A Vida em Plenitude

Chico Alencar, O Globo, 1 de maio de 2010

Copenhague e Cochabamba. Na capital da Dinamarca, em dezembro, reuniram-se autoridades e especialistas para discutir as mudanças climáticas e adotar medidas para, ao menos, minimizar a grave crise ambiental. Os resultados da ruidosa reunião da ONU são conhecidos e frustrantes. Já os de Cochabamba, na Bolívia, na I Conferência Mundial dos Povos sobre Mudança Climática e Direitos da Mãe Terra, este mês, foram profundos e fecundos, embora pouquíssimo noticiados. Uma das razões do êxito foi a presença de movimentos sociais os mais diversos, e não para protestar do outro lado das grades.

Representações de 142 países – sendo 90 delegações oficiais – lá compareceram, nas palavras e propostas dos 35.500 participantes. É de se lamentar que o Brasil, secularmente de costas para a América Latina, não tenha marcado presença significativa.

Em Cochabamba, alguns consensos foram firmados. O primeiro deles deriva da cosmovisão dos povos andinos, cada vez mais empoderados, que ensina ao Ocidente colonialista que não estamos sobre a Terra para dominá-la, mas somos parte dela, para desfrutá-la em harmonia. A natureza não é uma mercadoria, com seus “recursos”, mas nosso ambiente vital: superorganismo vivo (Gaia) que se autorregula, da qual somos partícula pensante e amorosa – mas também com potencial violento e destruidor.

Outra compreensão comum foi o caráter predador do estímulo ao consumo insaciável em um universo finito. O sistema capitalista tem no êmulo do lucro, da competição e da superexploração da natureza uma perversidade congênita. A clara condenação das estruturas do capital não obscureceu o senso crítico: reconheceu-se que o chamado “socialismo real”, produtivista, do planejamento centralizado, foi, por outro lado, igualmente letal para nossa casa comum, a Terra. Hoje, não por acaso, EUA e China são os maiores poluidores do planeta.

Cochabamba definiu posições: indicou para 22 de abril de 2011, Dia da Terra, um referendo mundial sobre o sistema produtivo hegemônico, sobre a redução da emissão de gases e sobre a transferência dos recursos bélicos para medidas de mitigação dos danos ambientais.

Será criado um Tribunal Internacional de Justiça Climática e Ambiental.

A dívida climática será cobrada daquelas nações que geram contaminação e superaquecimento, incidindo em percentual sobre seu PIB. Cochabamba aprovou, por fim, a Declaração Universal dos Direitos da Mãe Terra, a ser conhecida e respeitada por povos e governos do planeta inteiro.

Da Bolívia, no coração da América do Sul, ouviu-se um grito humaníssimo pela Mãe Terra, a Pacha Mama: se não mudarmos o sistema, o clima continuará mudando e tornará inabitável o planeta. Urge uma revolução cultural para fazermos, no cotidiano, do necessário o suficiente. Praticando o “bem viver”, que é a vida em plenitude, na dignidade do ser e não na acumulação e desperdício do ter.

Chico Alencar é professor e deputado federal (PSol-RJ)

About these ads

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 677 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: