As terras do gelo e da ira

Enquanto o FMI está a exigir que a Irlanda corte no salário mínimo e reduza os benefícios ao desemprego, a sua missão para a Islândia elogia o “enfoque em preservar o modelo de assistência social nórdico valorizado pela Islândia.”

Paul Krugman, Esquerda.net, 16 de abril de 2011

Em 2009 era suposto ser uma piada de humor negro: Qual a diferença entre a Islândia e a Irlanda? Resposta: duas letras e seis meses.

Passados quase dois anos, a piada é sobre os que a fizeram: apesar da total irresponsabilidade da parte dos seus banqueiros, numa escala em que os banqueiros irlandeses mais se parecem com o Jimmy Stewart, chegados a um ponto em que a Islândia parece, na verdade, ligeiramente melhor que a Irlanda.

Há algum tempo, escrevi sobre a resistência surpreendente por parte da Islândia. Desde então, a Irlanda tem crescido ligeiramente, enquanto a Islândia sofreu um pequeno atraso durante a primeira metade de 2010 (em parte graças ao vulcão). Recorrendo aos dados do Eurostat, agora a situação é a seguinte:

O PIB da Islândia é ligeiramente pior (mas dentro do esperado), porém está substancialmente melhor na questão do emprego. E não vale a pena mencionarmos o caso da Letónia nem da Estónia.

O mais recente relatório do FMI acerca da Islândia é bastante positivo:

Com o programa de recuperação, a recessão da Islândia não tem sido tão profunda quanto se esperava, nem pior que noutros países mais afectados. Simultaneamente, a Coroa Islandesa tem estabilizado, estando agora a um nível competitivo, a inflação tem diminuído de 18 para 5% e os spreads CDS têm baixado de cerca de 1000 para 300 pontos base. Os défices das contas correntes têm baixado e as reservas internacionais têm saído fortalecidas, enquanto as falências do sector privado conduziram a um declínio acentuado da dívida externa para cerca de 300% do PIB.

E enquanto o FMI está a exigir que a Irlanda corte no salário mínimo e reduza os benefícios ao desemprego, a sua missão para a Islândia elogia o “enfoque em preservar o modelo de assistência social nórdico valorizado pela Islândia.”

O que é que se está a passar aqui? Fechada na sua concha, a Irlanda tem sido ortodoxa e responsável – garantindo o pagamento de todas as dívidas, comprometendo-se com uma austeridade brutal pelo preço dessas garantias e, claro, para assegurar o Euro. A Islândia tem sido heterodoxa: tem o controlo do capital, grande desvalorização e muita reestruturação da dívida – note-se aquela citação brilhante do FMI acima mencionada acerca de como “as falências no sector privado têm conduzido a um declínio acentuado na dívida externa”. Da falência para a recuperação! À séria!

E sabe o que mais? A heterodoxia tem funcionado bem melhor que a ortodoxia.

Artigo Paul Krugman, publicado no The NewYork Times, 24 de Novembro de 2010.
Tradução de Sara Vicente.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: