Teremos combustível suficiente

Há três anos, a era do petróleo abundante parecia estar no fim; hoje a percepção é de que o universo energético sofreu nova reviravolta

Clifford Krauss, The New York Times / O Estado de S.Paulo, 21 de novembro de 2010

Há três anos, gigantescos navios procedentes do mundo todo cruzavam os oceanos tão velozes quanto possível para entregar sua carga nos mercados em expansão, cada vez mais sedentos de petróleo. Os americanos se queixavam por ter de pagar US$ 4 o galão (3,8 litros) de gasolina, porque o preço do petróleo bruto saltara para US$ 147 o barril. Os preços do gás natural também subiam, e as contas de eletricidade dos domicílios aumentavam vertiginosamente.

Um livro de sucesso na época, Crepúsculo no Deserto, de Matthew R. Simmons, resumia a visão convencional: a era do petróleo e do gás baratos e abundantes tinha acabado. “Mais cedo ou mais tarde, o emprego do petróleo deverá atingir o pico no mundo inteiro”, concluía o livro, “porque o petróleo, como os outros dois combustíveis fósseis, o carvão e o gás natural, não é um recurso renovável.”

Mas assim que a equação oferta-demanda se definiu, tornou-se algo mais aceitável e familiar. Quando parecia que o mundo consumia as próprias exalações, gigantescos poços petrolíferos foram descobertos ao largo da costa do Brasil e da África, e projetos para as areias betuminosas do Canadá cresceram tão rapidamente que agora fornecem à América do Norte mais petróleo do que a Arábia Saudita. E, além disso, pela primeira vez em uma geração, os EUA decidiram aumentar a produção nacional de petróleo.

Ao mesmo tempo, começou outra onda de exploração de gás natural em áreas de xisto em todos os EUA, e na Europa e na Ásia já começa a perfuração em busca de gás de xisto. Em todo o mundo, aumentaram as exportações de gás natural liquefeito nos terminais, ligando o gás, que outrora tinha de ser queimado, ao mercado mundial, provocando a queda dos preços do gás.

Especialistas em energia agora preveem que, nas próximas décadas, haverá abundante energia para uso residencial e comercial a preços razoáveis. Em suma, o universo energético sofreu, mais uma vez, uma reviravolta.

“O petróleo e o gás continuarão a ser os pilares do fornecimento global de energia por muitos e muitos anos”, afirmou James Burkhard, diretor-gerente da IHS CERA, empresa de consultoria na área de energia.

Evidentemente, as consequências serão desagradáveis, mas previsíveis, conforme demonstrou o desastre do Golfo do México, meses atrás. Alguns ambientalistas afirmam que o gás de xisto depende de técnicas e de produtos químicos que podem comprometer os lençóis freáticos, e que o aumento da dependência das areias betuminosas canadenses é mais perigoso para o clima do que os óleos mais convencionais, porque a extração e o processamento das areias exigem muito mais energia e a perda de parte das florestas.

E, se por um lado, petróleo e gás a preços moderados podem aliviar a economia, por outro lado tornam as fontes renováveis de energia, como a eólica e a solar, relativamente caras e menos atraentes para os investidores, a não ser que os governos imponham um preço às emissões de carbono.

Expoentes do setor de petróleo e gás afirmam que fornecem uma ponte energética necessária: como o petróleo e o gás queimam uma fração do carbono queimado pelo carvão, faz sentido utilizá-los enquanto a energia eólica, solar, geotérmica e as outras não se tornarem comercialmente viáveis. “Deveríamos comemorar por podermos dispor de petróleo e gás em quantidades suficientes enquanto uma nova tecnologia energética não os substituir”, disse Robert N. Ryan Jr., vice-presidente da Chevron para exploração global.

O que aconteceu para mudar o panorama energético tão drasticamente nos últimos anos? A mudança poderá ser revertida quando a economia se recuperar? A recessão reduziu a demanda mundial de energia, particularmente nos EUA e na Europa, mas esta é apenas uma parte da história. Choques periódicos, como os embargos petrolíferos árabes nos anos 60 e 70, provavelmente voltarão a ocorrer no mundo enquanto houver atores imprevisíveis como o Irã. O acesso ao petróleo e ao gás sempre poderá ser limitado pela geopolítica, principalmente em regiões como o Oriente Médio.

Recentemente, a queda do dólar provocou uma nova alta dos preços do petróleo e de outras commodities. Entretanto, a perspectiva, baseada em tendências a longo prazo, pouco visíveis há cinco anos, agora parece prometer uma enorme oferta de petróleo e gás de novas fontes para as próximas décadas.

Os mesmos preços altos que inspiraram o terror ajudaram a solucionar a questão. A alta dos preços dos hidrocarbonetos levou a uma onda de investimentos e de prospecção. A inovação tecnológica revelou reservas imensas de novos recursos.

Evidentemente, nas próximas décadas, muito dependerá da política adotada pelos governos. A Agência Internacional de Energia, organização sediada em Paris que assessora os países industrializados, projetou que a demanda global de combustíveis aumentará 36% entre 2008 e 2035, pressupondo que sejam postos em prática os compromissos estratégicos já anunciados pelos governos. A demanda por petróleo, assim, deverá crescer de 84 milhões de barris diários, em 2009, para 99 milhões de barris em 2035. / Tradução de Anna Capovilla

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: