Limites da economia no centro do palco

Washington Novaes, O Estado de S.Paulo, 17 de maio de 2013

Não há como não prestar atenção: são cada vez mais frequentes na comunicação mais especializada informações sobre teses e análises no âmbito econômico que já não se referem às crises do nosso tempo apenas como ciclos em que se exaurem modelos de relações governamentais, empresariais e sociais – à espera de que novas fórmulas nesses âmbitos sejam capazes de levar a novos ciclos de crescimento econômico e prosperidade. Essas novas teses se centram progressivamente na análise do que está sendo chamado de caminhada rumo à exaustão dos “limites físicos” do planeta – o que implicaria a impossibilidade de continuar tentando trafegar por sendas que exijam maior consumo desses recursos com o objetivo de assegurar o crescimento econômico. Continuar lendo

A deepening systemic crisis and rising social response

Pablo Solon, ESSF, October 11, 2012

In the third quarter of 2012, several climate records were broken, in the US, India, the Arctic and many other parts of the world. The economic crisis has gotten worse in Europe and has begun to knock on the doors of the emerging economies. A global food crisis is on its way because of the droughts, the floods, the diversion of crops to biofuels, and the speculation on food commodities in the financial markets.

The difference though with the previous crisis is that this time the capitalist system has touched the boundaries of the planet Earth and the financial speculation has spiraled out of control as it has overtaken the real economy and become the main driver of profit. Continuar lendo

Extreme Energy Means an Extreme Planet

The new “Golden Age of Oil” that wasn’t as forecasts of abundance collide with planetary realities

Michael T. Klare, Tom Dispatch.org, October 4, 2012

Last winter, fossil-fuel enthusiasts began trumpeting the dawn of a new “golden age of oil” that would kick-start the American economy, generate millions of new jobs, and free this country from its dependence on imported petroleum.  Ed Morse, head commodities analyst at Citibank, was typical.  In the Wall Street Journal he crowed, “The United States has become the fastest-growing oil and gas producer in the world, and is likely to remain so for the rest of this decade and into the 2020s.” Continuar lendo

‘Planetary Emergency': New Data Elevates Climate Change Alarm

Arctic exploitation ‘perfect indictment of our failure to get to grips with the greatest problem we’ve ever faced’

Common Dreams staff, September 20, 2012

Drawing on new data on the rate of melting arctic ice released Wednesday by the National Snow and Ice Data Center (NSIDC), leading scientific experts and environmental campaigners upped the level of alarm and issued a renewed call to action by calling the growing reality of climate change a “planetary emergency”. Continuar lendo

Pegada ecológica: os seres humanos estão em déficit

A capacidade de consumo parece ilimitada e o planeta não é suficiente. Os recursos que serão utilizados daqui até o final do ano correspondem a estoques que não se renovam. A informação faz parte de um relatório baseado em dados científicos.

 Eduardo Febbro, Página/12, 27 de agosto de 2012. A tradução é do Cepat. Reproduzido de IHU On-line.

Desde 22 de agosto passado, a Humanidade está em déficit. Nos primeiros oito meses do ano, os seres humanos esgotaram a totalidade dos recursos que a Terra é capaz de produzir ao longo do ano. Em 22 de agosto, se alcançou o que a ONG Global Footprint Network (GFN) chama de Global Overshoot Day, isto é, “o dia do excesso”. Desde 2003, esta ONG mede todos os anos a pegada ecológica do planeta, o acúmulo dos recursos e a forma como os consumimos. A capacidade de regeneração anual do planeta é limitada. Diante disso, a capacidade de consumo do ser humano parece ilimitada e o planeta não é suficiente para cumprir com as exigências que a Humanidade lhe impõe. Desde a década de 1970, os seres humanos vivem muito acima dos seus meios. O relatório da GFN mostra um aceleramento constante do esgotamento dos recursos. Em 2012, o Global Overshoot Day foi atingido 36 dias antes que em 2011. A curva para baixo é constante. Os cálculos desta ONG se baseiam em dados científicos que se articulam em torno de uma medida, o hag, o hectare global mediante o qual se compara a biocapacidade do planeta com o consumo de cada país. O resultado dos estudos é catastrófico: para manter o nível de vida atual falta meio planeta suplementar. Continuar lendo

A humanidade já acabou com seu orçamento ecológico para 2012

Um estudo divulgado pela Rede da Pegada de Carbono Global, uma entidade de pesquisa do meio ambiente, e a Fundação Nova Economia (Nef, na sigla em inglês), um “think-tank” com sede em Londres, criadora do “Dia da dívida ecológica”, confirmou que hoje mesmo (22-08) a humanidade acabou com seu orçamento ecológico anual para 2012, e entrou em déficit ecológico. No caso da Espanha, isso aconteceu no dia 22 de abril.

La Vanguardia, 22 de agosto de 2012. A tradução é do Cepat. Reproduzido do IHU On-line.

“Em menos de oito meses, acabamos com todos os recursos que o planeta pode prover e com todo o carbono que pode absorver de forma sustentável”, destaca em um comunicado. Como consequência, no restante do ano “viveremos com o crédito do planeta e de futuras gerações, sobre-explorando os recursos naturais e acumulando carbono na atmosfera”. No ritmo atual, as pessoas consomem 56% de recursos acima da biocapacidade do planeta, ou seja, para manter o nível atual de consumo seria necessária 1,5 Terra. Continuar lendo

A questão dos limites e da desigualdade ficou fora da Rio+20

Passar de quatro milhões para 6,3 milhões de automóveis produzidos anualmente, investir 700 bilhões de dólares em combustíveis fósseis e outros 250 bilhões em estradas, isso vai fazer certamente com que a economia brasileira cresça: mas será que é a melhor forma de responder às necessidades mais importantes de sua população?

IHU On-line entrevista Ricardo Abramovay, IHU On-line, 1 de julho de 2012

“O conteúdo do documento final é especialmente preocupante, pois reflete a resistência governamental em reconhecer que não é possível manter universalmente o pé no acelerador do crescimento econômico (ainda que sob ares verdejantes) sem comprometer ainda mais a capacidade de os ecossistemas prestarem os serviços dos quais todos dependemos”, admite Ricardo Abramovay em entrevista concedida por e-mail à IHU On-Line. Continuar lendo

Inação está levando o planeta ao limite, afirma cientista sueco

Claudio Angelo entrevista Johan Rockström, Folha de S.Paulo, 25 de junho de 2012

O hidrólogo sueco Johan Rockström chegou ao Rio de Janeiro na semana retrasada com uma certeza: a Terra está no limiar de um futuro no qual o risco de colapso ambiental é inédito. E saiu na semana passada com outra: os governos não escutam.

Diretor do Centro de Resiliência de Estocolmo, Rockström tornou-se uma espécie de celebridade na academia ao propor, em 2009, o conceito de “espaço de operação seguro” para a humanidade. O grupo de 28 cientistas liderado por ele mostrou, num estudo seminal no periódico “Nature”, que a civilização já ultrapassou 3 de 9 barreiras planetárias cujo rompimento pode levar a pontos de virada no sistema terrestre — e a potenciais catástrofes. Continuar lendo

El clima de la Tierra podría alcanzar un punto de no retorno

Un artículo publicado en Nature, con participación española, alerta del posible cambio irreversible del estado planetario actual por causas de origen humano. Los dos problemas principales son el consumo de combustibles fósiles y la alta tasa de crecimiento de la población mundial.

Jordi Guzmán, Pasa la vida, 7 de junio de 2012

La revista científica Nature publica esta semana un artículo, con la participación de científicos españoles, que advierte del posible cambio del estado planetario actual. Según las conclusiones, la posibilidad de alcanzar un punto de no retorno de la situación se debe al consumo de combustibles fósiles y a la alta tasa de crecimiento de la población mundial. Continuar lendo

A crise de civilização que assoma e os desafios da Cúpula dos Povos

A Cúpula dos Povos deve apontar para outra civilização: grande parte do que é produzido hoje é desnecessário para uma vida digna e prejudicial para o planeta e a maioria da humanidade. Mas para isso, a esquerda deve romper com uma certa tradição produtivista e, em nosso continente, com o neodesenvolvimentismo inseparável do modelo chinês.

José Correa Leite, 15 de abril de 2012, atualizado em 10 de maio de 2012

A Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) ocorrerá em um momento em que a crise econômica estrutural, que irrompeu abertamente em agosto de 2008, mergulhou a Tríade EUA-UE-Japão em um prolongado período de depressão, acirrou a competição entre os governos centrais e os emergentes e enfraqueceu não apenas os projetos mas até mesmo as veleidades ambientais de todos eles. Continuar lendo

Limits to Growth: 1972 ‘Collapse’ Prediction Still on Track

Common Dreams, Staff, March 6, 2012

A renowned Australian research scientist has expressed concern over a possible “global economic collapse” that may occur in 2030 if humans fail to check expansion and preserve the world’s already diminishing resources.

Physicist Graham Turner says the 1972 MIT study –“The Limits to Growth” — claiming the world could suffer from a “global economic collapse” and “precipitous population decline” if people continue to consume the world’s resources at the current pace is still on track, nearly 40 years after it was first produced.

The new issue of Smithsonian Magazine writes that Australian physicist Graham Turner, who works at the CSIRO Sustainable Ecosystems, says “the world is on track for disaster” and that current research from Turner coincides with the 1972 MIT study. Continuar lendo

Somos 7 bilhões – é possível oferecer bem-estar a todos?

Cada habitante da Terra tem direito a uma vida digna, água, comida, educação, moradia e saúde. Se todos seguirem o estilo de vida dos países ricos, seriam necessários três planetas, dizem os especialistas.

Ulrike Mast-Kirschning, Deutsche Welle, 26 de outubro de 2011

Ela nasce por estes dias: a pessoa que, até o final de outubro, elevará a 7 bilhões o cálculo estatístico do crescimento populacional do planeta. O termo empregado pelos especialistas é “explosão demográfica”: nos últimos 200 anos ocorreu o mais veloz crescimento da população na história da humanidade.

Até 2050 deverão ser até mesmo 9,1 bilhões de habitantes. Cada um deles com direito a uma vida digna, água e alimento, educação, moradia e saúde. E quase todos sonham com um pouquinho de prosperidade, geralmente segundo os padrões ocidentais de qualidade de vida.

Mas o globo será capaz de comportar tudo isso? “Se todos seguirem o estilo de vida norte-americano ou ocidental, isso não será possível”, descarta o cientista Ernst Ulrich von Weizsäcker, especialista em meio ambiente e membro do Conselho para o Futuro do Mundo (WFC, em inglês), fundado em 2007, em Hamburgo. “Para tal, seriam necessários três planetas Terra.” Continuar lendo

Nos limites da terra

A história do ambientalista Lester Brown, fundador do instituto Earth Policy, em Washington, e ex-analista da Secretaria de Agricultura do governo americano, começa numa pequena fazenda no sul de New Jersey, onde ele plantava tomates. Hoje com 77 anos, Brown ainda se orgulha de como aos 17 começou com o irmão mais novo, Carl, de 14, o cultivo que produziria 700 t de tomate numa safra particularmente boa em 1958. “Foi uma adolescência bem divertida”, lembra o economista, um dos responsáveis pela popularização da ideia de desenvolvimento sustentável nos Estados Unidos.

Carolina Rossetti entrevista Lester Brown, O Estado de S. Paulo, 23 de outubro de 2011

Em 1974, Lester Brown fundou o Worldwatch Institute, primeiro centro de pesquisa do mundo dedicado a questões ambientais, do qual foi presidente por 26 anos. Estudioso de segurança alimentar, mudanças climáticas e energia renovável, ele foi eleito pela revista Foreign Policy um dos pensadores mais importantes de 2010. Na semana do Dia Mundial da Alimentação das Nações Unidas, segunda-feira, Brown falou sobre seu “plano B” para evitar um colapso dos recursos naturais do planeta Continuar lendo

Nove ações humanas que ameaçam a terra

Além do ciclo do carbono, outros sistemas estão sendo modificados pelo homem em patamares que desafiam a capacidade do planeta de prover os recursos que usamos.

Karina Ninni, O Estado de S.Paulo, 31 de agosto de 2011

Falta de oxigênio na água doce, branqueamento de corais nos mares, inclusão de poluentes químicos na cadeia alimentar, esgotamento dos recursos hídricos, diminuição da capacidade dos oceanos de fixar carbono, deslizamentos de terra, queda ou aumento na produtividade de cultivos… Continuar lendo

The Other Inconvenient Truth: The Crisis in Global Land Use

As the international community focuses on climate change as the great challenge of our era, it is ignoring another looming problem — the global crisis in land use. With agricultural practices already causing massive ecological impact, the world must now find new ways to feed its burgeoning population and launch a “Greener” Revolution.

Jonathan Foley, Yale Environment 360, October, 5, 2009

It’s taken a long time, but the issue of global climate change is finally getting the attention it deserves. While enormous technical, policy, and economic issues remain to be solved, there is now widespread acceptance of the need to confront the twin challenges of energy security and climate change. Collectively, we are beginning to acknowledge that our long addiction to fossil fuels — which has been harming our national security, our economy and our environment for decades — must end. The question today is no longer why, but how. The die is cast, and our relationship to energy will never be the same.

Unfortunately, this positive shift in the national zeitgeist has had an unintended downside. In the rush to portray the perils of climate change, many other serious issues have been largely ignored. Climate change has become the poster child of environmental crises, complete with its own celebrities and campaigners. But is it so serious that we can afford to overlook the rise of infectious disease, the collapse of fisheries, the ongoing loss of forests and biodiversity, and the depletion of global water supplies?

Although I’m a climate scientist by training, I worry about this collective fixation on global warming as the mother of all environmental problems. Learning from the research my colleagues and I have done over the past decade, I fear we are neglecting another, equally inconvenient truth: that we now face a global crisis in land use and agriculture that could undermine the health, security, and sustainability of our civilization. Continuar lendo

A Timely Reminder of the Real Limits to Growth

It has been more than 30 years since a groundbreaking book predicted that if growth continued unchecked, the Earth’s ecological systems would be overwhelmed within a century. The latest study from an international team of scientists should serve as an eleventh-hour warning that cannot be ignored.

Bill Mckibben, Yale Environment 360, October 1, 2009

Let’s play doctor. I’m sitting there in a white coat looking at my clipboard and I say: “Hmmm, your cholesterol is going up. If you keep eating this way, you’re going to have a heart attack some day.” You hear that, and you stop on the way home for a bacon double cheeseburger.

But now imagine I’m sitting there in my white coat looking at my clipboard and all of a sudden I whistle, and say: “Your cholesterol is off the charts, man. You’re in the zone where people have heart attacks all the time. You better hope you get it down before the stroke.” You hear that, and you stop on the way home for some Lipitor and a pair of running shoes.

We’ve known for a very long time now that, in some vague way, we were headed for trouble. Limits to Growth was published in 1972, and its assorted charts and graphs made remarkably clear that, as the authors of that seminal book put it at the time, “If the present growth trends in world population, industrialization, pollution, food production, and resource depletion continue unchanged, the limits to growth on this planet will be reached sometime within the next one hundred years. The most probable result will be a rather sudden and uncontrollable decline in both population and industrial capacity.” Continuar lendo

Crecimiento o cáncer? La economía en tiempos del cambio climático

Joerg Elbers, letrasverdes, mayo de 2011

El alcohólico que sigue tomando, intenta mantener una apariencia normal, y niega que exista algún problema. De igual manera, sociedades adictas al crecimiento sin fin y al consumo ilimitado niegan que exista algún problema, como si los límites de los recursos finitos pudieran ser pasados por alto, por una creencia ciega e irracional en soluciones aún por imaginarse. Finalmente, aparte de todo, la adicción nos obliga a vivir una mentira – a vivir en autoengaño.

Marc Hathaway y Leonardo Boff (2009: 94-95)

En el año 1999, Ed Ayres, el entonces editor del World Watch Magazine, describió con palabras imponentes lo que en la Tierra ocurre cada minuto de cada día (citado en Hathaway y Boff, 2009: 20):

- Perdemos un área de bosques tropicales equivalente a la zona de cincuenta campos de fútbol, sobre todo por la quema.
– Convertimos medio kilómetro cuadrado de tierra en desierto.
– Quemamos una cantidad de energía de combustibles fósiles para cuya producción la Tierra requirió diez mil minutos, a través de la captura de luz solar. Continuar lendo

A Global Crisis of Land Use and Agriculture

Jonathan Foley, Stockholm Resilience Centre

Seminar with Professor Jonathan Foley, Director, Institute on the Environment, University of Minnesota, US Tuesday 1 June, 2010.

As the international community focuses on climate change as the great challenge of our era, it is ignoring another looming problem — the global crisis in land use. With agricultural practices already causing massive ecological impact, the world must now find new ways to feed its burgeoning population and launch a “Greener” Revolution. Full seminar title: The Other Inconvenient Truth: A Global Crisis of Land Use and Agriculture.

Provocative New Study Warns of Crossing Planetary Boundaries

The Earth has nine biophysical thresholds beyond which it cannot be pushed without disastrous consequences, the authors of a new paper in the journal Nature report. Ominously, these scientists say, we have already moved past three of these tipping points.

Carl Zimmer, Yale Environment 360, September 23, 2009

Human civilization has had a stable childhood. Over the past 10,000 years, as our ancestors invented agriculture and built cities, the Earth remained relatively stable. The average global temperature fluttered slightly, never lurching towards a greenhouse climate or chilling enough to enter a new Ice Age. The pH of the oceans remained steady, providing the right chemical conditions for coral reefs to grow and invertebrates to build shells. Those species, in turn, helped support a stable food web that provided plenty of fish for us humans to catch. The overall stability of the past 10,000 years may have played a big part in humanity’s explosion. Continuar lendo

Limites para um Planeta Sustentável

Jonathan Foley, Shan, o boxer, 5 de julho de 2010

A edição de junho da Scientific American Brasil publicou uma excelente matéria, a qual resume os limites dos principais processos ambientais que podem colocar em risco a vida na Terra. Estes limites foram definidos por vários cientistas do mundo, que tiveram esta tese colocada à prova quando a publicaram no renomado periódico científico Nature. Continuar lendo

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 684 outros seguidores