Vivemos em um regime de produtos com preços mentirosos

As mudanças na perspectiva ambiental passam necessariamente por alterações no setor empresarial. Essa é opinião do economista Ricardo Abramovay, que esteve em Curitiba ontem para participar do Fórum Sustentabilidade e Governança – evento direcionado a gestores de grandes empresas.

Abramovay destaca que bem-estar e qualidade de vida não precisam estar atrelados a consumismo e desperdício de recursos naturais. O acesso a transporte público de qualidade, por exemplo, faria muitas pessoas desistirem de ter automóvel.

Autor do recém-lançado livro Muito além da economia verde, o professor desenha um panorama em que a valorização dos recursos ambientais afeta os preços dos produtos e propõe que o Brasil assuma o protagonismo mundial na construção de um novo modelo econômico.

Katia Brembatti entrevista Ricardo Abramovay, Gazeta do Povo, 22 de agosto de 2012

O senhor combate a ideia do crescimento como único caminho para o desenvolvimento. No entanto, apostar na eficiência como via para o desenvolvimento não colocaria as nações mais ricas em posição de ainda maior superioridade?

Não, porque os responsáveis pela eficiência são as empresas que hoje têm uma presença global. Isso por si só não é um fator que compromete a competitividade de países mais pobres em benefício de países mais ricos. A matriz energética dos Estados Unidos e do Canadá está se tornando mais dependente de combustíveis fósseis. É verdade que o gás tem uma presença forte e é menos nocivo que o carvão, mas isso significa que esses países vão investir em energias renováveis menos do que a gente esperaria. Vão ampliar as suas capacidades competitivas, ao menos até 2020, não com base na adoção de energias renováveis não acessíveis a outros países, mas em energia suja ou um pouco menos suja. Então, não acho que isso traga um componente adicional de desigualdade.

Alguns países não se mostram sensíveis à necessidade de usar energia mais limpa. Existe um mecanismo capaz de forçar essa mudança ou isso é da regra do mercado?

O mecanismo que existe é muito frouxo, como os tratados internacionais. E o aquecimento global talvez seja uma das questões mais importantes para o futuro da espécie humana. O fato é que sabemos que estamos numa rota que coloca a temperatura média do planeta durante o século 21 acima de 2 graus celsius. Existem instâncias locais e nacionais com metas precisas. Mas a humanidade não tem uma meta de redução de emissões para fazer frente a esse aumento de temperatura.

Como integrante de um grupo de pesquisa de mudanças climáticas, o que tem a dizer aos céticos sobre o aquecimento global?

Leiam as revistas científicas. Os grupos que negam as mudanças climáticas publicam apenas o que se chama de literatura cinzenta. Ciência não é verdade nem certeza. Ciência é crítica e dúvida, mas qualificadas. A qualificação está na avaliação pelos pares, através das revistas científicas de qualidade. Eu fui ver os currículos dos 18 professores que enviaram para a presidente Dilma Rousseff um manifesto dizendo que o aquecimento global é uma bobagem. Nenhum deles tem publicação científica nos últimos cinco anos em uma revista de qualidade sobre mudanças climáticas.

Fazer os que usam helicóptero passarem a andar de bicicleta é o caminho? Ou será preciso esperar o nascimento de uma nova geração?

A ideia de que é preciso persuadir os mais ricos não leva em conta como ocorrem mudanças sociais. O que tem de válido nessa ideia é que mudanças sociais da envergadura que precisaremos enfrentar vão exigir lideranças, que vêm do setor privado, associativo e governamental. É muito importante localizar essas lideranças. Pelo exemplo, pela narrativa que são capazes de criar, elas incutem um espírito de que é possível fazer as coisas de uma forma diferente. Mas as mudanças precisam atingir os cidadãos.

E como é possível chegar aos cidadãos?

Eles precisam ser colocados diante de situações em que a renúncia a produtos e serviços característicos da sociedade de consumo e de alto impacto sobre o meio ambiente não signifique piorar a qualidade de vida. O melhor exemplo é o transporte coletivo. Hoje as pessoas amam o carro como se, por si só, ele fosse um valor, mas se nós vivêssemos numa sociedade como em Londres, em que o transporte público realmente funciona, as pessoas não iam querer ter carro porque é um gasto absurdo.

A solução é a combinação de pequenas mudanças?

É preciso uma posição firme para ter grandes mudanças. Ou seja, mudanças que representem rupturas para o modelo de hoje. O gradualismo não está funcionando e não vai funcionar. Temos hoje o consumo da biodiversidade, a elevação das temperaturas, as cidades cada vez menos amigáveis, embora com mais riqueza – mas menos gente participando dessas riquezas.

O senhor palestrou para um público empresarial. Que semente espera ter plantado?

A mais importante é de a que a inovação tem que ter um foco não apenas na diminuição de custos, no aumento da produtividade, mas, sim, na sustentabilidade, no melhor uso dos recursos, na urgência de promover reciclagem, reuso, redução de resíduos. As pessoas que participam de um seminário como esse estão buscando caminhos de mudanças além das graduais que a sociedade está passando.

Será que esses empresários vão conseguir fazer a ruptura que defende?

Se eles não conseguirem fazer a ruptura com as formas tradicionais de tocar os negócios, os resultados vão ser catastróficos para eles e piores ainda para nós. Porque, de qualquer maneira, a mutação pela qual nós temos que passar está ligada à invenção, à experimentação que se materializa na empresa e só depois vai para o conjunto da sociedade. E os parâmetros não podem ser só os preços e a obtenção de lucro. Precisamos corrigir isso. Vivemos em um regime de produtos com preços mentirosos.

Como assim?

O sistema econômico não paga pelo conjunto de bens que usa. São os serviços ambientais, como água, biodiversidade, lixo, mudanças climáticas etc. Se a cadeia siderúrgica japonesa, por exemplo, precisasse pagar o real valor da água que usa, os lucros cairiam 40%.

Colocar no preço dos produtos o valor dos serviços ambientais é a saída?

Sim. O problema é que no Brasil somos dependentes de uma economia que usa fortemente os serviços ambientais e toda nossa estratégia não é no sentido de valorizar esses recursos. Acho que é uma estratégia equivocada. O Brasil tinha que liderar um grande movimento internacional para elevar a barra de preços dos produtos primários para um outro padrão, aos moldes da certificação FSC, do setor madeireiro. Mas a nossa diplomacia não vai nessa direção.

As empresas estão realmente interessadas em ser sustentáveis?

Na sua esmagadora maioria, não. Pesquisas internacionais mostram que 80% das empresas estão preocupadas com meio ambiente, mas isso não quer dizer nada. Não significa que o empresário incorporou mudanças ao modelo de negócio dele. E aí mais uma vez os preços vão ter papel fundamental.

As ações individuais adiantam ou a mudança de paradigma só vai funcionar em escala?

A atitude individual tem função importante pelo seu caráter exemplar, mas só vai funcionar quando for em escala.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: