Nova Greve Geral é “passo inevitável para a continuação da luta”

A deputada do Bloco Mariana Aiveca realçou a enorme adesão à greve, quer no setor público como no privado. Carvalho da Silva sublinhou que os sacrifícios exigidos aos portugueses servem para pagar “aos credores e agiotas” e João Proença acusou o governo de manipular dados sobre a adesão à greve.

Esquerda.net, 24 de novembro de 2011

Mariana Aiveca realçou, em entrevista ao esquerda.net, que setores dos transportes que “têm um grande impacto, e que são do setor privado”, tiveram “um papel determinante no êxito desta greve geral” e que se registou uma “grande participação cidadã”, sendo que a mobilização não se restringiu apenas aos sindicatos e seus membros.

A deputada bloquista frisou ainda a “solidariedade internacional para com os grevistas portugueses”. “Esta não é apenas uma greve do espaço nacional e com reivindicações nacionais”, afirmou Mariana Aiveca, adiantando que o Bloco “tem vindo a defender que a luta tem que ser feita a uma escala maior e a uma escala europeia”.

“Nova greve geral é um passo inevitável para a continução da luta”

A dirigente bloquista, comentando as declarações proferidas durante a manhã, aos microfones da TSF, pelos líderes da CGTP e da UGT sobre a hipótese de convocar uma nova greve geral, afirmou que este é “um passo inevitável para a continuação da luta”.

Mariana Aiveca lembrou que o governo e os “senhores da troika” já anunciaram que irão impor novos sacrifícios aos portugueses, sacrifícios estes que irão, inclusive, ser alargados aos trabalhadores do privado.

Os portugueses e as portuguesas não podem aceitar um ataque que “representa uma grande regressão social dos direitos que se conquistaram”, defendeu a dirigente bloquista.

Mariana Aiveca deixou ainda claro que o caminho da luta terá que ser “a continuidade deste caminho de unidade”, para o qual terão que ser “convocados ainda mais setores”.

“Os sacrifícios são apenas para pagar aos credores e agiotas que nos exploram”

Durante a conferência de imprensa conjunta com a UGT de balanço da greve geral, o secretário-geral da CGTP, Carvalho da Silva, afirmou que o facto de uma agência de ‘rating’ ter “dado um louvor ao governo português”, e pela mesma avaliação ter “baixado a posição de Portugal no ranking para recurso aos mercados financeiros”, é “a prova provada que os sacrifícios são apenas para pagar aos credores e agiotas que nos exploram”.

UGT acusa governo de “manipular” dados sobre adesão à greve

O secretário-geral da UGT, João Proença, acusou, por sua vez, o governo de “manipular” dados sobre a adesão à greve, sublinhando que “o documento que o governo pôs cá fora às 11h30 é uma vergonha, ultrapassa os limites da decência”.

About these ads

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 686 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: