A luta entre tubarões

Manipulações sobre as taxas de juro? É um tema aborrecido, mas o escândalo que envolve o banco inglês Barclays pela manipulação de informação para fixar a taxa Libor afeta a vida quotidiana de milhões de pessoas em todo o mundo.

Alejandro Nadal, Esquerda.net, 28 de julho de 2012

O episódio revela uma vez mais que os agentes do mundo financeiro aviam-se com uma grande colherada. A investigação das agências reguladoras tenta tapar com um dedo o deslumbrante esplendor das mentiras e canalhices dos banqueiros.

Vamos por partes. O setor financeiro e os seus comparsas no mundo académico tentaram fazer crer, desde há mais de cem anos, que a taxa de juro é uma variável que se determina no mercado de fundos emprestáveis. Quer dizer, difundiu-se a fábula de que numa economia capitalista a taxa de juro é o preço que põe em equilíbrio a oferta e a procura de fundos (feitas pelos aforradores e pelos investidores). De acordo com essa visão, os bancos só desempenham uma função intermediária que é remunerada (pelas diferenças entre as taxas ativas e passivas de juro). Um mecanismo de mercado impessoal, análogo ao do mercado de maçãs, realiza o equilíbrio entre oferta e procura, determinando a taxa de juro.

Já sabemos que os bancos não têm de esperar que venha um cidadão virtuoso e aforrador realizar um depósito para poder emprestar essa quantidade a outro cidadão, desta vez um empreendedor. Na realidade, ao investidor pode ser emprestado o que procura se o seu projeto for considerado rentável e, para isso, é-lhe aberta uma conta, tal como se tivesse realizado um depósito. Ou seja os bancos não são simples intermediários: estão envolvidos numa operação de criação monetária.

Portanto, a taxa de juro não se determina no mítico mercado de fundos emprestáveis. É uma variável que se forma numa complexa prática social, na qual o sistema bancário tem a batuta. Por outras palavras, a taxa de juro é uma variável que não se determina por um mecanismo de mercado impessoal. Desta nova perspetiva depreendem-se enormes implicações.

Como meros cidadãos estamos sempre expostos aos abusos dos grandes predadores. A melhor prova está no que se refere ao pagamento de juros aos bancos. Por isso o escândalo da taxa Libor é tão importante e requer que as suas implicações políticas sejam analisadas.

A taxa Libor (London Interbank Offer Rates) é um dado fundamental no mercado mundial de serviços financeiros. É a taxa de referência dos empréstimos interbancários, assim como de uma infinidade de contratos de derivados. A Libor integra-se da seguinte maneira. A Associação de Banqueiros Británicos (BBA, sigla em inglês) pede a um grupo de grandes bancos que indiquem as taxas de juros que poderiam praticar a empréstimos a outros bancos para diferentes categorias de contratos e prazos de vencimento. O resultado é comunicado diariamente, às 11 da manhã, na praça de Londres. Não se trata, portanto, de taxas de juro que realmente se estão a realizar nas transações, mas das perceções dos bancos incluídos no painel da BBA sobre o custo dos empréstimos interbancários. A taxa Libor é atualmente o referente de operações que envolvem, não só grandes fundos de pensões, grupos corporativos ou a dívida pública, mas também para muitas operações, como a sua hipoteca ou um pequeno empréstimo do seu banco local.

——————————————————————————–

Publicado no jornal mexicano La Jornada. Tradução de António José André.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: