very quickly, by 1994, it was obviously a bubble and I started being bearish on the market. I wasn’t saying it was going to collapse, but the growth was going to slow down. But it just kept accelerating, and the bubble turned into a balloon. When it did finally pop, in 1997, Thailand’s gdp contracted by 10 per cent and the stock market fell 95 per cent in dollar terms, top to bottom. Continue lendo

Naomi Klein on Capitalism and Climate Change

Moyers & Company, November 17, 2012

Naomi Klein, author of the international bestseller The Shock Doctrine, says the tragic destruction of Hurricane Sandy can also be the catalyst for the transformation of politics and our economy. She’s been in New York visiting the devastated areas — including those where “Occupy Sandy” volunteers are unfolding new models of relief — as part of her reporting for a new book and film on climate change and the future, and joins Bill to discuss hurricanes, climate change, and democracy.

“Let’s rebuild by actually getting at the root causes. Let’s respond by aiming for an economy that responds to the crisis both [through] inequality and climate change,” Klein tells Bill. “You know, dream big.”

A elite governante chinesa não pode ignorar os apelos para a mudança

O Congresso nacional do Povo decorreu no meio de um descontentamento crescente. Para sobreviver, os líderes partidários cedo terão de afrouxar o seu aperto ao poder.

Hsiao-Hung Pai, The Guardian, 15 de novembro de 2012

O 18º Congresso Nacional do Povo da China reuniu 2.200 delegados na capital para “eleger” líderes predeterminados, numa mudança de poder que ocorre uma vez a cada década. Enquanto as elites se instalam dentro da Grande Casa do Povo (que exclui o “povo”), os taxistas de Beijing receberam ordens da segurança do Estado para retirar as manivelas dos vidros; as lojas de facas receberam ordem de encerrar durante o evento; ninguém pode comprar qualquer coisa que voe, incluindo balões; e as músicas Pop que contenham palavras como “morte” ou”saia” foram censuradas. Continue lendo

China: família do primeiro-ministro fica milionária durante o seu mandato

Investigação do New York Times mostra como a família do primeiro-ministro Wen Jiabao juntou uma fortuna avaliada em 2,7 mil milhões de dólares durante o seu mandato. China baniu o acesso ao site do jornal.

Tomi Mori, Esquerda.net, 26 de outubro de 2012

O jornal New York Times desferiu um poderoso golpe na elite chinesa ao publicar uma reportagem de investigação mostrando como a família do primeiro-ministro Wen Jiabao, um dos principais dirigentes “comunistas”, enriqueceu espetacularmente durante o seu mandato. Segundo esse influente e reacionário jornal, a mãe de Wen Jiabao, uma ex-professora do norte da China, cujo nome é Yang Zhiyun, de 90 anos, tornou-se milionária, sem que ninguém consiga explicar como uma viúva nessa idade pôde ter investimentos em seu nome avaliados há cinco anos em 120 milhões de dólares. Todos sabemos que uma professora, mesmo estando entre as melhor remuneradas, teria que reencarnar milhares e milhares de vezes para poder economizar tal cifra, apenas com o seu salário, dando aulas para alunos chineses. Continue lendo

Financialization and the World Economy

The Real News, October 1, 2012

Jerry Epstein: Financialization of the economy has been developing since the late 19th century and is now at historic levels

Desordem nas engrenagens da civilização

Luiz Gonzaga Belluzzo, Valor, 14 de setembro de 2012

O Valor me convida para arriscar prognósticos a respeito da crise internacional e avançar projeções sobre o desempenho da economia brasileira. Não sei se abuso da confiança que me empresta o jornal, mas vou traduzir livremente o significado de prognósticos. Sabedor das precariedades que cercam as previsões em geral e especialmente as antecipações dos economistas, farei “Perguntas ao Futuro”.

Para começo de conversa, digo que as questões suscitadas nas origens da vida moderna ainda não obtiveram resposta. Nos tempos de prosperidade, elas hibernam e aí dos que ousam despertá-las. Mas no fragor das crises elas voltam a assombrar o mundo dos vivos. Nesses tempos, a incômoda pergunta não quer calar: em que momento homens e mulheres – sob o manto da liberdade e de igualdade – vão desfrutar da abundância e dos confortos que o capitalismo oferece em seu desatinado desenvolvimento? Continue lendo

Richard Sennett: juntos agora

“Fazer é pensar”, afirma Richard Sennett, um dos mais importantes sociólogos contemporâneos. Seu trabalho reflete sobre como os sujeitos podem se tornar intérpretes competentes da própria experiência a despeito dos obstáculos que a sociedade possa oferecer. Para ele, pensamento e sentimento estão contidos no processo de fazer, transformando em falsa a divisão entre o “homem que faz” e o “homem que pensa” – aqui se remete às reflexões da filósofa alemã Hannah Arendt, de quem foi aluno. Sennett acaba de ter lançado no Brasil o livro “Juntos: Os Rituais, os Prazeres e a Política da Cooperação”, segundo volume do seu “Projeto Homo Faber”, trilogia que tem no centro a ideia do homem como artífice de si mesmo.

Reportagem e entrevista de Giovanna Bartucci a Richard Sennett, Valor, 24 de agosto de 2012

Com mais de 15 livros publicados sobre como as cidades são organizadas – as relações entre classes sociais, oportunidades econômicas e relações familiares -, e também sobre as consequências sociais e emocionais do capitalismo contemporâneo, as pesquisas de Sennett se voltaram, nos últimos tempos, para os estudos culturais, estabelecendo um diálogo entre sociologia, história, antropologia e psicologia social. Continue lendo

A recuperação económica que não acontece

É um círculo vicioso e não há saída fácil ou aceitável. Pode significar que não há saída alguma. É algo que alguns de nós chamamos crise estrutural da economia-mundo capitalista.

Immanuel Wallerstein, Esquerda.net, 22 de agosto de 2012

A maioria dos políticos e dos especialistas tem o hábito arraigado de prometer tempos melhores no futuro, desde que as suas políticas atuais sejam adotadas. As dificuldades económicas globais que hoje vivemos não trouxeram uma exceção a este comportamento. Seja nas discussões sobre o desemprego nos Estados Unidos, sobre a escalada alarmante dos custos de financiamento da dívida pública na Europa ou sobre o súbito declínio dos índices de crescimento económico na China, na Índia e no Brasil, as expressões de otimismo a médio prazo permanecem na ordem do dia. Continue lendo

Para Abramovay, bens produzidos necessitam ter relevância social

Há 20 anos, a teoria econômica preconizava que, se cada agente usasse suas competências para satisfazer os consumidores e se houvesse liberdade, sem intervenções do Estado, tudo funcionaria bem. “Esse raciocínio, aceitável num mundo de 3 bilhões de habitantes, não funciona num planeta que logo terá 10 bilhões de pessoas “, diz Ricardo Abramovay, professor titular do Departamento de Economia da FEA e do Instituto de Relações Internacionais da USP.

Gisele Paulino, Valor, 21 de agosto de 2012

Abramovay é filósofo, mas muitos o tomam por economista. Ele dedicou-se a entender as razões pelas quais a sociedade atual está produzindo, e as conclusões estão em seu novo livro: “Muito Além da Economia Verde”, lançado pela Editora Planeta Sustentável. Continue lendo

Vivemos em um regime de produtos com preços mentirosos

As mudanças na perspectiva ambiental passam necessariamente por alterações no setor empresarial. Essa é opinião do economista Ricardo Abramovay, que esteve em Curitiba ontem para participar do Fórum Sustentabilidade e Governança – evento direcionado a gestores de grandes empresas.

Abramovay destaca que bem-estar e qualidade de vida não precisam estar atrelados a consumismo e desperdício de recursos naturais. O acesso a transporte público de qualidade, por exemplo, faria muitas pessoas desistirem de ter automóvel.

Autor do recém-lançado livro Muito além da economia verde, o professor desenha um panorama em que a valorização dos recursos ambientais afeta os preços dos produtos e propõe que o Brasil assuma o protagonismo mundial na construção de um novo modelo econômico.

Katia Brembatti entrevista Ricardo Abramovay, Gazeta do Povo, 22 de agosto de 2012 Continue lendo

El mundo de la obesidad en el capitalismo tardío

Alejandro Nadal, La Jornada, 15 de agosto de 2012

Hay dos cosas que las economías capitalistas saben hacer, y lo hacen muy bien. Una de ellas es alcanzar economías de escala para abatir costos unitarios, algo que se logra mejor a través de procesos de industrialización. La otra es obtener subsidios, algo que se optimiza cuando se tiene más poder. Estas dos cosas se han combinado para producir la crisis de obesidad en Estados Unidos.

En 2011 más de dos terceras partes de la población de Estados Unidos sufría problemas de sobrepeso o de obesidad. En la actualidad ese país tiene la mayor tasa de obesidad en el mundo. Datos oficiales revelan que el porcentaje de personas adultas con problemas de obesidad pasó de 13 por ciento en 1962 a 36 por ciento en 2010. De mantenerse esta tendencia en 2030 el 42 por ciento de la población adulta sufrirá problemas de obesidad (y 11 por ciento con obesidad severa, más de 45 kilos de sobrepeso). La tasa de obesidad en niños ya alcanza un alarmante 18 por ciento. Diversos estudios muestran que los niños con obesidad tienen mayor propensión a conservar dicha obesidad en la edad adulta. Continue lendo

O auge do “capitalismo moderno” e o ocaso da política

Roberto Savio, IPS, 15 de agosto de 2012

Algum dia será necessário refletir sobre o impacto da queda do Muro de Berlim, tanto no mundo dos vencedores como no dos vencidos. Os vencedores do comunismo foram os políticos, que tinham à disposição a força militar e as novas tecnologias. As corporações tiveram um papel fundamental, mas indireto até então. E os defensores do Ocidente daquela época (estamos falando de 1988), apresentavam como modelo um capitalismo que hoje está em vias de extinção.

Esse capitalismo havia se confrontado com as lutas sociais que se seguiram à Revolução Industrial e incorporara progressivamente valores como justiça social, participação e democracia na base da organização social. Um capitalismo que aceitara os sindicatos, os acordos entre sindicatos e empresas, e o trabalho como um direito fundamental.

No começo de julho, David Brooks, comentarista do conservador The New York Times, saiu em defesa do “capitalismo moderno”, observando que a cobiça é um forte estímulo para o sucesso. Afirmou que, se foram deslocados centenas de milhares de postos de trabalho, é porque o “capitalismo moderno” tem uma visão global, não meramente nacional. Isto implicou a criação de outros tantos postos de trabalho em países do Terceiro Mundo, o que é objetivamente um resultado de profundo significado social. Segundo Brooks, o capitalismo moderno continua sendo o único motor da história. Continue lendo

Cidadãos do primeiro mundo, bem-vindos ao subdesenvolvimento

“Depois desta crise e de outras que virão, será ainda mais difícil distinguir um pobre europeu ou um norte-americano de um pobre do terceiro mundo, como tampouco será possível distinguir entre os ricos dos países centrais e os ricos do terceiro mundo”.

Alfredo Saieg, Rebelión, 8 de agosto de 2012. A tradução é do Cepat. Reproduzido de IHU On-line.

Crises vêm e crises vão: a asiática e o subprime nos Estados Unidos, a de Portugal, da Grécia e da Espanha, a próxima e as que virão, as que somam até hoje o não desprezível número de 280, nas últimas décadas, desde que o capitalismo financeiro sionista, com sede na Bolsa de Wall Street, começou a impor suas políticas neoliberais mundialmente. Continue lendo

A Grécia e Portugal: os povos contra o terrorismo financeiro

A rejeição da troika e do seu governo é o ponto de partida das alianças necessárias para vencer a austeridade.

Francisco Louçã, Esquerda.net, 25de fevereiro de 2012

O arrastamento das negociações entre o governo grego e os embaixadores da finança demonstra duas coisas.

Em primeiro lugar, que a Grécia está à beira da bancarrota e que essa chantagem tem sempre servido para agravar as medidas de austeridade, que criam novos problemas e uma recessão histórica. Continue lendo

Las izquierdas y el fin del capitalismo

Raúl Zibechi, La Jornada, 13 de enero de 2012

La actual crisis mundial fragmenta el planeta en regiones de tal modo que el sistema-mundo se aproxima a una creciente desarticulación. Uno de los efectos de esta creciente regionalización del planeta es que los procesos políticos, sociales y económicos ya no se manifiestan del mismo modo en todo el mundo y se producen divergencias –en el futuro tal vez bifurcaciones– entre el centro y la periferia. Continue lendo

A crise do euro bate às portas da City londrina

Em julho, um relatório revelou que os bancos britânicos têm cerca de 300 mil milhões de dólares investidos em títulos dos chamados PIIGS. Um efeito dominó do euro produziria um buraco nas finanças dos bancos.

Marcelo Justo, Carta Maior, 29 de dezembro de 2011

O Reino Unido enfrenta a sua segunda recessão em três anos, tem o índice de desemprego mais alto desde 1994 e seu nível de vida caiu em 2011 pelo quinto ano consecutivo, mas na City a festa continua. É certo que os banqueiros não gozam do favor da opinião pública, é verdade que os indignados que acamparam há mais de dois meses nas fronteiras da City são uma pedra no sapato, e não resta dúvida que, como em “A Máscara da Morte Rubra”, de Edgar Allan Poe, a peste do euro é um fantasma que está a bater à porta, mas enquanto não há sinais de contágio, a City pode alardear uma saúde juvenil. Continue lendo

O mundo já ingressou na segunda fase da crise

 Armando Boito Júnior entrevista Gerárd Duménil, Jornal da Unicamp, 12 a 18 de dezembro de 2011.

Você vem pesquisando o capitalismo neoliberal há muito tempo. Na sua análise, como se deve caracterizar essa etapa atual do capitalismo?

O neoliberalismo é a nova etapa na qual ingressou o capitalismo com a transição dos anos 70 e 80. Eu e Dominique Lévy falamos de uma nova “ordem social”. Com essa expressão nós designamos a configuração de poderes relativos de classes sociais, dominações e compromissos. O neoliberalismo se caracteriza, desse modo, pelo reforço do poder das classes capitalistas em aliança com a classe dos gerentes (classe des cadres) – sobretudo as cúpulas das hierarquias e dos setores financeiros.

No decorrer dos decênios posteriores à Segunda Guerra Mundial, as classes capitalistas viram o seu poder e suas rendas diminuírem sensivelmente na maior parte dos países. Simplificando, nós poderíamos falar numa ordem “social-democrata”. As circunstâncias criadas pela crise de 1929, a Segunda Guerra Mundial e a força internacional do movimento operário tinham conduzido ao estabelecimento dessa ordem social relativamente favorável ao desenvolvimento econômico e à melhoria das condições de vida das classes populares – operários e empregados subalternos. O termo “social-democrata” para caracterizar essa ordem social se aplicava, evidentemente, melhor à Europa que aos Estados Unidos. Continue lendo

A rede do poder corporativo mundial

O caos financeiro planetário, em última instância, tem uma base muito organizada. No pânico gerado, debatem-se as políticas de austeridade, as dívidas públicas, a irresponsabilidade dos governos, deixando na sombra o ator principal, as instituições de intermediação financeira

Ladislau Dowbor, dowbor.org

“Há uma grande diferença entre suspeitar a existência de um fato, e demonstrá-lo empiricamente” Vitali, Glattfelder e Battiston (1) Continue lendo